praquempesquisa

  • Cartilha de Segurança para Internet

    Recomendações e dicas sobre o uso seguro da internet.

  • Computador de alto desempenho vai aprimorar previsão de curtíssimo prazo no estado


    Otacílio Costa (12/06/2017). Foto: James Tavares/Secom

    A Epagri/Ciram está instalando uma nova tecnologia que vai aprimorar a previsão de curtíssimo prazo, que consegue antecipar em até seis horas a ocorrência de eventos meteorológicos com potencial para causar prejuízos, como tempestades severas aliadas a ventos fortes, chuvas intensas e granizos, entre outros.

    Trata-se de um computador de alto desempenho (servidor), no valor de R$ 60 mil, que vai unir num único produto modelos numéricos de previsão do tempo, dados meteorológicos das estações automáticas e informações geradas por radar meteorológico. Assim, será possível prever com mais precisão a ocorrência de eventos meteorológicos extremos no território catarinense.

    O novo equipamento foi adquirido por meio do projeto Suporte à Previsão de Curtíssimo Prazo Através da Assimilação de Dados em Ciclo de Atualização Rápida (CAR), coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e financiado pelo CNPq. Além da Epagri/Ciram, outras instituições participam da pesquisa, entre elas o Centro de Previsão de Tempo e estudos Climáticos (Cptec) e Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) e até a Nasa.

    Clóvis Corrêa, meteorologista da Epagri/Ciram, coordena o projeto dentro da instituição. Ele explica que, normalmente, os modelos matemáticos são usados para fazer previsões de prazo mais estendido (72h, 48h e 24h), enquanto que os radares servem mais para previsões de curto prazo. Cabe ao meteorologista, com base em seu conhecimento e experiência, fazer a união dos dados gerados pelos dois sistemas, a fim de produzir a previsão, no caso de evidência de eventos meteorológicos intensos. Com a união das duas tecnologias em um único computador, essas informações serão automaticamente integradas, dando mais agilidade e precisão ao trabalho.

    Clóvis conta que, por enquanto, o servidor está em fase de testes, mas deve estar operando até o final do ano. Além de ajudar na previsão operacional, o novo equipamento vai também colaborar com pesquisas que buscam detalhar os fenômenos meteorológicos que ocorrem em Santa Catarina e no Brasil.

    Mais informações com Clóvis Corrêa pelo fone (48) 3665-5133.

    Informações adicionais para a imprensa:
    Assessoria de Comunicação da Epagri
    Gisele Dias
    Fone: (48) 3665-5147 / (48) 99989-2992
    E-mail: giseledias@epagri.sc.gov.br
    Cinthia Andruchak
    Fone: (48) 3665-5344
    E-mail: cinthiafreitas@epagri.sc.gov.br
    Isabela Schwengber
    Fone: (48) 3665-5407
    E-mail: isabelas@epagri.sc.gov.br
    Site: www.epagri.sc.gov.br

  • Doação de equipamentos de informática

    Endereços da CDI para doação de equipamentos de informática

  • Edital do Inventor da Udesc recebe inscrições de estudantes e servidores até fim de agosto

    1º Edital do Inventor da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) segue com inscrições abertas até 31 de agosto para alunos, professores e técnicos da instituição interessados em proteger suas invenções por meio da propriedade intelectual, usando, como procedimento, o depósito de pedidos de patentes. O edital e o formulário para se inscrever estão disponíveis na página da Coordenadoria de Projetos e Inovação (Cipi), setor da Udesc responsável pela iniciativa.

    Por meio dessa ação, a universidade pretende selecionar invenções para a busca de anterioridade e a elaboração de patentes conforme a Lei da Propriedade Industrial (Lei Federal n° 9.279/1996). Esses procedimentos serão feitos até o fim de fevereiro de 2018 por uma empresa especializada na área, contratada com recursos da Udesc.

    A universidade concederá até nove buscas de anterioridades, e as quatro melhores classificadas ganharão um relatório descritivo para dar entrada no depósito do pedido de patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi).

    O edital também quer fomentar a proteção do conhecimento científico e tecnológico gerado na Udesc por meio da propriedade intelectual; disseminar a cultura de patentes; e viabilizar novas parcerias com os setores público e privado, visando o desenvolvimento tecnológico de SC.

    Mais informações podem ser obtidas com a Cipi pelo e-mail cipi.reitoria@udesc.br.

    Assessoria de Comunicação da Udesc
    E-mail: comunicacao@udesc.br
    Telefones: (48) 3664-8006/8010

  • Encontro em Itajaí discute melhoramento genético da tilápia


    Foto: Aires Mariga/Arquivo Epagri

    Santa Catarina figura hoje entre os cinco maiores produtores de tilápia do Brasil, mesmo não contando com as condições ideais de clima e relevo para a atividade. No ano passado, o estado produziu 31,1 mil toneladas do peixe, representando 72% de toda a produção da piscicultura catarinense. Esse bom resultado se deve ao emprego de muita tecnologia, resultante de anos de pesquisa desenvolvidas pela Epagri.

    Para discutir o tema, a Epagri realiza, nesta terça e quarta-feira, 5 e 6, o I Encontro Catarinense de Gerenciamento Genético de Tilápia. O evento acontece a partir das 13h30 da terça-feira, no Centro de Treinamento da Epagri em Itajaí. Na quarta, o encontro vai das 8h às 15h, com duas atividades paralelas: inauguração do Sistema Experimental em Recirculação para Aquicultura (RAS) e entrega de kits de análise de água aos extensionistas da Epagri atuantes em piscicultura. Mais de cem pessoas já estão inscritas, entre criadores de alevinos, representantes de associações de piscicultores e técnicos da Epagri, do Senar e da iniciativa privada.

    Hoje um dos principais projetos da Epagri em piscicultura é o trabalho de melhoramento genético da tilápia da linhagem Gift, que foi desenvolvida na Ásia e introduzida no Brasil em 2004 pela antiga Secretaria de Aquicultura e Pesca. Esse material genético foi selecionado por diversas gerações com base em parâmetros de interesse econômico, tais como crescimento, rendimento de filé e reprodução. Contudo, era um animal selecionado em países tropicais com outros modelos de produção. Desde 2011, a Epagri vem desenvolvendo um trabalho com intuito de selecionar tilápias Gift mais adaptadas ao nosso clima e às nossas condições de cultivo, a fim de disponibilizar para os produtores de alevino um material de qualidade.

    O cultivo de tilápia vem experimentando um crescimento médio acima dos 8% ao ano no estado. “Para manter o crescimento na atividade, é essencial que toda a cadeia produtiva entenda a importância da genética na produção animal. Contudo, frequentemente são vistos problemas relacionados com a falta de cuidado com a genética da tilápia por parte do produtor comercial”, explica Bruno Corrêa, pesquisador da Epagri no tema.

    Bruno releva que a falta de orientação técnica, somada a outros fatores, tem resultado na produção de matrizes pelos próprios produtores de alevinos. Essa produção se dá a partir do material genético que eles já adquiriram há muitos anos e sem nenhum controle de consanguinidade. “O gerenciamento genético inadequado leva a perdas de potencial zootécnico e a variabilidade genética, além de problemas com deformidades”, descreve Bruno. O trabalho de seleção de tilápias da linhagem Gift iniciado em 2011 pela Epagri busca justamente resolver essa questão, fornecendo matrizes de qualidade aos produtores de alevinos de Santa Catarina.

    O evento quer despertar os integrantes da cadeia produtiva para a importância da qualidade genética na produção de tilápias no estado, levando maior compreensão sobre o tema. “O encontro também ajudará a divulgar o programa de melhoramento genético de tilápia da Epagri para a cadeia produtiva, auxiliando o projeto a atingir o seu objetivo, que é fomentar a piscicultura catarinense através da disponibilização de matrizes melhoradas para os produtores de alevino do Estado”, esclarece Bruno.

    Inauguração e entrega de kits

    O evento contará com palestrantes da Epagri, da inciativa privada e da Embrapa Pesca e Aquicultura. Aproveitando a presença destes profissionais, a Epagri fará, às 14h30 do dia 6, a inauguração do Sistema Experimental em Recirculação para Aquicultura (RAS), investimento financiado com recurso do PAC Embrapa. O sistema está instalado na Unidade de Piscicultura do Centro de Desenvolvimento em Aquicultura e Pesca (Epagri/Cedap), localizada na Estação Experimental da Epagri de Itajaí.

    Trata-se de um conjunto de 16 tanques, com capacidade de 500 litros cada, divididos em quatro módulos. “O sistema vai permitir o avanço nas pesquisas em recirculação de água, que está apoiado no seu reuso, através da utilização de diferentes etapas de filtragem mecânica, biológica e de esterilização para retorná-la às condições de cultivo”, esclarece Fabiano Müller Silva, gerente da Epagri/Cedap. Fabiano explica que, além de reduzir o impacto ambiental no que se refere ao uso da água, o sistema vai permitir a realização de pesquisas na área da nutrição, e no desempenho dos peixes em diferentes parâmetros como a salinidade, temperatura, alcalinidade e outros aspectos fundamentais para o desenvolvimento dos animais.

    Também no dia 6, às 10h30, acontece a cerimônia oficial de entrega de 12 kits de análise de qualidade da água para piscicultura. Os kits serão distribuídos entre extensionista da Epagri que atendem piscicultores em todo o estado e vão auxiliar esses profissionais a darem uma orientação ainda mais precisa e embasada aos produtores de peixes de água doce assistidos pela empresa.

    Serviço
    O quê: I Encontro Catarinense de Gerenciamento Genético de Tilápia, inauguração do Sistema Experimental em Recirculação para Aquicultura (RAS) e entrega de kits de análise de qualidade da água
    Quando: dias 5 e 6 de setembro
    Onde: no Centro de Treinamento da Epagri em Itajaí (Rod. Antônio Heil, 6800, Bairro Itaipava)
    Mais informações: Fabiano Müller Silva, gerente da Epagri/Cedap - (48) 36655059 / 99168-1214. Bruno Corrêa da Silva, pesquisador da Epagri/Cedap - (47)3398-6324 / (48)99991-2389.

    Informações adicionais para a imprensa:
    Assessoria de Comunicação da Epagri
    Gisele Dias
    Fone: (48) 3665-5147 / (48) 99989-2992
    E-mail: giseledias@epagri.sc.gov.br
    Cinthia Andruchak
    Fone: (48) 3665-5344
    E-mail: cinthiafreitas@epagri.sc.gov.br
    Isabela Schwengber
    Fone: (48) 3665-5407
    E-mail: isabelas@epagri.sc.gov.br
    Site: www.epagri.sc.gov.br

  • Epagri desenvolve técnica inédita no Brasil para erradicar vírus em macieira

    A Epagri está participando de uma pesquisa que aplica técnica inédita no Brasil para erradicação de vírus em macieira. Trata-se da crioterapia, que consiste no uso de nitrogênio líquido para eliminar células e tecidos infectados de plantas cultivadas em laboratório, criando plantas isentas de vírus. O trabalho, que vem apresentando resultados animadores, é desenvolvido pelas Estações Experimentais da Epagri em Lages e Caçador em parceria com o Centro de Ciências Agroveterinárias da Universidade do Estado de SC (CAV – Udesc).

    Os vírus podem diminuir o crescimento, a produtividade, a qualidade de frutos e também a vida útil de pomares. Esse problema está bastante disseminado nos cultivos de maçã do Sul do Brasil e a técnica empregada pelos pesquisadores é uma saída para a produção de mudas de alta qualidade fitossanitária. “Além disso, poderá substituir a termoterapia, técnica convencional usada na limpeza de vírus em plantas, que tem algumas desvantagens em relação à crioterapia, por ser mais cara, mais demorada e de eficiência relativamente menor”, explica o doutorando Jean Carlos Bettoni, que está desenvolvendo tese sobre o tema no curso de pós-graduação em produção vegetal do CAV-Udesc e é o principal idealizador da aplicação na macieira.

    A Epagri já tem experiência positiva com a crioterapia. Ela vem sendo usada na limpeza de vírus no alho, com aumentos de produtividade que variam entre 20% e 30%. É a primeira vez que a técnica está sendo usada para macieira no Brasil.

    No laboratório de biotecnologia da Estação Experimental da Epagri em Lages, Jean e os pesquisadores da Epagri, Murilo Dalla Costa e João Frederico Mangrich dos Passos, alcançaram resultados preliminares bastante promissores. No porta-enxerto de macieira Marubakaido, a diagnose pelo uso de técnicas de biologia molecular - feita em parceria com a Embrapa Uva e Vinho -  para os vírus ASPV (Apple Stem Pitting Virus), ASGV (Apple Stem Grooving Virus) e ACLSV (Apple Chlorotic Leaf Spot Virus), indicou que 90% das plantas que passaram pela crioterapia estavam limpas.

    Estas mudas de macieira foram entregues aos pesquisadores Maraisa Crestani Hawerroth e Marcus Vinicius Kvitschal, da Estação Experimental da Epagri Caçador. No local as plantas serão multiplicadas, avaliadas e, mais tarde, disponibilizadas ao setor produtivo. O cultivar SCS417 Monalisa, lançado pela Epagri em 2009, também passou pela crioterapia e será analisado em breve quanto à presença desses vírus.

    “Há um longo trabalho pela frente; a crioterapia será aplicada em mais sete variedades de macieira de interesse para Santa Catarina”, revela Murilo. Esse trabalho é de suma importância para os programas de melhoramento genético de espécies frutíferas de propagação vegetativa que a Epagri desenvolve, uma vez que a condição sanitária das mudas é fator primordial no sucesso desses cultivos. A utilização dessa técnica de limpeza de vírus poderá entregar aos fruticultores mudas de novos cultivares melhorados, também com boa condição sanitária.

    Mais informações e entrevistas: Murilo Dalla Costa, pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Lages, pelo fone (49) 3289-6431.

    Informações para a imprensa:
    Gisele Dias, jornalista: (48) 99989-2992 / 3665-5147
    Cinthia Freitas, jornalista: (48) 3665-5344
    Isabela Schwengber, jornalista: (48) 3665-5407

  • Epagri irá debater Indicação Geográfica com autoridades nacionais e internacionais em evento em Joinville


    Foto: Epagri

    A Indicação Geográfica (IG) estará em debate em Joinville nos próximos dias. Entre 9 e 11 de agosto, a Universidade da Região de Joinville (Univille) sedia o VI Workshop Catarinense de Indicação Geográfica e V Mostra de Produtos Tradicionais. O evento é promovido pela Epagri e pelas secretarias estaduais de Planejamento e de Turismo, Cultura e Esporte.

    A IG é uma forma de valorização do produto de uma região ou território, cuja procedência adquiriu notoriedade em decorrência do modo de fazer, das características ambientais locais e outros fatores. 

    Santa Catarina já conta com a IG do Vales da Uva Goethe. A obtenção de Indicações para a Banana Corupá e o Queijo Artesanal Serrano entrou na fase final. Estão em andamento os trabalhos para solicitação de IG para a erva-mate do Planalto Norte catarinense e para os vinhos de altitude. Todos os processos são desenvolvidos com ampla participação da Epagri.

    O evento é aberto ao público e a participação é gratuita, bastando se inscrever com antecedência pelo site www.redeindicacaogeografica.com.  As atividades contarão com um grande número de autoridades no assunto, nacionais e internacionais. Como exemplo, pode-se citar a presença de Alberto Francisco Ribeiro de Almeida, da Universidade Lusíada do Porto, em Portugal; David Lehrer, coordenador-geral do The Arava Institute for Environmental Studies, de Israel; a deputada federal Yeda Crusius, titular da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara de Deputados; e Airton Spies, secretário adjunto de Agricultura e da Pesca do Estado de Santa Catarina.

    A inclusão produtiva como instrumento de inserção social e afirmação de identidade, a presença midiática de produtos tradicionais e os processos para reconhecimento de signos distintivos coletivos são apenas alguns dos temas a serem debatidos nos três dias de evento. Um dos destaques da programação é a mesa redonda “políticas públicas para produtos tradicionais”, que acontece às 13h do dia 10.

    A ideia de realizar a primeira edição do Workshop Catarinense de Indicação Geográfica surgiu a partir de discussões informais sobre o tema entre acadêmicos, docentes, pesquisadores, advogados e produtores e tomou corpo em 2012. Logo na primeira edição do workshop, percebeu-se que seria interessante agregar uma mostra de produtos tradicionais para permitir o contato visual dos participantes e da comunidade em geral com a riqueza cultural que nos cerca. Assim, desde 2013 a Mostra de Produtos Tradicionais (inicialmente batizada de Vale Europeu e Caminho dos Príncipes) faz parte da programação do evento.

    A Epagri entende que as indicações geográficas são promissoras ferramentas para o desenvolvimento e preservação do patrimônio cultural vinculado à produção e prestação de serviços. É nesse contexto que vem sendo realizado esse evento anual, buscando debater e difundir a IG como uma alternativa de fomento à produção, com valorização das culturas locais.

    Serviço
    O quê: VI Workshop Catarinense de Indicação Geográfica e V Mostra de Produtos Tradicionais
    Quando: de 9 a 11 de agosto
    Onde: na Universidade da Região de Joinville (Univille)
    Programação e inscrições: www.redeindicacaogeografica.com
    Informações e entrevistas: Paulo Arruda, diretor de Extensão Rural da Epagri, pelos fones (48) 3665-5226 / 98801-2502

    Informações adicionais para a imprensa:
    Assessoria de Comunicação da Epagri
    Gisele Dias
    Fone: (48) 3665-5147 / (48) 99989-2992
    E-mail: giseledias@epagri.sc.gov.br
    Cinthia Andruchak
    Fone: (48) 3665-5344
    E-mail: cinthiafreitas@epagri.sc.gov.br
    Isabela Schwengber
    Fone: (48) 3665-5407
    E-mail: isabelas@epagri.sc.gov.br
    Site: www.epagri.sc.gov.br

  • Fapesc lança chamada de bolsas de mestrado e doutorado

    Até o dia 31 de outubro, os Programas de Pós-Graduação strictu sensu das Instituições de Ensino Superior de Santa Catarina podem solicitar cotas de bolsas para apoiar os projetos de seus pós-graduandos. A chamada de bolsas para 2018 está sendo lançada pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de pessoal Nível Superior (Capes).

    A proposta deve ser submetida na Plataforma Fapesc pelo coordenador do Programa de Pós-Graduação. Serão oferecidas 225 cotas de bolsas de mestrado acadêmico e 195 cotas de bolsa de doutorado, que somam mais de R$ 28,6 milhões. 

    Serão considerados a evolução das três últimas avaliações da Capes (ou recomendação quando se tratar de curso novo), as melhorias incorporadas ao Programa, o número de mestrandos e doutorandos, e o número de professores e pesquisadores vinculados, entre outros critérios que podem ser consultados no edital, disponível neste link .

    Os alunos beneficiados com bolsas devem ser ingressantes em 2017 ou 2018 e estar regularmente matriculados no Programa contemplado, até a data de submissão do Termo de Compromisso e Formulário Capes, além de terem os currículo atualizados na Plataforma Lattes. Entre outras exigências estão: possuir plano de trabalho vinculado a projeto de pesquisa da instituição e residir em Santa Catarina no período de vigência da bolsa.

    Informações adicionais para a imprensa

    Jéssica Trombini
    Coordenadoria de Comunicação 
    Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina - FAPESC
    E-mail: comunicacao@fapesc.sc.gov.br
    Fone: (48) 3665- 4832 / 98843-4427
    Site: www.fapesc.sc.gov.br

  • Inscrições para Mestrado em Zootecnia da Udesc Oeste ficam abertas até maio

    Até 12 de maio, estarão abertas as inscrições para as 10 vagas da sexta turma do Mestrado em Zootecnia do Centro de Educação Superior do Oeste (CEO), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), que iniciará no segundo semestre de 2017, em Chapecó.

    De acordo com o edital, poderão se inscrever diplomados de nível superior ou tecnólogos de cursos superiores em Zootecnia, Medicina Veterinária, Agronomia e áreas afins.

    A inscrição deverá ser feita com apresentação de documentos via correio ou na Coordenação de Pós-Graduação em Zootecnia da Udesc Oeste, na Rua Beloni Trombeta Zanin, 680E, Bairro Santo Antônio, Chapecó, de segunda a sexta-feira, das 13h15 às 17h15.

    A seleção será realizada em 6 de junho, e o resultado sairá até 18 de junho. A matrícula dos candidatos selecionados ocorrerá em julho.

    Turmas

    Segundo a secretária de Pós-Graduação da Udesc Oeste, Patrícia Alves, cerca de 70 alunos frequentam o mestrado, em cinco turmas. A primeira, de 14 alunos, concluiu o curso em março deste ano, enquanto os dez alunos da segunda turma defenderão suas dissertações até agosto.

    Coordenado pelo professor Aleksandro Schafer da Silva, o Mestrado em Zootecnia, que atua na área de concentração em Ciência e Produção Animal, tem duas linhas de pesquisa: Nutrição Animal e Sistemas de Produção; e Relação Clima-Solo-Planta-Animal.

    Assessoria de Comunicação da Udesc
    E-mail: comunicacao@udesc.br
    Telefones: (48) 3664-8006/8010

  • Museus de Santa Catarina

    Relação de museus com dados de funcionamento.

  • Pesquisas do Mestrado em Fisioterapia da Udesc são apresentadas em congressos internacionais

    Quatro pesquisas do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (Cefid), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), estão sendo expostas em eventos internacionais.

    Desenvolvidos nos laboratórios de Saúde da Mulher (Lasam) e de Postura e Equilíbrio (Lapeq), os estudos do curso de mestrado foram apresentados no Bit's 7th Annual World Congress of Molecular & Cell Biology, em Xi’an, na China, nesta semana, e farão parte do 5º Congresso Internacional Inspirar de Fisioterapia Pélvica, que será realizado de 4 a 7 de maio, em Curitiba.

    A coordenadora do Lasam, professora Fabiana Sperandio, conta que as pesquisas abordam os benefícios da acupuntura na terapia para endometriose, a importância do equilíbrio postural para gestantes e a realização de exercícios do assoalho pélvico para minimizar a incontinência urinária.

    Segundo ela, os congressos são uma boa oportunidade para divulgar a produção da universidade e se manter atualizado sobre pesquisas de outras universidades. "As mestrandas Géssica Moreira e Kamilla Zomkowski estarão expondo seus trabalhos em Curitiba e a mestre Tatiane Regina de Sousa esteve na China", destaca.

    Confira os estudos

    Na China, foi apresentada a pesquisa "The effect of acupuncture on pain, dyspareunia and quality of life in brazilian women with endometriosis: a randomized clinical trial", com autoria de Tatiane Regina de Sousa, Bruna Cruz de Souza, Kamilla Zomkowski, Priscila Cibils da Rosa e Fabiana Flores Sperandio.

    Em Curitiba, serão expostos os seguintes estudos:

    - "Análise do equilíbrio e da estabilidade postural em gestantes", de Géssica Maria Moreira, Vanessa Biasoli, Diego Martins, Gilmar Moraes Santos e Fabiana Flores Sperandio;
    - "A acupuntura como terapia complementar para minimizar as manifestações clínicas da endometriose", de Tatiane Regina de Souza, Géssica Maria Moreira e Fabiana Flores Sperandio;
    - "Exercícios do assoalho pélvico para a incontinência urinária durante o pós-parto: resultados preliminares de uma intervenção única", de Cinara Sacomori, Kamilla Zomkowski, Fernando Luiz Cardoso e Fabiana Flores Sperandio.

    Assessoria de Comunicação da Udesc
    Jornalista Celia Penteado
    E-mail: celia.penteado@udesc.br
    Telefone: (48) 3664-8007

  • Prazo para inscrição no 4º Congresso Brasileiro de Produção Animal Sustentável termina nesta segunda-feira

    Até esta segunda-feira, 7, estarão abertas as inscrições na internet para a submissão de trabalhos no 4º Congresso Brasileiro de Produção Animal Sustentável (Anisus), que será realizado em 27 e 28 de setembro, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes, em Chapecó, com promoção do Departamento de Zootecnia do Centro de Educação Superior do Oeste (CEO), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).

  • Professor da Udesc Laguna faz visita técnica à Estação Charles Darwin em Galápagos

    O professor Pedro Volkmer de Castilho, do Centro de Educação Superior da Região Sul (Ceres), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Laguna, fez uma visita técnica de pesquisa nas Ilhas Galápagos, no Equador, entre 28 de junho e 9 de julho.

  • Sistema da Epagri vira modelo de agricultura sustentável em plataforma da FAO/ONU


    Foto: Nilson Teixeira/Epagri

    O Sistema de Plantio Direto de Hortaliças (SPDH), desenvolvido e difundido pela Epagri para promover uma agricultura mais limpa e sustentável, já pode ser reproduzido com facilidade no Brasil e no mundo. Isso porque a experiência passou a integrar a Plataforma de Boas Práticas da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), um espaço de disseminação e compartilhamento de boas iniciativas replicáveis desenvolvidas na região Sul do Brasil. 

    O SPDH é a oitava tecnologia da Epagri incluída na plataforma da FAO/ONU. O sistema se baseia na redução nos custos sociais, econômicos e ambientais das lavouras e no estímulo ao protagonismo dos agricultores. Tem como objetivo central a transição da agricultura convencional para a agricultura agroecológica respeitando três elementos básicos: o revolvimento localizado do solo, a diversificação de espécies pela rotação de culturas e a cobertura permanente do solo.

    As primeiras experiências em SPDH foram realizadas em 1998, na Estação Experimental da Epagri em Caçador. Atualmente, o sistema é utilizado em mais de três mil hectares espalhados por todas as regiões do território catarinense. São mais de 1,2 mil agricultores que utilizam o plantio direto para produzir principalmente tomate, cebola, chuchu, brássicas (couve, repolho e brócolis), melancia e moranga.

    A rápida disseminação e aceitação da tecnologia deve-se sobretudo aos bons resultados alcançados. O SPDH proporciona melhoria na qualidade e na uniformidade das plantas, com diminuição média de 35% nas perdas por questões de padrão de qualidade e produção. Reduz ou até pode zerar o uso de insumos e, consequentemente, o custo das hortas.

    Outra grande vantagem do SPDH é a sua sustentabilidade. O uso da palhada protege e enriquece a terra cultivada. As taxas de infiltração de água no solo cultivado em SPDH chegam a ser três vezes maiores que no sistema convencional, eliminando problemas com erosão e melhorando a disponibilidade de água para as plantas, o que leva, entre outros resultados, à redução média de 80% no uso de água para irrigação.

    Quem também ganha com o SPDH são os consumidores. Os alimentos produzidos no sistema são mais limpos, pois podem ser cultivados com pouco ou até nenhum agrotóxico. Assim, também chegam ao consumidor com maior valor biológico, impactando positivamente na segurança alimentar das comunidades catarinenses.

    “É uma proposta de transição para toda a agricultura familiar dependente de insumos externos à propriedade, para sistemas mais limpos, equilibrados e autônomos”, descreve Marcelo Zanella, extensionista da Epagri em Florianópolis e o responsável por submeter a tecnologia à avaliação da FAO. Ele explica que o SPDH tem a preocupação de construir um caminho de transição do modelo de agricultura convencional para uma que produza alimentos limpos de agroquímicos, dentro do enfoque pedagógico de inclusão social.

    Depois da boa experiência com hortaliças, a Epagri veio expandido o uso do Sistema de Plantio Direto no Estado. Suas bases técnicas, fundamentos e perspectivas têm produzido e adaptado conhecimentos para a fruticultura e a produção de grãos, além do manejo com animais de forma integrada e sistêmica nas propriedades, proporcionando também a produção limpa de carne, leite e derivados. 

    O material sobre o SPDH, que já está disponível em português na plataforma da FAO/ONU, será em breve traduzido para inglês e espanhol.

    >>> Conheça o SPDH na plataforma da FAO

    Mais informações e entrevistas:
    Marcelo Zanella, extensionista da Epagri em Florianópolis, pelo fone (48) 3665-5111

    Informações para a imprensa:
    Gisele Dias, jornalista: (48) 99989-2992 / 3665-5147
    Isabela Schwengber, jornalista: (48) 3665-5407

  • Udesc abre inscrições para curso gratuito sobre cuidado e uso de animais de laboratório em pesquisas

    Acadêmicos, professores e pesquisadores de qualquer instituição poderão participar de um curso sobre manejo e cuidado de animais de laboratório, promovido pelo Laboratório de Pesquisa Experimental (Lapex), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) entre 14 e 15 de agosto.

  • Udesc fará seminário gratuito para profissionais e estudantes de Educação Física em maio

    Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (Cefid), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), fará o 2º Seminário de Formação e Atuação Profissional em Educação Física (Sefapef) em 19 de maio, no auditório da unidade, no Bairro Coqueiros, em Florianópolis.

  • Udesc Oeste abre inscrições para Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos em Pinhalzinho

    Até 19 de maio, estarão abertas as inscrições para seleção e ingresso no segundo semestre de 2017 da nova turma do Mestrado Acadêmico em Ciência e Tecnologia de Alimentos do Centro de Educação Superior do Oeste (CEO), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Pinhalzinho. 

  • Udesc Oeste e Associação Apontador de Estrelas farão 1º Encontro de Ensino de Astronomia em julho

    Estão abertas as inscrições na internet para o 1º Encontro de Ensino de Astronomia do Oeste de SC, que ocorrerá em Chapecó, em 20 e 21 de julho. O evento será realizado pelo programa de extensão Ciência Viva, do Centro de Educação Superior do Oeste (CEO), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), e pela Associação Apontador de Estrelas.

  • Udesc promove palestras sobre educação, tecnologia e cultura a partir de segunda, em Florianópolis

    O programa de extensão "Construindo diálogos entre indústria cultural e educação" e o grupo de pesquisa "Nexos: teoria crítica e pesquisa interdisciplinar - Sul" promoverão entre segunda, 3, e quarta-feira, 5, palestras e aulas abertas gratuitas no Centro de Educação a Distância (Cead), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), no Bairro Itacorubi, em Florianópolis.