Foto: Andreia Oliveira / ADR Chapecó

O café foi tema de workshop do Centro de Educação Profissional de Chapecó (Cedup), onde alunos do curso Técnico em Cozinha aprendem mais sobre o produto e o mercado envolvendo a bebida. 

As lições sobre o mercado foram reforçadas, com a colaboração da equipe Giuliettas Cafés, que dividiu os conhecimentos com os estudantes. Segundo o sócio-proprietário da empresa, Cleber Zorzi, este mercado cresce em média 3 a 5% nos últimos cinco anos, os cafés especiais chegam apresentar 15% de aumento ao ano. “Esta expansão está ocorrendo na mesma proporção da cerveja artesanal”, afirma.

Os alunos receberam informações sobre o contexto do café, da semente à xícara. Provaram, entenderam a calibração sensorial, a metodologia de pontuação dos cafés especiais e receberam dicas de como prepará-lo em casa. De acordo com Zonta, tem mercado para quem busca conhecimento além do tradicional. “O mercado está aberto para quem está inquieto e se dedica”, afirma.

A professora Lia Cristina Cardoso, da disciplina Bebidas e Enologia, afirma que os workshops são uma forma de aumentar o conhecimento. “Tentamos inovar com a prática, trazendo pessoas com larga experiência”, afirma. A aluna do curso de Cozinha Técnico II, Clarice Ferreira, ainda não trabalha na área, mas sabe que ficará bem preparada. “São ótimas as oportunidades que os professores nos trazem, agrega muito”, destaca.

O curso

O curso de Técnico em Cozinha conta com duas turmas no período noturno, a duração é de um ano e meio. Conforme a orientadora do curso, Dayane Alves Moresco, os alunos são habilitados para atuar no segmento de serviços de alimentação, oferecendo conhecimento prático e teórico voltado à aplicação de técnicas de produção e serviços de cozinha. Podem trabalhar em restaurantes, bares e similares, hotéis, resorts, parques temáticos, spas, clínicas e casas de repouso, navios, colônias de férias, eventos, clubes, empresas de serviços, hospitais, empresas alimentícias, entre outros.

Mais informações para a imprensa:
Andréia Cristina Oliveira
Assessoria de Comunicação
Agência de Desenvolvimento Regional de Chapecó
Fone: (49) 2049-7427 / 99938-6966
E-mail: imprensasdrcco@gmail.com
Site: sc.gov.br/regionais/chapeco


Foto: Helena Marquardt/ADR Ibirama

A Regional de Ibirama, que é composta por nove municípios do Alto e Médio Vale do Itajaí, deve ser a primeira de Santa Catarina a implantar o controle automático da merenda através de QR Code em todas as escolas estaduais. Atualmente três unidades já utilizam o novo sistema piloto e uma outra está iniciando o processo, mas a previsão é de que até o final de outubro todas as instituições de ensino estaduais tenham aderido à mudança.

Para que iniciem o uso do novo sistema representantes das escolas já passaram por uma capacitação na Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Ibirama, e de acordo com a supervisora de Articulação com os municípios da Gerência Regional de Educação, Isolânia Wippel, puderam ver que a novidade na contagem só traz benefícios, que vão muito além da agilidade na hora das refeições e da transferência automática de dados para o Sistema de Gestão Educacional de Santa Catarina (Sisgesc).  

Ela revela que nas escolas onde a tecnologia já substituiu a contagem manual, o custo com a merenda reduziu de 20% a 30%. “As escolas que passaram a utilizar o aplicativo de contagem já tiveram em média essa redução, mas nossa preocupação não é apenas com economia e sim se o aluno está se alimentando bem ou não, se a comida tem sido suficiente e uma série de fatores”, completa.

Isolânia esclarece que ao contrário de boatos que circulam pela internet, o novo sistema não impede que o aluno repita a merenda. “O aluno pode repetir normalmente e pode comer duas porções de alguns alimentos como carne e laticínios, já os demais alimentos são totalmente liberados. O importante é ressaltar que todo o cardápio e a quantidade adequada  foi definida por profissionais de nutrição, pensando em oferecer uma alimentação saudável para crianças e adolescentes.”

Experiência positiva

Nas escolas da Regional de Ibirama que já utilizam as carteirinhas com QR Code e tablet a experiência tem sido bastante positiva. A Assistente de Educação da EEB Bernardo Muller, de Presidente Getúlio, Marisa Hawerroth Heinzen, conta que a escola aderiu a mudança em agosto e destaca que o novo sistema facilitou bastante o controle da merenda e lançamento. “Os próprios alunos se sentiram atraídos e gostaram bastante. Tem facilitado muito.”

Mais informações para a imprensa:
Helena Marquardt
Assessoria de comunicação 
ADR Ibirama
Fone (47) 3357-8908 / (47) 98819-9350
E-mail: imprensa@iir.adr.sc.gov.br
Site: sc.gov.br/regionais/ibirama
Facebook: www.facebook.com/regional.ibirama

O secretário de Estado da Educação e presidente do Conselho Nacional de Educação, Eduardo Deschamps, participou nesta quinta-feira, 21, no Rio de Janeiro, de mesa redonda no Encontro Internacional Educação 360. O tema em debate foi a Base Nacional Comum Curricular. Também participaram da mesa a secretária executiva do Movimento pela Base, Alice Ribeiro e.

O documente será base para revisão curricular e projetos político-pedagógico (PPP) das escolas. "A Base vai inspirar o currículo que vai direcionar os PPPs. É uma discussão de muitos anos e a estamos na reta final", destaca a diretora da Fundação SM Brasil, Pilar Lacerda.

Em Santa Catarina, ao longo dos últimos meses, encontros organizados pelas Instituições de Ensino Superior reúnem alunos e educadores para discutir o assunto. "O debate é necessário para preparar o terreno para quando a base estiver aprovada. A discussão é de sistema e não de rede, e o envolvimento de todos é fundamental para encontrar o melhor caminho para educação catarinense", comenta.

Segundo Deschamps entre os itens em destaque apresentados nas Conferências sobre a BNCC, realizadas pelo Conselho Nacional de Educação, estão: ideologia de gênero, ensino religioso, tecnologia educacional e educação infantil. "Temos alguns desafios entre eles colocar a base a olhar para frente e implementar um padrão que faça sentido para estudantes e professores. A Base não será a solução da educação, mas dará muitos encaminhamentos", finaliza Deschamps.

O evento vai até sexta-feira, 22, com várias palestras e mesas de debates. Mais informações em www.educacao360.com.

Informações adicionais para a imprensa
Edinéia Rauta
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Educação  - SED
E-mail: edineiarauta@sed.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-0353 / 3664-0161 / 3664-0356 / 98843-5084
Site: www.sed.sc.gov.br

Figueira de Corupá ganha abraço simbólico
Foto: Ana Cenatti/ADR Jaraguá do Sul

A figueira plantada há exatamente 60 anos na Escola Teresa Ramos, de Corupá, ganhou, nesta quinta-feira, 21, uma homenagem dos professores, ex-professores, diretores, alunos e ex-alunos.

A professora Marilei Silveira de Abreu, autora do livro A Figueira, contou a história do seu livro e se emocionou ao final da apresentação. “Fui convidada a escrever um livro por meio do projeto Preservar é Amar e uma colega deu a sugestão de escrever sobre esta árvore, que já fez parte da história de muitas famílias que passaram por aqui. O livro é uma literatura infantil baseada em dados reais”, falou. Marilei é professora na Escola Municipal Aluísio Carvalho de Oliveira.

O aluno do oitavo ano Mateus Jurandir de Souza Antonieta, 14 anos, falou que, a partir de hoje, a árvore passou a ter um significado maior pra ele. “Todos da minha família estudaram aqui, mas eu não conhecia a história como conheci hoje, foi uma grande homenagem para a árvore que está estampada nas nossas camisetas”, declarou.

Todos os alunos presentes, da Escola Teresa Ramos e também de quatro escolas municipais, cantaram parabéns para a figueira e, depois, deram um abraço simbólico, representando o cuidado e preservação deste símbolo de grandeza da escola.

“Esta árvore tem um significado muito grande para todos nós, é a sua beleza, a sombra, os pássaros que ficam em seus galhos, é realmente um marco que traz beleza e vida para a escola”, finalizou o diretor Lírio Lanznaster, que trabalha na unidade há 12 anos.

A figueira é do gênero Ficus, um dos maiores do reino vegetal, e foi plantada em 1957 pelos alunos do Clube Agrícola Alberto Torres, orientados pelo professor Waldemar Schultz, cuja muda foi adquirida por Leopoldo Seidel. 

Projeto Preservar é Amar

O projeto foi criado e é mantido pelo Grupo Lunelli há 14 anos, com o apoio de parceiros, atua nas áreas de Cultura, Educação e Meio Ambiente. Os livros são distribuídos para os alunos da rede municipal em troca de material reciclável. 

Informações adicionais para a imprensa
Ana Cenatti
Assessoria de imprensa
Agência de Desenvolvimento Regional de Jaraguá do Sul
E-mail: anacenatti@jgs.adr.sc.gov.br 
Telefone: (47) 3276-9241 / (47) 98861-2652
Site: sc.gov.br/regionais/jaraguadosul

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC), divulgou a Avaliação Quadrienal 2017 do Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG) nesta quarta-feira, 20, com dados obtidos de 2013 a 2016. A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) foi avaliada em 35 programas de pós-graduação, com 47 cursos, sendo 13 doutorados, 24 mestrados acadêmicos e dez mestrados profissionais. A instituição coordena 32 programas (43 cursos) e participa de três (quatro cursos) em parceria com outras organizações.

Conforme os resultados, seis programas da Udesc subiram de conceito. Três deles oferecem mestrados e doutorados acadêmicos (Ciência AnimalEducação e História) e foram de 4 para 5, o que representa um bom desempenho, pois as notas dessa categoria vão de 1 a 7. Os demais aumentos de conceito da universidade foram obtidos por programas que oferecem, por enquanto, apenas o curso de mestrado. Administração (linha profissional) tinha 4 e agora recebeu a nota máxima da categoria, que é 5. Já os programas de Design e de Música foram de 3 para 4.

Mais de 20 notas mantidas

Além disso, 25 programas de pós-graduação da Udesc permaneceram com o conceito da Avaliação Trienal 2013 do SNPG, feito pela Capes entre 2010 e 2012. Na lista dos programas que oferecem mestrados e doutorados acadêmicos (categoria com notas de 1 a 7), foram mantidos os seguintes conceitos:

Os programas que têm apenas mestrado (categoria com notas de 1 a 5) e ficaram no mesmo nível são:

A Udesc também conta com um programa que oferece somente doutorado acadêmico, o de Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental, que permaneceu com conceito 4 (o máximo é 7). As duas únicas quedas da universidade ocorreram nos programas de Engenharia Elétrica, nas modalidades acadêmico (mestrado e doutorado) e profissional (mestrado), que foram de 4 para 3. Por começarem as atividades em 2017, dois programas da Udesc, com os mestrados profissionais em Design de Vestuário e Moda e em Enfermagem na Atenção Primária à Saúde, estão com a nota inicial da categoria, que é 3.

Resultado provisório

O pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Udesc, Antônio Carlos Vargas, diz que o resultado geral da Avaliação Quadrienal 2017 é positivo para a Udesc, com melhora dos cursos, e ressalva que ainda não é possível falar sobre os dois programas que tiveram queda de conceito. "É uma avaliação provisória, ainda tem o período de recurso. Em dezembro, será feita a divulgação da nota final dos cursos", explica. "Alguns cursos que não subiram podem ainda entrar com recurso e vir a subir e os que desceram também", disse.

Segundo Vargas, a nova avaliação da Capes possibilitará à Udesc comparar o desempenho dos programas de pós-graduação nos últimos anos e tomar medidas para desenvolver os cursos. "Isso representa muito trabalho a ser feito. Precisamos tomar ações para os próximos quatro anos para melhorar ainda mais", afirma.

O número de programas de pós-graduação da Udesc cresceu 67% entre 2013 e 2016, indo de 21 para 35. Esse percentual supera a média nacional no mesmo período, que foi de 25%. A criação de novos programas de pós nas áreas em que existem apenas cursos de graduação é uma das ações do projeto Fortalecimento da Articulação do PDI-PPC-PPI, que faz parte do Plano de Gestão 2016-2020 da Udesce busca reforçar o alinhamento estratégico da universidade diante dos desafios do século 21.

O plano de gestão da universidade também prevê a qualificação dos programas, por meio do projeto Udesc no Topo, que atua de forma permanente, planejada e colaborativa para se alcançar a excelência da universidade nos indicadores das avaliações internas e externas.

Produção intelectual

Conforme levantamento da Coordenadoria de Pós-Graduação da Udesc, a universidade tem atualmente 1.696 acadêmicos matriculados na área, com 524 doutorandos e 1.172 mestrandos. A Plataforma Sucupira, da Capes, mostra que os cursos de pós da Udesc chegaram à marca de 6.982 produções intelectuais em 2016, divididas da seguinte maneira: 3.319 bibliográficas, 3.215 técnicas e 448 artísticas. Essas produções resultaram em 68 teses de doutorado, 404 dissertações de mestrado e 1.207 artigos publicados em periódicos.

Novo modelo

As notas da avaliação da Capes, que é feita desde 1976, fundamentam o Conselho Nacional de Educação (CNE) em decisões sobre quais cursos obterão a renovação de reconhecimento para continuar em funcionamento. A Avaliação Quadrienal 2017 apresentou duas grandes mudanças: o período de avaliação foi estendido de três para quatro anos e os procedimentos de coleta e tratamento de dados foram informatizados com o uso da Plataforma Sucupira a partir de 2014.

A nova avaliação foi realizada por 1.550 consultores, que se reuniram no edifício-sede da Capes, em Brasília, de 3 de julho a 11 de agosto e avaliaram 4.175 programas e 6.303 cursos, sendo 3.398 de mestrado, 2.202 de doutorado e 703 de mestrado profissional.

Como base para essa avaliação, as comissões usaram as informações fornecidas de forma contínua pelos programas na Plataforma Sucupira durante o período avaliado. No início de cada ano, as informações referentes ao ano anterior são chanceladas pelos pró-reitores das universidades. Confira os resultados de todo o País.

Mais informações para a imprensa: 
Rodrigo Brüning Schmitt
Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br / rodrigo.schmitt@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010
www.udesc.br


Fotos: Helena Marquardt/ADR Ibirama

Os alunos da Escola de Educação Básica Lindo Sardagna, de Dona Emma, transformaram um velho muro em uma verdadeira obra de arte que agora serve de inspiração para moradores da cidade.

No muro, completamente pintado pelos estudantes, é possível admirar desenhos coloridos e até frases sobre igualdade e a importância da leitura. A iniciativa do projeto partiu da professora de Arte, Marizete de Morasi Campos Rizzieri, que conta que a ideia foi totalmente apoiada pela direção, professores de todas as disciplinas e até comunidade. “Nosso objetivo era viabilizar um olhar diferente do aluno e da comunidade. O muro já estava desbotado e queríamos revitalizar esse olhar.”

Mas a pintura não foi só diversão. Para chegar ao resultado final os estudantes aprenderam mais sobre cores, formas e movimentos artísticos de cada época. Os temas também foram trabalhados e discutidos. Divididos em grupos os alunos  ainda fizeram um esboço em papel daquilo que gostariam de pintar no muro e só depois de todas essas etapas eles foram liberados para mostrar toda a sua criatividade da entrada da escola. “Percebemos que hoje se sentem orgulhosos do trabalho que realizaram, que passam a se rever de outro jeito  como cidadãos e enxergar novas oportunidades”, comenta a professora.

A aluna Carolaine Lieck, do segundo ano, que foi uma das que participou do projeto conta que seu grupo pintou uma menina sentada próxima a livros e gostou da experiência. “Pudemos mostrar todo o nosso empenho e trabalho e temos muito que agradecer aos professores por nos proporcionarem essa experiência”, afirma.

Alunos de escola estadual de Dona Emma transformam muro em arte

O assessor de direção, professor Adilson Stenghen, ressalta que todos se envolveram e a comunidade vem elogiando o projeto. “Procuramos colaborar em tudo que foi possível e o resultado final ficou maravilhoso, com quem conversamos na rua, as pessoas vem falar desse trabalho”, finalizou. 

Mais informações para a imprensa:
Helena Marquardt
Assessoria de comunicação 
ADR Ibirama
Fone (47) 3357-8908 / (47) 98819-9350
E-mail: imprensa@iir.adr.sc.gov.br
Site: sc.gov.br/regionais/ibirama
Facebook: www.facebook.com/regional.ibirama

Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (Cefid) realizará a 15ª Mostra de Dança da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) nesta quinta-feira, 21, às 20h, no Teatro Governador Pedro Ivo, em Florianópolis.

O público poderá assistir às apresentações de 26 coreografias nos estilos balé clássico, sapateado, danças folclóricas, urbanas, contemporâneas, jazz, dança livre e de salão, nas modalidades solo, duo e conjunto. Também haverá participações da Seed'ance Company no hall de entrada do teatro e do grupo convidado Casarão da Dança Cia de Dança, além de abertura e encerramento com o Grupo de Dança da Udesc Cefid.

Neste sábado, 23, o projeto Família no Museu realiza um encontro inclusivo na Fundação Hassis, das 15h às 17h. O projeto é coordenado pela professora Maria Cristina da Rosa, do Centro de Artes (Ceart) da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), e tem como objetivo aproximar a arte e a cultura às famílias que possuam integrantes com alguma deficiência.

A exposição desta edição será TA.RAFA, na qual a Fundação Hassis apresenta os artistas Taliane Tomita e Rafael Neckel. Produzindo juntos, o casal faz obras do hiper-realismo e imaginário fantástico. Será realizada uma mediação no local com apresentação da exposição, das obras e, posteriormente, uma oficina artística envolvendo o tema da exposição.

Para se inscrever e participar do encontro é preciso enviar a ficha de inscrição para o e-mail familianomuseu@gmail.com ou entrar em contato pelo telefone (48) 3664-8314 de segunda à quinta-feira, das 13h às 18h.

Sobre o projeto

O programa de extensão Família no Museu: um encontro inclusivo a partir da Arte é realizado pela Udesc e existe desde 2012. Desde então, já foram registrados mais de 20 encontros promovidos pelo projeto nos museus da Capital. A ação busca instigar a participação das famílias nos espaços dedicados à arte e cultura através do desenvolvimento de atividades que buscam proporcionar uma experiência completa a todos os que frequentam esses locais.

Serviço
O quê: Família no Museu – um encontro inclusivo
Quando: 23 de setembro, das 15h às 17h
Onde: Fundação Hassis, ruaLuiz da Costa Freysleben, 87, Itaguaçu, Florianópolis
Quanto: Evento gratuito e aberto ao público
Inscrições: Enviar ficha de inscrição para o e-mail familianomuseu@gmail.com ou entrar em contato pelo telefone (48) 3664-8314 de segunda à quinta-feira, das 13h às 18h

Mais informações para a imprensa: 
Rodrigo Brüning Schmitt
Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br / rodrigo.schmitt@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010
www.udesc.br

Centro de Educação do Planalto Norte (Ceplan), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), deu início ao Congresso Nacional de Inovação e Tecnologia (Inova 2017) na tarde desta terça-feira, 19, no Centro de Eventos Promosul, em São Bento do Sul.

Com programação até quinta-feira, 21, o congresso terá, ao todo, 12 apresentações na modalidade oral e 18 no formato de banner sobre inovação e tecnologia, relacionados a tópicos como cidades inteligentes, drones, monitoramento de rios e ambientes educacionais. Os melhores trabalhos serão publicados como edição especial da Revista Eletrônica do Alto Vale do Itajaí (Reavi), que tem classificação Qualis.

O Inova 2017 é organizado em parceria com a Incubadora Tecnológica de São Bento do Sul (Itfetep) e ocorre paralelamente ao 5º Encontro de Negócios, Inovação e Tecnologia (Enit), considerado um dos principais eventos do segmento no Estado. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail inova.ceplan@gmail.com e pelo telefone (47) 3647-0056.

Mais informações para a imprensa: 
Rodrigo Brüning Schmitt
Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br / rodrigo.schmitt@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010
www.udesc.br


Foto: Divulgação / ADR Jaraguá do Sul

Na próxima quinta-feira, 21, Dia da Árvore, às 7h45, na escola estadual Teresa Ramos, em Corupá, serão comemorados os 60 anos da figueira plantada no centro do pátio da unidade.

Esta árvore, do gênero Ficus, um dos maiores do reino vegetal, foi plantada em 1957 pelos alunos do Clube Agrícola "Alberto Torres", orientados pelo professor Waldemar Schultz, cuja muda foi adquirida do senhor Leopoldo Seidel. Era uma muda de apenas 25 centímetros, que se tornou gigantesca. Esta árvore transformou-se no emblema (símbolo da escola), que expressa força, grandeza e desenvolvimento, segundo os coordenadores da unidade.