Projetos executadas com recursos dos governos estadual e federal serão apresentados à população nesta terça-feira, 19, na Pedra Branca, em Palhoça. O evento começa a partir das 14h.

Os cases que serão demonstrados são resultados do programa Tecnova, que vem apoiar inovação para acelerar o crescimento de empresas de micro e pequeno portes. O Tecnova é iniciativa da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep) operado localmente pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

“Há seis anos e depois de mais de R$ 20 milhões, nosso Estado, por meio da Fapesc e da Finep, cumpre o seu papel na medida em que investe numa cadeia de ganhos aos pequenos e médios empreendedores: pesquisa, desenvolvimento e inovação em prol da melhoria da competitividade, do emprego e geração de renda”, salienta Lucas Esmeraldino, secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável e Turismo, pasta à qual está vinculada a Fapesc.

Por meio da Fundação, Santa Catarina foi o primeiro Estado a lançar a chamada da Finep, órgão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Foram selecionados e executados 53 projetos.

Serviço:
O que: Apresentação dos resultoados do Tecnova
Horário: das 14h às 18h
Local: Auditório do Atrium Offices, Rua Jair Hamms, 38, Palhoça

Informações adicionais para a imprensa
Heloisa Dallanhol
Assessoria de Imprensa 
Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de SC - Fapesc
E-mail: heloisa@fapesc.sc.gov.br
Telefone: (48) 3665-4812 / 98418-1180
Site: www.fapesc.sc.gov.br




Mostrar à sociedade o resultado do investimento público estadual em projetos de pesquisa e inovação é o objetivo do evento que será realizado nesta quinta-feira, 14, a partir das 14h na Associação Catarinense de Tecnologia (Acate). Este é o primeiro de uma série de encontros que ocorrerão para que a população conheça os frutos do Tecnova, programa da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep) operado localmente pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

Um total de 13 projetos serão apresentados até as 18h de quinta. No dia seguinte, sexta-feira, 15, mais 14 projetos estarão em pauta, no mesmo local.

O Tecnova apoia a inovação tecnológica e vem acelerando o crescimento de 53 empresas de micro ou pequeno porte. Entre elas está a Odeme Equipamentos Médicos e Odontológicos, que nasceu em Luzerna, abriu laboratório em Joaçaba e, em 2015, deu início a operações em Miami (EUA).

Para a expansão, a empresa contou com o apoio do governo estadual por meio de programas e editais, além de ter sido primeira colocada no Prêmio Stemmer Inovação Catarinense, categoria Empresa Inovadora – Micro e Pequeno Porte Porte, em 2012. Com auxílio do Tecnova, a empresa criou a máquina capaz de testar a fadiga térmica dos materiais odontológicos.

“Precisamos ter mais empreendedores e empresas como a Odeme. O setor produtivo catarinense precisa ser desafiado e apoiado, assim como nossos pesquisadores. A Fapesc buscará, incansavelmente, cumprir sua missão de amparar a pesquisa e a inovação no Estado com programas, editais, chamamentos e outras ações”, disse o presidente da Fundação, Fábio Zabot Holthausen.

Informações adicionais para a imprensa
Heloisa Dallanhol
Assessoria de Imprensa 
Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de SC - Fapesc
E-mail: heloisa@fapesc.sc.gov.br
Telefone: (48) 3665-4812 / 98418-1180
Site: www.fapesc.sc.gov.br

Foto: Peterson Paul/Secom

A visita a Tubarão, na tarde desta segunda-feira, 11, completou o roteiro do governador Carlos Moisés pelo Sul de Santa Catarina. No encontro com o prefeito Joares Ponticelli, atual presidente da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), o governador recebeu pleitos e reforçou que a parceria com as cidades será fortalecida com a criação de uma central, exclusivamente dedicada a receber os projetos locais.

"Um Estado forte é feito de municípios fortes, o Governo quer estar ao lado deles, através da central de atendimentos vamos receber as demandas, avaliar todas elas, com critérios técnicos e garantir que as obras prioritárias serão atendidas", enfatizou Moisés, que visitou as obras do Centro de Inovação e da rodovia Ivane Fretta Moreira após o encontro na prefeitura.

O Centro de Inovação passa por ajustes de projeto. Segundo Ponticelli, depois de concluído, já terá vocação definida: "Queremos que no dia seguinte à conclusão, o empreendimento já possa estar funcionando em sua plenitude. O município já aprovou sua lei municipal de inovação e decidiu que o centro estará focado na área da saúde".

Segundo ele, as políticas que vão definir a atuação do Centro serão construídas em parceria com outros setores da sociedade civil organizada para que as ações tenham continuidade, independentemente dos governos. Moisés disse se sentir satisfeito com a escolha em direcionar projetos de inovação para a área da saúde. Para ele, a região tem muito a contribuir com boas práticas de atendimento tanto no modelo público, quanto no privado.



Rodovia Ivane Fretta 

O último compromisso do governador Moisés em Tubarão foi no canteiro de obras da rodovia Ivane Fretta Moreira. Com cerca de cinco quilômetros de extensão, a rota é aguardada com a expectativa de gerar uma nova fase de desenvolvimento para Tubarão. Além do entorno, que deverá ser ocupado com áreas industriais e residenciais, a rodovia será uma nova ligação da região central de Tubarão e da BR-101, com a comunidade de São Martinho e o Vale do Rio Braço do Norte.

O trecho vai ajudar a desafogar o trânsito em um dos principais acessos ao município. A rodovia conta com duas pontes, ciclovia, um viaduto, iluminação com cabeamento subterrâneo e uma passarela estaiada. "É uma obra singular, tanto para o tráfego urbano, quanto para os projetos que vão consolidar um espaço vocacionado para o crescimento do município de Tubarão", finalizou o governador.

Além do prefeito Joares Ponticelli, e dos secretários da Casa Civil, Douglas Borba, e da Articulação Nacional, Diego Goulart, o secretário da Infraestrutura, Carlos Hassler, também acompanhou a visita às obras da rodovia Ivane Fretta Moreira.



Informações adicionais para a imprensa
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Foto: Gustavo Cabral/Ascom Udesc Esag

A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) abre na próxima segunda-feira, 18, as inscrições para o  de ingresso nos cursos de Mestrado e de Doutorado em Administração em 2019. São 44 vagas oferecidas no campus da Udesc em Florianópolis: 15 para o Mestrado Acadêmico, 17 para o Mestrado Profissional e 12 para o Doutorado. As inscrições vão até 17 de abril.

 Foto: Divulgação/ Udesc

Um grupo de pesquisadores da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), ligado ao Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag), associou-se a colegas da universidade italiana de Bologna e das canadenses de Concordia (Montréal) e York (Toronto) para um estudo sobre a formação da consciência cívica. Um dos objetivos é desenvolver ferramentas tecnológicas para promover o engajamento dos cidadãos em questões sociais.

O projeto de pesquisa WeTell Hub – Storytelling and Civic Awareness in the Post-digital Age (narrativa e consciência cívica na era pós-digital) será desenvolvido pelos três países – Brasil, Itália e Canadá. Os pesquisadores unirão esforços para entender como se dá a construção e desconstrução da consciência cívica e propor novas narrativas.

As primeiras reuniões presenciais entre os pesquisadores estão previstas para os dias 8 e 12 de abril, em Bologna (Itália), sob a coordenação professora Elena Lamberti. A doutoranda em Administração Gisiela Klein representará a equipe do Laboratório de Tecnologias de Gestão (LabGES), coordenado pelo professor Carlos Roberto De Rolt. Outros dois professores da Udesc Esag, Clerilei Aparecida Bier e Mário Barreto Moraes, também integram o projeto.

Fenômeno mundial

“Nosso objetivo é fazer uma ponte entre as áreas sociais e humanísticas e as tecnológicas”, explica o professor De Rolt. “Nossa expertise em gestão pública e empresarial nos credenciou para entrar neste grupo de pesquisa, que pretende estudar um fenômeno que não é somente brasileiro: a apatia da sociedade frente aos problemas sociais e políticos”.

Para a professora Clerilei Bier, a indiferença da sociedade frente às questões políticas e sociais é crônica em todos os países. “Observamos que há uma desconstrução da consciência cívica individual e coletiva. É responsabilidade da universidade entender esse fenômeno e propor novas formas de linguagem e de interação entre o Estado e a sociedade”, afirma.

A doutoranda Gisiela Klein destaca o valor da cooperação entre universidades de três países. “Teremos o apoio de um grupo canadense com tradição em estudos de gestão da comunicação entre organização e sociedade e de pesquisadores italianos que nos ajudarão a entender a evolução do populismo e da construção e desconstrução de discursos”.

ParticipACT

O tema participação social tem sido objeto de várias pesquisas na Udesc Esag. No LabGES, o projeto ParticipACT Brasil tem se preocupado em engajar os cidadãos para compartilhar e resolver problemas urbanos. Uma das ferramentas desenvolvidas foi um aplicativo mobile que está sendo integrado às ouvidorias públicas, por meio do sistema e-Ouv.

Outro projeto, ainda em fase de estudos, é um laboratório virtual (Living Lab Virtual), no qual a sociedade terá acesso a bancos de dados públicos e ferramentas de cruzamento e visualização. A ideia é que com esse ferramental, o cidadão tenha condições de analisar a efetividade de políticas públicas, propor melhorias e pensar em soluções inovadoras.

Mais informações podem ser obtidas com o Laboratório de Tecnologias de Gestão (LagGES).

Assessoria de Comunicação da Udesc Esag
Jornalista Carlito Costa
E-mail: comunicacao.esag@udesc.br
Telefone: (48) 3664-8281

 Foto: James Tavares/ Secom

O Governo de Santa Catarina passa a contar, a partir desta quarta-feira, 27, com a certificação digital. Com o e-CNPJ, os documentos podem ser assinados digitalmente pelo governador Carlos Moisés, o primeiro da história a aderir à tecnologia. "Esta é a principal ferramenta do Governo sem Papel. O modelo digital traz segurança e agilidade na tramitação dos processos em todos os setores do Governo", afirmou o governador.

O processo de certificação foi realizado na tarde desta quarta-feira, na Casa D'Agronômica, pelo Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina (Ciasc), que é autoridade registradora apta a emitir o certificado. O técnico Secundino Lemos Neto fez a captura dos dados biométricos do governador, que é o representante legal do e-CNPJ do Governo do Estado.

De acordo com o presidente do Ciasc, coronel Sérgio Maliceski, o e-CNPJ serve como identidade visual para pessoas físicas e jurídicas garantirem a autenticidade e a segurança das transações e comunicações online. "O certificado digital existe para tornar nossa vida online mais fácil e segura. Para o governo do Estado de Santa Catarina, isso significa mais segurança e transparência na tramitação de processos administrativos, redução de custos e impressão, além de ganho de agilidade e eficiência nos negócios públicos", explica Maliceski.

Até o próximo dia ‪2 de abril‬,  cerca de 800 mil processos e documentos que tramitam anualmente na estrutura administrativa do Executivo estadual estarão digitalizados. Servidores já estão sendo treinados para trabalhar com o novo modelo.

A projeção do governador é economizar até R$ 29 milhões por ano com a digitalização dos processos e documentos. O valor é equivalente ao investimento na reforma das pontes Colombo Machado Salles e Pedro Ivo Campos, em Florianópolis.


Nesta quinta-feira, 31 de janeiro, a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC) lançou o Edital de Chamada Pública FAPESC Nº 01/2019 para fomentar a realização de eventos ligados à Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI) em Santa Catarina. Até 6 de março, fica aberto o prazo para submissão de projetos de eventos programados para o período entre 1 de maio de 2019 e 31 de julho de 2019, correspondente à Fase I do PROEVENTOS, programa que apoiou 538 eventos entre 2015 e 2018.

Neste primeiro edital, evento de CTI é definido como sendo “encontro de pesquisadores, docentes, estudantes de pós-graduação e graduação, profissionais não acadêmicos e comunidade em geral, visando à apresentação e debates de resultados de pesquisas, em andamento, de avanços em uma dada linha de pesquisa ou estado da arte em um determinado tópico de interesse e relatos de experiências (cases) e congêneres”.

A programação do evento deve incluir atividades como apresentação de trabalhos, mesas-redondas, conferências, debates, minicursos, entre outras formas de atualização e divulgação do conhecimento visando ao avanço da pesquisa no estado. O coordenador do evento deve ter a titulação de Doutor e ser pesquisador vinculado a Instituição de CTI de Santa Catarina, entre outros requisitos.

Cronograma

As propostas são submetidas na Plataforma FAPESC, disponível no endereço http://plataforma.fapesc.sc.gov.br/fapesc/#/public/login

No dia seguinte ao encerramento do prazo para submissão de projetos à Fase I do PROEVENTOS, iniciarão as etapas de análise e julgamento dos mesmos. No dia 5 de abril, haverá a divulgação da lista dos projetos aptos para fomento, mas como ainda caberiam recursos administrativos e ajustes nos planos de trabalho apresentados, a celebração dos Termos de Outorgas para efetivo repasse dos recursos governamentais deve ocorrer a partir do dia 22 de abril.

Haverá mais duas fases do PROEVENTOS, de modo a permitir o planejamento de eventos de CTI até 31 de março de 2020. Veja o edital

Informações para imprensa:
Coordenadoria de Comunicação da FAPESC
Fone: (48) 3665 4812
www.fapesc.sc.gov.br

Foto: Julio Cavalheiro/Secom

Nos últimos meses de 2018, uma equipe de desenvolvedores de software do Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina (Ciasc) recebeu um desafio novo. A missão: tornar o Portal de Serviços do Governo de Santa Catarina 100% acessível para deficientes visuais. Depois de muito trabalho, a novidade está disponível desde o começo de dezembro.

Para tornar esse avanço possível, o serviço de uma pessoa foi indispensável. Gustavo Farias Medeiros, de 20 anos, é um estudante do 5º período de Sistemas da Informação. No contraturno da universidade, ele trabalha como estagiário na gerência de produtos de software do Ciasc. E coube justamente a ele, um deficiente visual, fazer a análise do serviço feito pelos desenvolvedores. Por meio de um leitor de tela, ele escutava os comandos e navegava pelo portal.

CONFIRA O SITE AQUI

“Eu verifico o que está inacessível para o deficiente visual e, para aquilo que pode ser melhorado, também faço observações com possíveis soluções. Hoje temos um site amigável, fácil de entender. Com uma ou duas navegações, já é possível compreender a estrutura e tudo fica mais simples”, avalia Gustavo.

Um dos líderes da equipe que desenvolveu a acessibilidade para o Portal de Serviços, Fábio José do Amaral lembra que esse é um caminho sem volta. Segundo ele, inserir os deficientes visuais no mundo virtual já se tornou um objetivo para todos os websites desenvolvidos pelo Ciasc: “A acessibilidade é sempre um pré-requisito dos produtos que nós desenvolvemos aqui no Ciasc. A questão é que nós precisamos de mão de obra que consiga dar vazão a esse trabalho. É aí que entra o papel do Gustavo, para construir isso com a maior naturalidade”, diz Amaral.

André Luiz Müller, um dos desenvolvedores que trabalharam no projeto, disse que o grande desafio foi passar a pensar a experiência do usuário com foco no deficiente visual. Isso exigiu uma adaptação por parte da equipe. “Nós sempre pensamos a experiência do usuário como algo visual, de design, onde quanto menos cliques melhor. Já o deficiente visual acessa o site por um de um leitor de tela. Foi a primeira vez que eu tive essa experiência”, admite.

Apesar dos percalços, Müller conta que se sente extremamente gratificado por trabalhar com um produto que ajuda a incluir digitalmente mais pessoas: “O sentimento é o melhor possível. Adequando o site para leitores de tela e deficientes visuais, nós conseguimos alcançar um público ainda maior de pessoas que estão atrás de serviços do Estado. Nós esperamos sinceramente que elas consigam chegar ao objetivo de uma forma muito mais prática”.

Informações adicionais para a imprensa
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC 


Foto: James Tavares/Arquivo Secom

O verão dos banhistas das praias de Santa Catarina será ainda mais seguro graças à rede de monitoramento costeiro da Epagri/Ciram. A instituição implantou, em menos de 10 anos, a maior e melhor rede de monitoramento de mar do Brasil. São 10 equipamentos instalados ao longo de toda a linha litorânea, que fornecem informações fundamentais para as atividades marítimas.

A rede da Epagri/Ciram conta com estações maregráficas instaladas em Florianópolis, Itapoá, Laguna, Porto de São Francisco, Balneário Camboriú, Imbituba, Balneário Rincão, Ilha da Paz, Passo de Tores e Barra Velha. Os equipamentos medem maré, precipitação e temperatura da água. Os dados medidos podem ser conferidos em tempo real no link Litoral On-line, do site da Epagri/Ciram.

As variáveis são medidas em intervalos de cinco minutos e enviadas a cada 15 minutos para o banco de dados da Epagri/Ciram, em Florianópolis. Lá, a qualidade dos dados é testada e, caso não sejam identificados erros, são publicados a cada hora no Litoral On-line. Tudo é feito de forma automática, sem a interferência humana.

Das 10 estações maregráficas da rede da Epagri/Ciram, sete medem o nível do mar (ou seja, a variação da maré) com sensor do tipo radar, um equipamento moderno e preciso, importado da Alemanha. Esse sensor, que fica acima do mar, emite uma onda eletromagnética que bate na superfície da água e retorna ao aparelho, onde são feitos os cálculos necessários para medir o nível. Como está fora da água, dá menos problemas e, no caso de ser necessária uma manutenção, o acesso a ele é bem mais simples. Nos outros três marégrafos da rede, os sensores de nível são de pressão, o que significa que estão instaladas dentro de água.

Outro equipamento de ponta da rede é o correntômetro instalado na Baía da Babitonga, em São Francisco do Sul. A tecnologia foi importada dos Estados Unidos a um custo de R$ 100 mil, bancado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Mede a correnteza a uma profundidade de cinco metros e fornece informações fundamentais para navegação, especialmente de grandes embarcações.

Temperatura

A mais recente inovação da rede de monitoramento costeiro da Epagri/Ciram é a medição da temperatura da água nas praias de Santa Catarina. No final de 2018 a rede passou a medir essa variável em seis pontos da costa: porto de Itapoá; praia de Laranjeiras, em Balneário Camboriú; Caieira da Barra do Sul, em Florianópolis; porto de Imbituba; porto de Laguna; e barra do rio Mampituba, em Passo de Torres.

A temperatura do mar varia muito no litoral de Santa Catarina. É que o Estado está numa zona de transição, com influência de correntes marinhas tropicais e subtropicais. Assim, recebe uma corrente mais fria ao Sul, vinda da região polar (ramo costeiro da corrente das Malvinas). Já o litoral Norte é influenciado por correntes marinhas mais quentes. No dia 14 de novembro de 2018, por exemplo, véspera de feriadão, o Litoral On-line exibia ao mesmo tempo temperaturas da água de 26,59°C em Balneário Camboriú e de 19,45°C em Imbituba.

Caro e difícil

“O monitoramento de mar é mais caro e difícil de fazer”, explica Matias Boll, pesquisador do setor de Oceanografia e Monitoramento Costeiro da Epagri/Ciram. Ele conta que o ambiente mais agressivo, o alto valor dos equipamentos e o custo elevado da manutenção são empecilhos para que redes desta natureza se espalhem pelo litoral brasileiro. “A manutenção tem que ser mais efetiva, porque os equipamentos estão expostos à corrosão e podem até afundar. A logística para chegar até os pontos de monitoramento pode ser mais complicada também”, relata Matias, ressaltando que a instituição se empenha em fazer manutenção preventiva na rede catarinense.

A instalação da rede de monitoramento costeiro de Santa Catarina foi motivada pela importância que o litoral tem para o Estado. Quase 40% dos catarinenses moram na região litorânea, que ocupa apenas 10% do território do Estado. A zona costeira concentra cinco dos dez municípios mais populosos de Santa Catarina. Os 38 municípios localizados no litoral respondem por 39% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. Atividades portuárias, pesca e turismo contribuem para essa força econômica.

A Epagri/Ciram também mantém contrato de serviço com dois portos catarinenses: São Francisco do Sul e Imbituba. Os portos têm exigências muito altas de monitoramento ambiental e de segurança e o serviço realizado pela Epagri atende a essas necessidades com custo competitivo.

Informações e entrevistas
Matias Boll, pesquisador do setor de Oceanografia e Monitoramento Costeiro da Epagri/Ciram, pelos fones (48) 36655174 / 99911-3767

Informações para a imprensa
Gisele Dias, jornalista: (48) 9989-2992 / 3665-5147
Cinthia Freitas, jornalista: (48) 3665-5344
Isabela Schwengber, jornalista: (48) 3665-5407

Mestrado Profissional em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias, da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Joinville, abre inscrições, a partir de 25 de fevereiro, para ingresso no segundo semestre de 2019. Os interessados devem se inscrever até 31 de março, pelo formulário no site.