Foto: James Tavares / Secom

A chamada pelo Governo do Estado de 320 novos agentes de Segurança Pública aprovados no concurso da Polícia Civil foi o tema principal do programa Com a Palavra, o Governador desta sexta-feira, 21. Raimundo Colombo explicou que, mesmo com a crise e o impacto na folha, o investimento é necessário. "A nossa polícia já realiza um excelente trabalho, mas a criminalidade e a violência nos desafiam todos os dias e o Estado precisa agir e dar uma resposta rápida à população", disse.

Colombo também elogiou o trabalho de inteligência, que permite à polícia agir de forma antecipada e até mesmo evitar situações mais graves. Entre os chamados estão 234 agentes, 25 delegados e 61 auxiliares periciais do Instituto Geral de Perícias (IGP). "Até o final do ano vamos lançar edital para um novo concurso com 695 vagas para a polícia, IGP e Corpo de Bombeiros. Também vamos renovar a frota, comprar coletes e equipamentos para que esses profissionais possam exercer o seu trabalho com segurança e eficiência na proteção deles e das pessoas", acrescentou o governador.

O outro assunto da entrevista foi a realização da segunda edição do Fundam - programa que repassa recursos para os municípios investirem em infraestrutura. Na primeira edição foram distribuídos R $ 600 milhões aos 295 municípios catarinenses.

"A gente fornece o recurso e capacita o gestor municipal a atender o que realmente é a prioridade de cada local. Os recursos para a segunda edição já estão garantidos com o apoio do BNDES, que inclusive aponta o Fundam um dos melhores programas de apoio aos municípios desenvolvidos no país", concluiu Raimundo Colombo.

A íntegra do programa está disponível no Vimeo e no Youtube. A versão em áudio pode ser acessada na Rádio Secom.

O saldo de vagas de emprego geradas em Santa Catarina no acumulado nos três primeiros meses de 2017 supera o resultado do mesmo período do ano passado, aponta relatório do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira, 20, pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Entre janeiro e março deste ano, o saldo foi de 21.504 vagas geradas em SC, contra o resultado de 8.201 vagas no acumulado dos três primeiros meses do ano passado.

Considerando apenas março, no entanto, o resultado foi negativo em SC, com saldo de -4.638 vagas (foram registradas 83.737 admissões e 88.375 desligamentos sobre o estoque de empregos existentes no estado). O desempenho do mês acompanha o cenário nacional. Em todo o país, o saldo de março foi de -63.624 vagas.

Mesmo com o resultado negativo de março, o acumulado do trimestre ficou positivo diante dos bons resultados registrados por Santa Catarina em janeiro (com um saldo de 11.284 novos postos de trabalho) e fevereiro (quanto SC teve o segundo maior saldo do país, com o registro de 14.858 novas vagas no mês).

Especificamente no mês de março, na análise por setores, o resultado negativo em Santa Catarina foi puxado pela agropecuária, que registrou saldo de -3.587 postos de trabalho no mês, seguido do setor de serviços, com registro de -1.521 vagas. O melhor resultado setorial veio da indústria da transformação, com saldo positivo de 1.352 postos de trabalho.

Entre os municípios com mais de 30 mil habitantes, os maiores saldos de empregos gerados no mês de março foram em Joinville (+633), São Bento do Sul (+318) e Criciúma (+305). 

Informações adicionais para a imprensa:
Alexandre Lenzi
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: lenzi@secom.sc.gov.br
Telefone: (48) 3665-3018 / 98843-4350
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e  @GovSC


Mais informações para a imprensa:
Kênia Pacheco
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação (SST)
Fone: (48) 3664-0916 / (48) 99984-1799
E-mail: ascom@sst.sc.gov.br
Site: www.sst.sc.gov.br

A concessão de algumas rodovias estaduais será integrada às rodovias federais. O grupo de estudo do Governo do Estado, formado por técnicos da Secretaria de Estado do Planejamento e SC Parcerias com assessoramento do Deinfra, recebeu nesta quinta-feira, 20, sugestões da Polícia Militar Rodoviária de itens que devem constar no contrato de concessão.

Algumas estradas estaduais, ainda em análise, entrarão na concessão federal para terem o mesmo investimento do que as BRs. É o caso, por exemplo, da Rodovia do Arroz (SC-108) e da Serra Dona Francisca (SC-418) que estão no entorno da BR-280 cuja concessão está prevista para 2018. A Polícia Rodoviária fará um diagnóstico das condições de sinalização, iluminação e das necessidades dessas estradas estaduais.

“A concessão das rodovias é a alternativa reconhecida mundialmente como a solução para manter as estradas com alto padrão. Não vamos federalizar as SCs, mas garantir a manutenção e qualidade delas. O Governo do Estado investiu R$ 4 bilhões em duplicação, restauração e construção de novas estradas pelo Pacto por Santa Catarina”, destacou o secretário de Estado do Planejamento Murilo Flores.

Os estudos do Ministério dos Transportes, resultado de uma Proposta de Manifestação de Interesse (PMI), abrangem também a BR-101 sul, BR-470 no Vale do Itajaí, BR-282 no Planalto, Meio-Oeste e Extremo Oeste. As análises incluem estudos de tráfego, de engenharia, ambientais e econômico-financeiros, além de Programa de Manutenção Periódica e Conservação, Programa de Investimento (Melhorias e Ampliação de Capacidade, modelo operacional e Programa de Exploração da Rodovia – PER.

Rodovias estaduais

Com apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o grupo de trabalho do Governo do Estado fez um diagnóstico da malha rodoviária de Santa Catarina. Até o final do ano, o estudo vai indicar a melhor alternativa para viabilizar a conservação das rodovias.

Informações adicionais para a imprensa:
Rosália Dors Pessato
Assessoria Secretaria de Estado do Planejamento
E-mail: rosalia@spg.sc.gov.br
Telefone: (48) 3665-3319/ 99186-9740

Diante da grande repercussão do Jogo Baleia Azul – que propõe desafios ameaçadores que colocam em risco à vida dos participantes – e da possível relação dele com casos de tentativas de suicídio no país, o Governo de Santa Catarina emitiu alertas aos profissionais de saúde e professores em relação a procedimentos a serem adotados em casos de suspeita ou confirmação de automutilação e/ou de tentativa de suicídio, especialmente entre crianças, adolescentes e jovens.

A Secretaria de Estado da Saúde emitiu nota de alerta aos serviços de saúde para que se mantenha elevado nível de suspeição diante de casos de lesões, envenenamento ou intoxicação que possam caracterizar violência autoprovocada. O documento, produzido em conjunto pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica e pela Gerência de Atenção Básica, recomenda que os profissionais de saúde abordem as pessoas e seus acompanhantes a respeito das causas do agravo para confirmar ou descartar a suspeita. Em caso de confirmação, a pessoa deve ser acompanhada pelas equipes da Estratégia de Saúde da Família para acolhimento e, se necessário, ela será encaminhada ao serviço especializado em saúde mental, no caso os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS).

“O suicídio entre jovens é algo que sempre preocupou os serviços de saúde, mas agora está se tornando mais evidente por conta das redes sociais. A atuação dos grupos de prevenção e de saúde mental é fundamental, assim como das escolas”, enfatiza Eduardo Macário, diretor da Dive/SC. Ressalta-se que todos os casos de violência autoprovocada e de tentativa de suicídio são de notificação compulsória imediata, conforme Portaria 204/2016 do Ministério da Saúde.

“A porta de entrada para o acolhimento é sempre as unidades básicas de saúde”, informa a psicóloga Rose Brasil, coordenadora do programa de Saúde Mental de Santa Catarina. Os serviços públicos de saúde mental de Santa Catarina contam com 99 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) em diversos municípios e diferentes modalidades, e mais 23 estão em fase de implantação. “Nessas estruturas são atendidas pessoas que vêm em demanda espontânea, incluindo as que têm depressão grave, pensamento suicida e tentativa de suicídio”, explica Rose.

A Secretaria de Estado de Educação enviou nota de orientação às 1.080 escolas da rede estadual sugerindo ações preventivas e interventivas aos casos suspeitos. Por meio da Política do Núcleo de Educação, Prevenção, Atenção e Atendimento as Violências na Escola (NEPRE) educadores irão promover encontros para esclarecimentos, palestras e debates com os estudantes e a família na escola.

A gerente de Políticas e Programas da Educação Básica e Profissional da SED, Julia Siqueira da Rocha, ressalta que a mediação dos professores com os estudantes é fundamental no trabalho pesquisas sobre o assunto. “O objetivo dessa pesquisa deve ser a possibilidade de escuta dos estudantes e conhecimentos para que eles possam tomar decisões seguras. Entendendo que as redes sociais podem ser espaços também para manipulação de crianças e adolescentes”, enfatiza. Julia destaca, ainda, a importância dos educadores e dos familiares de demonstrar segurança e acolher o jovem que acabou entrando no jogo.

Responsabilidade compartilhada

“A prevenção ao suicídio é uma responsabilidade que deve ser compartilhada entre os setores da saúde, da educação, da assistência social e da sociedade em geral. Todos devemos estar atentos diante de uma possível situação de sofrimento, pois o acolhimento, a escuta e o suporte são ferramentas indispensáveis para a prevenção do suicídio”, ressalta Gladis Helena da Silva, Gerente de Vigilância de Agravos da Dive/SC. Segundo ela, outro importante aliado na prevenção do suicídio tem sido o Centro de Valorização da Vida (CVV), que oferece apoio emocional gratuitamente, de forma voluntária, 24 horas por dia, por telefone (141), e-mail ou chat pelo site da instituição (www.cvv.org.br).

Apesar de a atenção estar voltada mais para os adolescentes e jovens neste momento, os dados epidemiológicos demonstram que, em Santa Catarina, o maior número de óbitos por suicídio ocorreu na faixa etária entre 50 e 59 anos em 2016 (152 casos). Entre pessoas de 10 a 19 anos, foram 39 óbitos. No total, o estado registrou 670 óbitos por suicídio no ano passado, dos quais 77% eram homens. Já entre os casos notificados pelos serviços de saúde de tentativa de suicídios predomina pessoas entre 20 e 29 anos (693 casos). Entre pessoas de 10 a 19 anos, foram 501 casos. No total, foram 2.721 casos de tentativa de suicídio notificados no ano passado, sendo 66,9% de mulheres.

Informações adicionais para a imprensa:
Letícia Wilson / Patrícia Pozzo
Núcleo de Comunicação
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
Secretaria de Estado da Saúde
(48) 3664-7406
(48) 3664-7402

www.dive.sc.gov.br

 


Fotos: Julio Cavalheiro / Secom

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), por meio da Polícia Civil e sua Divisão de Repressão ao Crime Organizado da Diretoria Estadual de Investigações Criminais, deflagrou na manhã desta quinta-feira, 20, a maior operação policial para cumprir 91 mandados de prisão, dos 112 expedidos pela Justiça, e 40 mandados de busca e apreensão, nas cidades de Florianópolis, São José, Balneário Camboriú, Itajaí, Joinville, Araquari e Laguna.

A operação coordenada pela Draco/Deic é a maior ofensiva já realizada pela Polícia Civil contra a facção criminosa atuante em Santa Catarina e com ramificações em outros estados, envolvida em crimes de roubo, tráfico de drogas, associação para o tráfico, corrupção de menores, homicídio, estelionato, lavagem de dinheiro e porte/posse/comércio de armas de fogo/munições.

Foram apreendidos ainda pistolas, diversos telefones celulares e aparelhos de radiocomunicação. Boa parte dos mandados foram cumpridos contra criminosos já segregados em unidades prisionais.



>>> Mais imagens na galeria

 As investigações vêm sendo realizadas há aproximadamente cinco meses, período em que 11 membros da facção foram presos nas cidades de Florianópolis, Joinville, Navegantes, Balneário Camboriú e Chapecól. Também identificou as principais lideranças dessa organização criminosa atuantes dentro e fora do sistema prisional de Santa Catarina, as quais são alvos das medidas judiciais.

Participam da Operação 200 Policiais Civis da Deic, DPGF, DIPC, SAER, DIC Laguna, DIC e 2ª DRP Joinville, DIC e SIC/Dpco de Balneário Camboriú, DIC de Itajaí e integrantes da DINI.

Integração policial

Em coletiva de imprensa na tarde desta quinta, o Secretário da Segurança Pública, César Augusto Grubba, destacou a parceria com as agências de Inteligência da SSP, Sistema Prisional, Ministério Público e Poder judiciário que possibilitou o sucesso da operação.

Ele também parabenizou as equipes envolvidas na operação e o trabalho da PM na quarta-feira à noite, na Vila União, no Norte da Ilha, em Florianópolis, quando um verdadeiro arsenal foi apreendido com quatro criminosos. "Estamos trabalhando com afinco e dedicação e o exemplo são essas ações operacionais. O trabalho policial vem sendo efetivamente concretizado”, destacou Grubba.

O secretário fez um apelo à população em relação ao consumo de drogas. “Precisamos muito mais do que o trabalho das polícias. O Estado sozinho não dá conta contra a criminalidade. A própria sociedade pode colaborar não consumindo drogas. Enquanto tiver elementos da sociedade consumindo drogas vai ter o traficante vendendo. Então o estado social tem que atacar as causas primárias da criminalidade, fazer trabalhos sociais, porque quanto mais aplicar no social, menos vai aplicar na punição e na repressão”.

Já o delegado Adriano Bini, diretor da Deic, explicou que a facção criminosa vem há alguns anos tentando se instalar e atuar em Santa Catarina. “É uma facção criminosa de fora do Estado e o foco principal de atuação é o tráfico de drogas, justamente pela lucratividade. São investigados pelos crimes de tráfico de drogas, associação pelo tráfico, homicídio, lavagem de dinheiro, estelionato e assim por diante. Ainda temos policiais civis nas ruas com o objetivo de realizar o cumprimento dessas ordens judiciais. Portanto a operação para nós é extremamente positiva", disse o delegado.

Para o delegado Antônio Cláudio Joca, diretor da Draco, a operação policial representa um duro golpe contra o crime organizado. Ele acredita que crimes de homicídios, como os registrados esta semana na Vila União, serão esclarecidos com as prisões efetuadas. “Também investigamos crimes registrados em Laguna e Chapecó”, declarou o policial. Ele acredita que a prisão das principais lideranças do Norte da Ilha representa um duro golpe contra o crime.

Participaram da coletiva o secretário de Estado da Segurança Pública, César Augusto Grubba; delegado-geral da Polícia Civil, Artur Nitz; diretor da Deic, delegado Adriano Bini; delegado Antonio Carlos Joca, da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (Draco) e o diretor de polícia da Grande Florianópolis, delegado Verdi Furlanetto.

Informações adicionais para a imprensa
João Carlos Mendonça Santos
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Segurança Pública
E-mail: imprensa@ssp.sc.gov.br
Fone: (48) 3251-1117 / 98843-7615
Site: www.ssp.sc.gov.br

Informações adicionais para a imprensa:
Rafael Vieira de Araújo 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: rafael@secom.sc.gov.br  
Telefone: (48)  3665-3018 / 99116-8992
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e  @GovSC


Pela terceira vez, a equipe de Futebol Feminino da EEB Professora Lourdes A.S Lago, de Chapecó, representa Santa Catarina no Campeonato Brasileiro de Futebol  Feminino. A competição começa nesta sexta-feira, 21, e termina no dia 27 de abril, em Belém, no Pará.

A equipe compete pela Federação Catarinense de Desporto Escolar (FCD). A EEB  Lourdes A.S Lago é referência para estudantes que buscam aliar o estudo ao esporte e já conquistou espaço em outras modalidades, entre elas o handebol e futsal.

O trabalho de incentivo ao esporte vai além das salas de aula, a escola conta com a Casa do Atleta, que abriga estudantes esportistas de outros municípios. Das 14 atletas do elenco do Futebol Feminino, cinco são de Chapecó as demais de cidades do Sul do Estado. “As meninas buscam a nossa escola para fazer parte da equipe, mas não podem ser somente boas de bola, têm que ter disciplina e boas notas”, afirma o professor de educação física, Amauri Giordan, coordenador da Associação Desportiva Lourdes Lago.

A estudante Júlia Daltoé Lordes, 15 anos, viu nesta escola uma oportunidade para levar adiante o sonho de ser atleta, hoje integra a equipe que disputa o Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. De Encantado (RS), Júlia está em Chapecó desde  2014. “Queria ser jogadora, soube da estrutura da escola, fiz um teste e passei. Agora tenho mais experiência e estou aprendendo muito”, destaca.

Segundo a assessora de direção, Sirlene da Silva Klaus, o trabalho pedagógico e esportivo anda lado a lado. “Nossa escola tem história no esporte, isso motiva os estudantes e cria novas oportunidades aliando conhecimento ao esporte”, destaca. As atletas têm o compromisso de refletir na sala de aula o bom desempenho do campo. “Temos trabalho pedagógico, para não ter perda de conteúdos”, enfatiza.

Mais informações para a imprensa:
Andréia Cristina Oliveira
Assessoria de Comunicação
ADR Chapecó
Fone: (49) 99938-6966
E-mail: imprensasdrcco@gmail.com
www.adrs.sc.gov.br/adrchapeco

 

No ano passado, 554 casos de sífilis congênita foram notificados em Santa Catarina, um crescimento de 13,5% em relação aos 488 novos casos registrados em 2015. Destes, foram notificados 34 óbitos e 18 abortos. Essa realidade poderia ter sido minimizada, já que a criança nasce sem sífilis se houver o tratamento adequado da gestante infectada e do seu parceiro sexual. A maioria dos casos de sífilis congênita foi registrada na região da Grande Florianópolis (156), que também detém o maior número de notificações de sífilis em gestantes (286).

Em Santa Catarina, 1.380 gestantes foram diagnosticadas com sífilis em 2016, 90 casos a mais do que o ano anterior, conforme os dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SC). “O momento atual é de grande preocupação com a situação epidemiológica da sífilis em nosso país, em especial em Santa Catarina. Vivemos uma epidemia da doença, com o aumento expressivo e continuado no número de casos notificados em adultos, gestantes e, por conseguinte, crianças afetadas pela doença ainda em sua vida intrauterina”, alerta o médico infectologista Eduardo Campos, técnico da gerência de DST/ Aids e Hepatites Virais da Dive/SC.

As gestantes requerem maior atenção no diagnóstico e tratamento da sífilis, pois a infecção pode provocar má formação do feto e aborto. Quando nasce, o bebê com sífilis pode se apresentar gravemente doente, e, nesse caso,  com elevado risco de morte, com manifestações clínicas que podem variar entre pneumonia ou sinais de infecção generalizada (sepse), feridas no corpo e nas mucosas nasal e oral. Outras poderão surgir apenas semanas ou meses depois do nascimento, como cegueira, problemas ósseos, surdez, hidrocefalia ou deficiência mental.

“O pré-natal eficiente é fundamental e decisivo para tratar a gestante e salvar a vida desses bebês”, enfatiza Dulce Quevedo, gerente de vigilância das DST/Aids e Hepatites Virais da Dive/SC. O tratamento é realizado com a administração de  doses de penicilina benzatina durante a gestação, segundo o protocolo do Ministério da Saúde.

O número de casos de sífilis adquirida também continua crescendo de forma acelerada  em Santa Catarina. Em 2016, 8.228 pessoas foram diagnosticadas com a doença, um aumento de 40% em relação aos 5.863 casos notificados no ano anterior. A maioria dos casos (5.028) era de pessoas entre 20 e 39 anos. O maior número de notificações foi registrado pela Grande Florianópolis (2.062), seguida pela região Nordeste (1.698) e pela Foz do Rio Itajaí (910).

“A sífilis é uma doença grave que, se não tratada, poderá causar várias complicações, afetando praticamente todo o organismo humano e podendo provocar até a morte, mas que pode ser evitada com o uso de preservativo em todas as relações sexuais – atitude que também protegerá o indivíduo de outras 11 infecções sexualmente transmissíveis, como HIV, o HPV e as hepatites B e C”, reforça Eduardo Campos.

Causada pela bactéria Treponema pallidum, a sífilis apresenta em sua evolução lesões de pele ou mucosas, aumento de gânglios (ínguas), queda de pelos, dores articulares, inflamações oculares entre outras, geralmente no primeiro ano de doença. Se não diagnosticada e tratada, o paciente poderá não mais apresentar sintomas por muitos anos ou décadas, mas o seu ressurgimento indicará graves danos ao organismo, como lesões cardíacas, neurológicas ou psiquiátricas e ósseas.

Para mais informações sobre a doença, suas formas de transmissão e de prevenção, onde encontrar o teste rápido de diagnóstico, de forma rápida, gratuita e sigilosa, acesse  www.dive.sc.gov.br/sifilis.

Plano de enfrentamento

A Dive/SC deu início ao Plano de Redução da Sífilis Congênita de Santa Catarina para eliminar a transmissão de sífilis da mãe para o bebê em todo o Estado até 2019. O documento está baseado no protocolo do Ministério da Saúde e requer o envolvimento dos três níveis de governo, por meio da atuação dos gestores e profissionais de saúde. “É fundamental o comprometimento dos gestores e dos profissionais de saúde dos níveis estadual e municipais para garantir a operacionalização do plano nos municípios”, destaca Eduardo Macário, diretor da Dive/SC.

Dentre as metas estão aumentar a cobertura da testagem para sífilis nas gestantes durante o pré-natal, bem como nos casais que estão planejando engravidar; aumentar a cobertura de tratamento adequado nas gestantes com sífilis durante o pré-natal, incluindo o tratamento dos parceiros sexuais; e aumentar a cobertura de tratamento e o seguimento adequado dos recém-nascidos com sífilis congênita. 

Informações adicionais para a imprensa:
Letícia Wilson / Patrícia Pozzo
Núcleo de Comunicação
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
Secretaria de Estado da Saúde
(48) 3664-7406
(48) 3664-7402
www.dive.sc.gov.br

 

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), Carlos Chiodini, recebeu nesta quarta-feira, 19, representantes do Ministério de Minas e Energia e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Na ocasião, foram apresentados os principais empreendimentos de transmissão de energia elétrica que serão objeto de leilão na próxima segunda-feira, 24. Somados, os investimentos no Estado devem chegar a R$ 1,5 bilhão.

A Aneel vai leiloar concessões para a construção, operação e manutenção de 7.400 km de linhas de transmissão em 20 Estados. O leilão será dividido em 35 lotes, com investimento previsto de R$ 13,1 bilhões. “Destes, dois lotes são para Santa Catarina, contemplando 484 km de linhas de transmissão. O maior trecho é entre Abdon Batista e Siderópolis, com 261 km. Será realizado, também, leilão para instalação de um compensador estático em Biguaçu”, explica Chiodini.

“Esta é uma importante ação para melhoria da capacidade de transmissão de energia e vai resultar em muitos benefícios para indústrias e população em geral”, destacou o presidente da Associação dos Produtores de Energia de Santa Catarina (Apesc), Gerson Berti, presente na reunião. 

Informações adicionais para a imprensa
Michelle Nunes
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDS
E-mail: jornalistaminunes@gmail.com
Fone: (48) 3665-2261 / 99929-4998
Site: www.sds.sc.gov.br


Parque Serra do Tabuleiro. Foto: Divulgação / Fatma

Com trilhas ecológicas, muito verde e árvores centenárias, os parques estaduais administrados pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma) são uma opção de lazer para toda família durante o feriado de Tiradentes. O Parque do Rio Vermelho, em Florianópolis, Serra do Tabuleiro, na Palhoça, Fritz Plaumann, em Concórdia e Araucárias, em São Domingos, vão funcionar normalmente no final de semana prolongado. “Só preserva, quem conhece. Enquanto se divertem em meio a natureza, os visitantes também aprendem, conhecem a história do local e ajudam a preservar o meio ambiente”, afirma o presidente da Fatma, Alexandre Waltrick Rates.

O Parque do Rio Vermelho funciona de terça-feira a domingo, das 10h às 17h. No local, os visitantes podem conhecer um pouco mais sobre o trabalho de reintrodução de animais silvestres à natureza na trilha ecológica. O lugar também tem um camping, onde os visitantes podem passar o dia. O Parque Serra do Tabuleiro recebe visitas de quarta-feira a domingo, das 9h às 16h e os visitantes têm a oportunidade de conhecer a casa açoriana e fazer a trilha da Restinga do Maciambu.


Trilha Ecológica do Rio Vermelho, em Florianópolis. Foto: Divulgação / Fatma

O Parque Estadual Fritz Plaumann abre nas quartas, quintas e sextas-feiras das 8h às 17h, sábado das 9h às 17h e domingo das 13h às 18h. No local e nas imediações do parque, o público tem à disposição, quatro trilhas interpretativas, sala de exposições com maquete da unidade, jogos e painéis.

O Parque Estadual das Araucárias oferece um Centro de Visitantes com a história do local que pertenceu a uma antiga madeireira e duas trilhas ecológicas: a do Mirante das Araucárias e das Cascatas, com aproximadamente 3,5 quilômetros no total. O parque funciona de quarta-feira a domingo, das 9h às 17h.

Em cada unidade de conservação há diversas atividades disponíveis e todas são guiadas por monitores. Para atividades em grupo, é necessário agendar com antecedência, por telefone ou email.

Horários de visita dos Parques Estaduais

Parque do Rio Vermelho (Florianópolis)

Funciona de terça-feira a domingo, das 10h às 17h

Trilha Ecológica: (48) 3665.4492/99828.8952/ email: trilha@fatma.sc.gov.br

Camping: (48) 99808.1375/ email: campingriovermelho@fatma.sc.gov.br

Parque Serra do Tabuleiro (Palhoça)

Recebe visitantes de quarta-feira a domingo, das 9h às 16h

Contato: (48) 3286.2624/ email: centrodevisitanestabuleiro@gmail.com

Parque Fritz Plaumann (Concórdia)

Atende às quartas, quintas e sextas-feiras das 8h às 17h, sábado das 9h às 17h e domingo das 13h às 18h

Contato: http://parquefritzplaumann.org.br/agendamento

Parque das Araucárias (São Domingos)

Funciona de quarta-feira a domingo, das 9h às 17h

Fone: (49)9132-4969/ email: grimpeiro@gmail.com


Texto: Anne Caroline Anderson

Mais informações para a imprensa:
Claudia de Conto/Anne Caroline Anderson
comunicacao@fatma.sc.gov.br
(
48) 3665.4177/99172.8277
Ascom Fatma

 

Fachada do MASC
Museu de Arte de Santa Catarina recebe nova exposição até 19 de maio (Crédito: Márcio Henrique Martins / FCC)

O dia 27 de abril será para passar o quase septuagenário Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) a limpo, com uma programação que prevê debate com o público e a abertura de uma nova exposição coletiva que ocupará a claraboia e a galeria 2 do Museu. Na ocasião haverá, ainda, o encerramento do XI Salão Victor Meirelles*, em co-realização com o Coletivo NaCasa. A entrada é gratuita.

 

MASC em Debate

A agenda começa com o evento MASC em Debate, às 17h, no Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC). A ideia é discutir o papel do Museu no cenário contemporâneo das artes, ouvindo as críticas, sugestões, opiniões e anseios do público e de artistas que vivem o dia a dia da Instituição. Ainda durante o debate serão apresentadas as principais ações já previstas para o Programa Curatorial do Museu, que compreende as exposições, as ações do Núcleo Educativo e a criação de um Programa Público para reflexão e formação em arte.

Exposição Salão de Festas

Depois da discussão, o público poderá acompanhar a abertura da exposição Salão de Festas no próprio Museu. Além de ser uma exposição coletiva de dez artistas, Salão de Festas será uma ocupação que segue até o dia 19 de maio no espaço, fazendo uma autocrítica e uma leitura histórica sobre o próprio Museu, com o objetivo de promover uma revisão dos paradigmas e do papel do MASC na contemporaneidade.

Com obras que abarcam diversas linguagens, participam da exposição os artistas Ivan Grilo (SP), Nuno Ramos (SP), Nara Milioli (SC) e Traplev (SC), Luciana Knabben (SC), Luis Camnitzer (Uruguai), Laura Lima (MG), Aline Dias (SC) e Diego de Los Campos (Uruguai). Entre os trabalhos que estes artistas trazem ao MASC estão o audiovisual Alvorada, apresentado por Nuno Ramos no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em São Paulo, no ano de 2004; a intervenção O Museu É uma Escola (2009-em processo), do uruguaio Luis Camnitzer. Para o Salão de Festas, Juliana Crispe prepara, ainda, uma edição especial do Projeto Armazém, que consiste na montagem de Múltiplos (obras editadas, como publicações e livros de artista, cadernos de desenho, diários, entre outros) de diferentes artistas que dialogam com a temática da exposição.

XI Salão Victor Meirelles*

A iniciativa do Coletivo NaCasa recebeu inscrição de cerca de 400 trabalhos de 250 artistas entre fevereiro e março de 2017. Desde o dia 1º de abril, as obras estão em exposição na sede do Coletivo, localizada no bairro Trindade, em Florianópolis. Surgido como uma crítica ao poder público pela não realização do evento desde 2009, a edição extraoficial do Salão acabou ganhando o apoio da Fundação Catarinense de Cultura que recebe, por meio do MASC, o encerramento do evento e sua "prestação de contas", com um espaço totalmente destinado ao histórico do edital.

Serviços:

O quê: MASC em Debate
Quando: 27 de abril de 2017, às 17h
Onde: Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC)
Entrada gratuita

O quê: Exposição coletiva Salão de Festas
Abertura: 27 de abril de 2017, às 19h.
Visitação: até 19 de maio, de terça-feira a domingo, das 10h às 21h.
Onde: Claraboia e Galeria 2 do Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Entrada gratuita

Mais informações: (48) 3664-2630 / masc@fcc.sc.gov.br.

Informações adicionais para imprensa
Fernanda Peres
Assessoria de Comunicação Fundação Catarinense de Cultura
Telefone: (48) 3664-2571
E-mail: imprensa@fcc.sc.gov.br
Site: www.fcc.sc.gov.br 
Twitter: www.twitter.com/fccoficial  
Facebook: www.facebook.com/FundacaoCatarinensedeCultura