Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Serviços em destaque

Vídeos

Medalha Zilda Arns

Medalha Zilda Arns

A medalha Zilda Arns é uma justa homenagem a quem dedica a vida para fazer o bem às pessoas. Nesta semana, o governador Eduardo Pinho Moreira entregou o título ao médium Divaldo Pereira Franco. Homem que desenvolveu um belíssimo trabalho caritativo, fruto da vontade de servir o próximo.

Oportunidades

Próximos eventos


Foto: Aires Mariga / Epagri

A colheita da pitaia só termina em maio, mas já é possível afirmar que a safra será boa, com aumento de produtividade em relação ao ano passado. Quem informa é Lidiane Camargo, extensionista rural da Epagri em Criciúma. A região Sul é a maior produtora da fruta no Estado, com 117 famílias agricultoras dedicando-se à atividade. Em muitas propriedades da região, sobretudo em Içara e Turvo, a pitaia é a principal fonte de renda.   

Como a colheita não foi concluída, a extensionista não pode ainda afirmar qual o índice de crescimento de produção e produtividade, mas adianta que os resultados serão animadores.

Há sete anos o cultivo da pitaia se popularizou no Sul de Santa Catarina. Desde então a atividade só vem se expandindo e se fortalecendo. Segundo Lidiane, praticamente todas as propriedades da região aumentaram suas áreas de plantio no último ano.

FRUTA RESISTENTE

Todo esse entusiasmo com o cultivo da pitaia tem motivos. A planta, muita rústica, não é suscetível a doenças e sofre muito pouco com ataques de pragas. Assim, seu manejo é mais simples e o custo de produção menor, já que dispensa agrotóxicos e se desenvolve bem com adubo orgânico.

A fruticultura é uma vocação natural da região e muitos produtores de maracujá acabaram migrando para a pitaia em virtude das vantagens. “O manejo das duas frutas é similar”, explica Lidiane. Houve também quem deixasse a fumicultura para aderir ao novo cultivo, muito menos prejudicial para a saúde do agricultor e de menor impacto ambiental.

O bom valor agregado da pitaia é outro atrativo para os agricultores, além do mercado, que é crescente. “Tem muita gente que ainda nem conhece a fruta”, atesta Lidiane. Boa parte da produção do Sul do Estado fica no comércio local, mas já há produtores vendendo para outras praças, como Curitiba e São Paulo.

NA GRANDE FLORIANÓPOLIS

Apesar de estar mais concentrado na região Sul, o cultivo da pitaia vem aos poucos se expandido pelo Estado. Segundo Lidiane, a fruta se adapta bem a áreas mais quentes e não tem limitações quanto a índices pluviométricos, já que gosta de chuva mas também é resistente a estiagem. Dentro deste cenário, somente a região serrana, onde a temperatura é mais baixa, não é ideal para o cultivo.


Foto: Divulgação / Epagri

Vitório Schmitt, de Antônio Carlos, na Grande Florianópolis, apostou há dois ano nesse novo nicho de mercado e não tem do que reclamar. Possui 1,5 mil pés da planta, que, por serem jovens, ainda não estão na plenitude de sua capacidade produtiva. Esse ano ele teve uma boa colheita, que deve crescer nas próximas safras, já que uma planta produz frutos por até 20 anos.

Esse é mais um agricultor que optou pela pitaia por questões ambientais e de saúde. Ele planta chuchu há 20 anos, mas não estava satisfeito com o crescente volume de agrotóxicos que vinha aplicando na lavoura. Aos poucos está abandonando a hortaliça para se dedicar à pitaia, que não recebe nenhum tipo de agrotóxico. Ele também investe na apicultura, uma atividade que colabora para a produtividade da pitaia, já que a abelhas são importantes para a polinização da fruta.

Vitório vende praticamente toda sua produção de pitaia para o Ceasa, o restante entrega em mercados de Antônio Carlos. Encerra sua colheita na próxima semana com motivos para comemorar.

Mais informações

  • Lidiane Camargo, extensionista da Epagri em Criciúma, pelos fones (48) 3403-1082 / 99623-8154
  • Rosilda Helena Feltrin, extensionista da Epagri em Antônio Carlos, pelos fones (48) 3665-6394 / 98413-1367
  • Vitório Schmitt, agricultor em Antônio Carlos, pelo fone (48) 98404-3716

Informações para a imprensa
Assessoria de Imprensa Epagri
Gisele Dias, jornalista: (48) 99989-2992/3665-5147
Cinthia Andruchak Freitas, jornalista: (48) 3665-5344


Fotos: Julio Cavalheiro / Secom

O governador Eduardo Pinho Moreira participou nesta quarta-feira, 18, na Câmara de Vereadores de São Lourenço do Oeste, da solenidade de diplomação do parlamento jovem e executivo mirim. Os estudantes de escolas estaduais e municipais, com idades entre 12 e 15 anos, participaram do processo eleitoral do Programa Parlamento Jovem, que incentiva o exercício da cidadania.

“Esse é o caminho. Vocês são o futuro. Parabéns pela atitude de participar deste projeto tão importante. Busquem informações, conversem sobre tudo aquilo que é importante para a cidade, para o estado e para o Brasil ”, disse o governador.


Foto: Cidasc/Arquivo

O Ministério da Agricultura retira a suspensão da BRF e a empresa pode voltar a exportar carne de frango para União Europeia. O anuncio foi feito pelo próprio ministro Blairo Maggi durante reunião com representantes do Fórum Parlamentar Catarinense, em Brasília, nesta terça-feira, 17. 

A partir de agora, os frigoríficos, que estavam suspensos, estão novamente habilitados a vender carne de frango para o bloco europeu, dependendo ainda de negociações comerciais. Segundo o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, o retorno das exportações para União Europeia é fundamental para Santa Catarina. “O frango é o nosso principal item da pauta de exportações e a Europa é o mercado que compra produtos de grande valor agregado. O continente representa 15,2% das exportações catarinenses de carne de frango, com um faturamento de US$ 364,9 milhões em 2017”, afirma.

Em Santa Catarina, eram três plantas da BRF impedidas de vender o produto para a União Europeia e que agora serão novamente credenciadas, localizadas nos municípios de Concórdia, Chapecó e Capinzal. As estimativas são de que o estado tenha deixado de exportar mais de três mil toneladas no último mês, um prejuízo que chega a US$ 9 milhões.

Novos mercados

Segundo informações do Ministério da Agricultura, nos próximos dias, a Coreia do Sul anunciará os nomes de cinco frigoríficos catarinenses credenciados a exportar carne suína. Outros três importantes mercados devem ampliar a compra de carnes brasileiras: Indonésia, México e China.

Também na próxima semana, a Indonésia deverá anunciar que comprará carnes do Brasil. O México irá habilitar mais 30 plantas para vender carne de frango e uma delegação da China virá em maio para habilitação de novos frigoríficos de carne suína.

“A exportação de carnes para o continente asiático e o México são uma grande esperança para continuidade do crescimento da produção de proteína animal de Santa Catarina”, ressalta Airton Spies.

Avicultura em SC

Santa Catarina é o segundo maior produtor de aves do Brasil, com 2,1 milhões de toneladas produzidas em 2017. Boa parte deste total é destinada ao mercado externo. Hoje, o estado exporta 46,2% de sua produção, que chega a 120 países ao redor do mundo. Os principais mercados da carne de frango catarinense são: Japão, Países Baixos (Holanda e Bélgica), China, Arábia Saudita e Reino Unido.

A avicultura tem o maior Valor Bruto da Produção Agropecuária catarinense, com um faturamento de R$ 6,2 bilhões em 2017.

Informações adicionais para a imprensa
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca 
E-mail: imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-4417/ 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br


Fotos: Jeferson Baldo / Secom

Seja nos azulejos coloridos da arquitetura preservada, no artesanato, seja na gastronomia vinda da pesca, a cultura dos Açores em Florianópolis ainda está presente, com muita força. Em 2018, Santa Catarina completa 270 anos de colonização açoriana, e para comemorar, o governador Eduardo Pinho Moreira, convidou o presidente da Região Autônoma dos Açores, em Portugal, Vasco Alves Cordeiro, para conhecer o Estado. O encontro foi realizado nesta quarta-feira, 18, no gabinete do governador, em Florianópolis.

“A história de Açores está entrelaçada com Florianópolis e Santa Catarina. Os antepassados que aqui imigraram foram muito importantes para nossa história. Estar lá e conhecer um pouco in loco de onde eles saíram, a coragem de terem vindo, nos descobrir e nos colonizar é um momento de alegria e eu espero poder aceitar esta visita do governo de Açores”, respondeu o governador ao convite do presidente dos Açores para visitar a província.


Foto: SSP/SC

O secretário de Estado da Segurança Pública, Alceu de Oliveira Pinto Júnior, afirmou que o caminho para o aumento da resolutividade no setor passa, necessariamente, pelo incremento do uso da tecnologia e de inteligência. “Santa Catarina é um dos estados mais adiantados em inovações tecnológicas”, disse. Alceu de Oliveira participou, na noite de terça-feira, 17, em Florianópolis, do I Congresso Catarinense de Direito Processual Penal.

As reduções significativa dos índices de criminalidade nestes primeiros meses do ano, segundo ele, se devem “a análises de cenário muito bem feitas e orientadas e à definição de medidas de curto, médio e longo prazos que estão sendo implementas e estão dando certo”.

De 1º de janeiro até 17 deste mês, a redução do número de homicídios no Estado foi de 16% em relação a igual período do ano passado; a de roubos, 31%, e a de roubos e furtos a instituições financeiras, 50%. Porém, só o emprego de novas tecnologias não será suficiente, acrescentou o secretário. “Não há segurança pública sem presença policial e sem inteligência, pois precisamos identificar os atores do jogo e as regras aplicadas e definirmos os movimentos a serem executados”, explicou.

Alceu de Oliveira também salientou o esforço da pasta em ampliar o número de câmeras de vigilância das cerca de 2,7 mil existentes hoje para cerca de 8 mil e a aquisição de softwares específicos para análises das imagens. “Desde março, estamos com edital publicado para autorização de disponibilização das imagens à SSP. Ele está disponível no Portal de Compras do Governo do Estado”, afirmou. 

Segurança Pública, concluiu, “é um dever do Estado, mas também um direito e responsabilidade de todos”.

Mais informações para a imprensa:
Vitor Hugo Louzado
Assessoria de Comunicação
Secretaria da Segurança Pública
Fone: (48) 3665-8183 / (48) 99118 9821
E-mail: vhlouzado@hotmail.com

Página 1 de 302