Foto: Osmair Cercal/Secom

O presidente da Celesc, Cleicio Martins, apresentou na tarde desta quinta-feira, 21, o orçamento da companhia para 2019: mais de R$ 1 bilhão. Os recursos serão utilizados para investimentos em geração e distribuição de energia e para o custeio das atividades operacionais e de apoio, além de P&D e Eficiência Energética.

“Estamos destinando recursos para investimentos estratégicos que visam atender ao crescimento do mercado na nossa área de concessão (por meio da construção e a ampliação de subestações, por exemplo) e necessidades específicas do meio rural (com a substituição de redes monofásicas por redes trifásicas e a instalação de cabos protegidos), pleito antigo que beneficia diretamente o agronegócio, responsável por cerca de 30% do PIB catarinense”, explicou o presidente da empresa, Cleicio Poleto Martins.

Também presente na coletiva, o governador Carlos Moisés afirmou que as ações são necessárias para manter a Celesc como uma empresa de economia mista com resultados positivos aos seus acionistas: “A partir de uma gestão austera e de qualidade, com investimentos onde realmente são necessários, a Celesc será cada vez mais valorizada e vai contribuir significativamente para a qualidade de vida das pessoas, das indústrias, da produção rural e dos serviços, como hospitais e comércios”.

Mais da metade dos recursos anunciados será aplicada para ampliação, operação e manutenção do sistema elétrico, para onde serão destinados R$ 595 milhões, sendo:

* R$ 167 milhões no sistema de alta tensão (construção e ampliação de subestações + implantação de Linhas de Distribuição);

* R$ 234 milhões no sistema de média e baixa tensão (construção de alimentadores e extensão de redes, incluindo a implementação do programa , e de cabos protegidos);

* R$ 56 milhões em Geração (obras de ampliação do parque de geração própria, parceria para novos negócios);

* R$ 61 milhões na expansão comercial (ligação de novas unidades consumidoras, aquisição de medidores e etc);

* R$ 78 milhões para suporte da operação (TI, frota de veículos, edificações, itens de segurança);

Os investimentos no sistema de distribuição incluem, entre outras ações, a construção de sete novas subestação e ampliação de 13 subestações existentes, além da transformação de 618,5 quilômetros de rede monofásica para rede trifásica (veja adiante mais informações a esse respeito, por região).

Parte dos recursos será destinada à ampliação do parque gerador da companhia, em iniciativas como a ampliação em mais 7,2 MW a capacidade instalada da Usina Celso Ramos, em Faxinal dos Guedes, totalizando 12,6 MW de potência, assim como a revitalização da Usina Maruim, patrimônio histórico catarinense localizado em São José.

Além disso, R$ 314 milhões serão aplicados na compra de materiais e na contratação de serviços, R$ 127 milhões na área de Pesquisa & Desenvolvimento e Eficiência Energética — em projetos da Chamada Pública, programas como o Bônus Eficientes e o Energia do Bem, Iluminação Pública, Mobilidade Elétrica, Geração Eólica, Robótica, Meio Ambiente, entre outros.

O capital também prevê atender um antigo pleito do interior catarinense: a instalação de cabos protegidos e a transformação da atual rede monofásica para rede trifásica de energia. “Estão planejado investimentos de cerca de R$ 50 milhões nesta alteração que irá garantir mais segurança ao produtor rural, contribuindo com toda a produção agrícola, agrária e industrial do nosso estado”, afirma Cleicio.

CONHEÇA OS RECURSOS PREVISTOS PARA CADA REGIÃO

Núcleo Grande Capital – Florianópolis e região (R$ 170 milhões)

* Destaque para construção de três novas subestações (Real Parque, em São José; Palhoça Caminho Novo, em Palhoça e Capoeiras, em Florianópolis), além da ampliação da subestação Ilha Sul, no bairro Campeche. As obras vão representar incremento de 10,7% na capacidade instalada do sistema elétrico na região. 
* Transformação de 27 km de redes monofásicas para trifásicas.
* Eficientização energética da Iluminação Pública de Santo Amaro da Imperatriz.

Núcleo Alto Vale – região de Blumenau e Rio do Sul (R$ 140 milhões)

* Destaque para construção de uma subestação (Brusque São Pedro, em Brusque), além da ampliação da subestação Gaspar. As obras vão representar incremento de 5,4% na capacidade instalada do sistema elétrico na região.
* Transformação de 75,2 km de redes monofásicas para trifásicas.
* Cabos Protegidos — instalação de 400 km de cabos protegidos na Unidade Rio do Sul
* Eficientização energética da Iluminação Pública de Pomerode e instalação de painéis fotovoltaicos na FURB, em Blumenau.

Núcleo Norte – Joinville, Jaraguá do Sul, São Bento do Sul, Mafra e região (R$ 170 milhões)

*Destaque para construção de duas novas subestações (Canoinhas Rio da Areia, em Canoinhas e Araquari Corveta, em Araquari), além da ampliação das subestações Canoinhas, Porto União, Joinville Vila Nova, em Joinville, e Jaraguá Nereu Ramos, em Jaraguá do Sul. As obras vão representar incremento de 6,4% na capacidade instalada do sistema elétrico na região.
* Transformação de 117,1 km de redes monofásicas para trifásicas.
* Eficientização energética do Hospital Bethesda, em Joinville, e a instalação de sistema fotovoltaico na Univille, na mesma cidade.

Núcleo Planalto – Lages e região (R$ 55 milhões)

* Transformação de 95,8 km de redes monofásicas para trifásicas.
* Lançamento da 3ª edição do Programa Banho de Energia.

Núcleo Meio Oeste – Joaçaba, Videira e região (R$ 80 milhões)

* Destaque para a ampliação da subestação Capinzal, que vai representar incremento de 3,2% na capacidade instalada do sistema elétrico na região.
* Transformação de 58 km de redes monofásicas para trifásicas.
* Eficientização energética da Iluminação Pública das cidades de Caçador, Fraiburgo e Campos Novos.

Núcleo Sul – Criciúma, Tubarão e região  (R$ 110 milhões)

*Destaque para a ampliação da subestação Siderópolis, da Subestação Imbituba, da Subestação Laguna, da Subestação Garopaba e aquisição de terreno para futura construção e instalação da Subestação Araranguá. As obras vão representar incremento de 8,4% na capacidade instalada do sistema elétrico na região.
* Transformação de 36,4 km de redes monofásicas para trifásicas.
* Eficientização energética (Eficientização energética das instalações da UNESC).

Núcleo Leste – Itajaí e região (R$ 75 milhões)

* Destaque para a ampliação da subestação Camboriú e da subestação Itapema. As obras vão representar incremento de 11,4% na capacidade instalada do sistema elétrico na região.
* Transformação de 9,9 km de redes monofásicas para trifásicas.
* Instalação de painéis fotovoltaicos na Univali, em Itajaí.

Núcleo Oeste – Chapecó, São Miguel do Oeste, Concórdia e região (R$ 170 milhões)

* Destaque para construção de uma nova subestação (Chapecó Santo Antônio, em Chapecó), que vai representar incremento de 3,5% na capacidade instalada do sistema elétrico na região.
* Transformação de 199,1 km de redes monofásicas para trifásicas.
* Eficientização energética da Iluminação Pública das cidades de Itá e de Modelo e instalação de painéis fotovoltaicos na UNOESC.

Novo Modelo Organizacional da Celesc

A estrutura da Celesc por Agências Regionais foi idealizada em 2009 e não havia sofrido alterações desde então. Na época, a realidade era de 72 mil km de rede de média tensão, 142 mil transformadores e 2,11 milhões de unidades consumidoras em todo o estado. Na última atualização dos dados, em 2018, o cenário havia se transformado: 81 mil km de rede de média tensão, 177 mil transformadores e 3,03 milhões de unidades consumidoras em Santa Catarina.

O porte e a complexidade do sistema elétrico já não estavam mais compatíveis com a composição vigente até então e, com base em amplo estudo, foi estruturado, assim, um novo modelo organizacional que manteve os 16 pólos regionais do estado, porém com adequação de suas estruturas. “A nova configuração torna os processos internos mais ágeis, dinâmicos e uniformiza os procedimentos internos com o incremento das melhores práticas operacionais”, afirmou Cleicio.

Dessa forma, a Empresa passa a contar com oito Núcleos que representam as macrorregiões Sul, Leste, Norte, Alto Vale, Meio Oeste, Oeste, Planalto e Grande Capital; e oito Unidades, localizadas em Tubarão, Videira, São Miguel do Oeste, Mafra, Jaraguá do Sul, São Bento do Sul, Rio do Sul e Concórdia.

Todas as Agências de Distribuição (AGDs) e as Lojas de Atendimento ao Consumidor permanecem vinculadas às antigas Agências Regionais, exatamente como era anteriormente, sem prejuízo algum aos consumidores e empregados da Celesc.

Sobre a Celesc

Prestes a completar 64 anos, a Celesc é uma das maiores companhias do Setor Elétrico brasileiro. E estruturada como Holding em 2006, a Companhia possui duas subsidiárias integrais: a Celesc Geração e a Celesc Distribuição. Atualmente, é 7ª maior Empresa em volume de energia fornecida e leva energia para mais de 3 milhões de Unidades Consumidoras em sua área de concessão, que atende 264 municípios em Santa Catarina e um no Paraná.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc 
E-mail: comunica@celesc.com.br
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

 

A presidência da Celesc, após reunião com as lideranças da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (AMREC) e Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (AMESC), e em nova audiência a pedido dos deputados estaduais Ada de Luca, Rodrigo Minotto, Jessé Lopes, Luiz Fernando Vampiro e Zé Milton, chegaram a um consenso sobre a reestruturação organizacional da Celesc. Ficou acordado que, após a locação e mudança para um novo imóvel, o núcleo sul ficará em Criciúma. A diretora de Gestão Corporativa, Claudine Anchite, estima que a mudança deve acontecer em aproximadamente 60 dias.

Na reunião com as lideranças de Criciúma, que questionaram as mudanças, o presidente e diretores da Celesc apresentaram os novos investimentos para 2019 na região, que somam R$ 100 milhões (confira na imagem abaixo). Também detalharam o novo modelo organizacional sobre a atual estrutura das agências regionais que, a partir de maio, passam a ser compostas por oito núcleos e oito unidades. No modelo apresentado pela Celesc, Criciúma ficaria como unidade e o núcleo estaria em Tubarão. A presidência da empresa explicou à Comitiva que o motivo da escolha de Criciúma como unidade foi fundiária e diz respeito a um problema jurídico, envolvendo um imóvel para a instalação de uma nova sede.

Algumas sugestões foram apresentadas pelas lideranças, mas o consenso surgiu após nova audiência com os deputados estaduais. O diálogo girou em torno da busca de uma nova sede e da mudança física da regional de Criciúma antes de se transformar em núcleo. Após a mudança, Tubarão ficará como unidade e Criciúma, como núcleo.

A nova configuração surge para compatibilizar o porte das unidades administrativas com a respectiva estrutura de sistema elétrico e a dimensão do mercado consumidor. Os oito núcleos vão representar as regiões Sul, Leste, Norte, Alto Vale, Meio Oeste, Oeste, Planalto e Grande Capital. A atual estrutura das agências foi montada em 2009 e não sofreu alterações desde então. Hoje, o porte e a complexidade do sistema elétrico, em vários casos, não estão mais compatíveis com essa composição. Também há uma assimetria entre as agências, em virtude da expansão do sistema elétrico e das unidades consumidoras atendidas, que não ocorreu de forma uniforme em todas as regiões.

Em breve serão divulgados os investimentos para as demais regiões do estado.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina - Celesc 
E-mail: comunica@celesc.com.br
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

 

 

Depois de um estudo detalhado sobre a atual estrutura das agências regionais em todo o estado, a Celesc reuniu diretores e gerentes nesta segunda-feira, 18 de fevereiro, para apresentar o novo modelo organizacional. As 16 regionais vão permanecer onde estão. A partir de maio, haverá um novo enquadramento nas estruturas, que passam a contar com oito núcleos e oito unidades. A nova configuração surge para compatibilizar o porte das unidades administrativas com a respectiva estrutura de sistema elétrico e a dimensão do mercado consumidor.

Veja aqui a nova composição

A atual estrutura das agências foi montada em 2009 e não sofreu alterações desde então. Hoje, o porte e a complexidade do sistema elétrico, em vários casos, não estão mais compatíveis com essa composição. Também há uma assimetria entre as agências, em virtude da expansão do sistema elétrico e das unidades consumidoras atendidas, que não ocorreu de forma uniforme em todas as regiões.

Na época, a realidade era de 72 mil quilômetros de rede de média tensão, 142 mil transformadores e 2,11 milhões de unidades consumidoras em todo o estado. Na última atualização dos dados, em 2018, a realidade era bem diferente: 81 mil quilômetros de rede de média tensão, 177 mil transformadores e 3,03 milhões de unidades consumidoras em Santa Catarina. “Sendo assim, se faz urgente um modelo de gestão que agregue resultados rapidamente e melhore a eficiência para racionalizar os processos da empresa e manter a concessão”, pontuou o presidente Cleicio Poleto Martins.

Ao agrupar em oito núcleos e oito unidades, a ideia é fortalecer a presença da empresa por meio de pólos regionais, tornar os processos internos mais ágeis e dinâmicos, sem gerar custos adicionais, além de uniformizar procedimentos e incrementar melhores práticas operacionais. Os critérios para o enquadramento nas estruturas seguem a quantidade de unidades consumidoras, o sistema elétrico e a localização geoelétrica. A racionalização da estrutura das agências também vem auxiliar no trabalho para atingir as metas regulatórias com ganho operacional, foco nos indicadores técnicos, comerciais e equilíbrio econômico-financeiro.

Os oito núcleos vão representar as regiões Sul, Leste, Norte , Alto Vale, Meio Oeste, Oeste, Planalto e Grande Capital. As 8 unidades estarão em Criciúma, Videira, São Miguel do Oeste, Mafra, Jaraguá do Sul, São Bento do Sul, Rio do Sul e Concórdia. “A nova estrutura está adequada ao nosso compromisso da gestão, com foco na eficiência, no respeito aos cidadãos e na gestão técnica. Sendo assim, os gerentes seguem o perfil técnico e as decisões serão tomadas de forma isonômica, priorizando a necessidade do sistema elétrico, da sociedade e as exigências da ANEEL. Juntos, trabalhando para uma Celesc pública, com a importante missão de prestar serviço aos catarinenses”, reforçou o presidente Poleto.

Conheça a nova estrutura dos núcleos e unidades. Cada gestor contará com um técnico estadual na sede. 

Informações adicionais para a imprensa
Márcia Carvalho e Ana Carolina Dall'Agnol 
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina - Celesc 
E-mail: comunica@celesc.com.br
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

Nos últimos dias, a Celesc tem recebido muitas manifestações da população a respeito do aumento e vem mais uma vez informar que o aumento na conta de luz se deve, basicamente, ao maior consumo de energia registrado no período de leitura do consumo em cada unidade consumidora.

Esse avanço é confirmado, inclusive, pelos elevados índices na demanda de energia registrados pela Celesc nas últimas semanas. Desde dezembro, o recorde foi batido três vezes, em três dias seguidos – 15 de janeiro (4.875MW), 16 de janeiro (4.989,82 MW) e 17 de janeiro (5.030MW). O último recorde havia sido registrado em 12 de dezembro passado: 4.826MW.

A Empresa reitera que a tarifa de energia elétrica não é corrigida desde agosto de 2018, data do reajuste anual das tarifas da Celesc Distribuição, e orienta que os clientes confiram atentamente o histórico de consumo e o período de apuração da leitura na fatura recebida.

“Quando for avaliar a variação de consumo, o cliente deve, inclusive, comparar a leitura atual no medidor do seu imóvel com a leitura apresentada na fatura: a diferença entre os números indica o quanto já foi consumido de energia em kWh desde que o leiturista passou pelo seu imóvel”, destaca o gerente do Departamento de Regulação, Vânio Moritz.

Nesse contexto, porém, é importante que o consumidor esteja ciente do impacto dos tributos cobrados junto com a sua conta de luz e que (esses sim!) podem variar mensalmente ou conforme a faixa de consumo, que o caso do ICMS, Cofins, PIS e Cosip. O ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) é um tributo estadual e varia conforme a classe de consumo:

Baixa Renda – isento
Residencial – até 150kWh de consumo a alíquota é de 12%.
Para o volume consumido acima dessa faixa, a alíquota passa para 25%.
Rural – até 500kWh de consumo, a alíquota é de 12%.
Para o volume consumido acima dessa faixa, a alíquota passa para 25%.
Demais classes (industrial, serviços, iluminação pública, comercial e outros): alíquota única de 25%.

O PIS e Cofins, repassados ao Governo Federal, contribuem para a manutenção do sistema de seguridade social (Cofins) e para financiar o pagamento do seguro desemprego e do abono salarial (PIS) para quem recebe remuneração mensal de até dois salários mínimos. Eles variam mensalmente conforme a composição das receitas e despesas da concessionária, que estão diretamente associadas à sua atividade fim, que é a distribuição de energia elétrica. A metodologia de cálculo da alíquota é determinada por norma estabelecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A cobrança da COSIP (Contribuição para o Custeio de Serviços de Iluminação Pública) depende da legislação de cada município. Na área de concessão da Celesc, há municípios que cobram a COSIP por faixa de consumo e outros pela testada do terreno (largura do terreno).

Todos os tributos são cobrados na conta de luz e repassados pela Celesc para quem de direito. “Em sua conta, o consumidor paga os custos referentes aos serviços de geração, transmissão e distribuição de energia, além dos tributos e encargos setoriais. A parcela que fica com a Celesc é de apenas 13,8% do total para garantir o custeio dos investimentos necessários e custo operacional”, destaca Moritz.

ORIENTAÇÕES

Ao receber sua fatura, é de fundamental importância que o consumidor avalie o histórico do consumo e o período de leitura. Essas informações são básicas para que ele verifique se o seu consumo efetivamente cresceu e se, no período de leitura, ele fez uso de energia elétrica.

Moritz lembra que alguns consumidores reclamam que ficaram fora de casa por dias ou que estiveram de férias em dezembro e que, por isso, não poderia haver a alta do consumo. “Ao observar o período de leitura, ele vai poder certificar se os dias que esteve fora efetivamente estavam dentro do período que o seu consumo foi lido”.

Além desses aspectos, o consumidor também precisa ficar atento para o impacto do uso dos principais equipamentos elétricos na sua conta de luz. A tabela abaixo apresenta o desempenho de uma lista de aparelhos utilizados no dia a dia e que fazem a diferença no fim do mês:

ENTENDA SUA CONTA DE ENERGIA

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) disponibilizou uma ferramenta interativa para você entender tudo o que paga na sua fatura de energia mensal.  Acesse www.siase.org.br/EntendaSuaConta e insira seus dados: Estado (SC), Distribuidora (Celesc-Dis), bandeira vigente (verde) e seu consumo do mês (valor em kWh). Veja como ficou a simulação de uma pessoa que consumiu 457 kWh.

Na própria ferramenta, consta a explicação de que os valores apresentados na simulação refletem com boa precisão a fatura paga pelo consumidor, mas não é o cálculo exato. Cobrança da COSIP (Contribuição para o Custeio de Serviços de Iluminação Pública) não é considerada, pois varia de acordo com o município. As alíquotas de PIS e COFINS são médias estimadas, pois variam mensalmente com o volume de créditos apurados pelas distribuidoras.

Para o cálculo, a ferramenta aplica a tarifa convencional da classe Residencial. O valor da bandeira pode diferir com a da fatura se a cor da bandeira alterar de um mês para outro. Além disso, não é considerado o valor mínimo faturável, correspondente ao custo de disponibilidade do sistema elétrico.

Em relação às manifestações de consumidores sobre a fatura de energia emitida neste mês de janeiro/2019, a Celesc informa que não houve cobrança adicional ou erro no processamento de dados no faturamento da Empresa.

O aumento na conta de luz para muitos clientes se deve, em grande parte, ao maior consumo de energia registrado nos últimos meses, especialmente pelo uso de equipamentos elétricos, como ar-condicionado e motor de piscina, em períodos de temperatura elevada.

Esse avanço é confirmado, inclusive, pelos elevados índices na demanda de energia registrados pela Celesc nas últimas semanas. Só neste mês de janeiro, o recorde foi batido três vezes seguidos – 15 de janeiro (4.875MW), 16 de janeiro (4.989,82 MW) e 17 de janeiro (5.030MW).

A Celesc reitera que a tarifa de energia elétrica da companhia não é reajustada desde agosto/2018 e orienta que os clientes confiram atentamente o histórico de consumo e o período de apuração da leitura na fatura recebida. Quando se trata de variação de consumo, o cliente pode comparar a leitura atual no medidor do seu imóvel com a leitura apresentada na fatura - a diferença entre os números indica o quanto já foi consumido de energia em kWh no período.

Em caso de dúvidas, os clientes podem entrar em contato com o departamento comercial da Celesc nas lojas de atendimento presencial ou pelo 0800 48 0120.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. - Celesc 
E-mail: comunica@celesc.com.br
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

 

Foto: Jeferson Baldo/Secom

Responsável pelo 7º maior volume de consumo no país e pela melhoria contínua dos indicadores de continuidade e qualidade do serviço, a Celesc manteve os investimentos no sistema elétrico em 2018. Até setembro, o montante aplicado em distribuição de energia chegava a R$344,8 milhões, volume 5% maior que no mesmo período de 2017.

Os investimentos alcançam todas as regiões do estado, com destaque para construção de novas subestações e linhas de transmissão, que são obras estruturantes para o sistema. Entre elas, ênfase para a energização da Subestação (SE) Maravilha, com capacidade instalada inicial de 26,67 MVA, e a Linha de Transmissão Chapecó, com 45 Km de extensão e 138 kV de tensão, na região Oeste.

Na Grande Florianópolis, onde foram inauguradas recentemente as subestações de Ingleses e Pinheira, a Celesc dá início à construção de uma nova subestação em Capoeiras (com capacidade instalada inicial de 40MVA), que irá reforçar o sistema elétrico da região continental, atualmente atendida pelas SEs Roçado e Coqueiros, e que deverá estar pronta no segundo semestre do próximo ano. Além disso, em agosto foi concluído o recondutoramento da Linha de Transmissão LT 138 kV Trindade – Desterro. A obra aumentou a capacidade instalada de 160 MVA para 252 MVA e trouxe benefícios a todo o sistema elétrico da Ilha, aumentando a qualidade e a confiabilidade no fornecimento para mais de 209 mil unidades consumidoras.

No Sul, foi finalizada a construção da Subestação Sangão (com capacidade instalada inicial de 26,67MVA), que ampliou em cerca de 160% a quantidade de energia disponível para os municípios de Sangão e Jaguaruna. As obras incluem, ainda, uma segunda linha de transmissão para conectar a nova unidade à Subestação Tubarão, com cabos de maior capacidade, prevista para ser concluída em 2019. Em breve, os moradores de São João do Sul, Passo de Torres e Praia Grande também serão beneficiados com uma nova linha de transmissão (LT) de 69kV, que terá 20,6 quilômetros de extensão, entre os municípios de Sombrio e São João do Sul. A obra beneficia as 15,5 mil unidades consumidoras atendidas pela cooperativa Ceprag e proporcionará energia de qualidade para sustentar o crescimento da região.

No Norte, também teve início a construção da Subestação Araquari Corveta (com capacidade instalada inicial de 26,67MVA), que atenderá a forte expansão industrial do município e irá dobrar a capacidade de atendimento ao mais novo polo industrial de Santa Catarina e, ainda, da Subestação Canoinhas Rio da Areia (com capacidade instalada inicial de 9,4MVA), que reforçará a qualidade do atendimento para os fumicultores da região.

Já no Litoral, a Celesc também inaugurou a Subestação Bombinhas, com capacidade instalada inicial de 3x9,4MVA, e foram iniciadas as obras da Subestação Brusque São Pedro, que terá capacidade inicial de 26,67MVA. No Vale do Itajaí, foram ampliadas as Subestações Camboriú, que agora opera com 138kV, e a Subestação de Porto Belo, que ganhou um novo do transformador de 26,67MVA.

Na última sexta-feira, 21 de dezembro, em seu último dia após oito anos à frente da Celesc, Cleverson Siewert e o novo presidente da holding catarinense, Cleicio Poleto Martins, receberam do presidente do Instituto do Meio Ambiente (IMA) de Santa Catarina o licenciamento ambiental que autoriza a construção da Subestação Siderópolis (525/230kV). A obra integra o trecho conquistado pelo Consórcio Alicança, formado pela estatal e pela EDP Brasil, no leilão realizado pela Aneel em abril de 2017. O pacote, que tem orçamento total de R$ 1,2 bilhão, inclui a construção de cinco trechos de linhas de transmissão de energia com mais de 480 quilômetros de extensão.

Tais investimentos têm reflexo na melhoria em todos os indicadores de avaliação dos serviços prestados. Até setembro, o DEC (que mede o tempo médio que cada consumidor ficou sem luz) foi de 7,43 horas. O desempenho traduz melhoria de 19% em relação ao registrado no mesmo período do ano anterior. Enquanto isso, o FEC (que mede o número médio de vezes que os consumidores ficaram sem energia elétrica) somou 5,13 vezes, desempenho 16,7% melhor que o aferido nos primeiros nove meses de 2017.  “Isso demonstra que nosso sistema está mais robusto, nossa estratégia de investimento está adequada e nossas equipes mais preparadas”, pontua o presidente da Celesc, Cleverson Siewert.

Investimentos diversos

A melhoria dos indicadores também está associada a investimentos no reforço de pessoal na linha de frente, automação de processos, adoção de novas tecnologias, instalação de mais redes protegidas, incremento de recursos para poda e roçada, manutenção preventiva e renovação da frota da Empresa. Somente em 2018, a Celesc contratou 101 novos eletricistas e 107 novos atendentes comerciais que reforçaram o atendimento em todas as regiões do estado. Dando continuidade à sua política de Renovação de Frota, até o momento a Empresa investiu cerca de R$ 3,3 milhões, valor que, até o fim do ano, deve chegar a R$ 9,1 milhões.

Em janeiro foram adquiridos 18 caminhonetes 4x4 cabine dupla, 76 caminhonetes 4X4 equipadas com cesto aéreo, 20 cabines duplas, um caminhão com guindaste, 58 picapes, 164 automóveis modelo hatch e 26 sedan. Em setembro foram entregues outras 20 caminhonetes equipadas com cesta aérea, em outubro mais 24 e em dezembro serão 11 veículos do tipo.  “A medida visa tornar o trabalho das equipes mais seguro, ágil e econômico. Com as aquisições, a vida média da frota da Empresa passou de sete anos, em 2011, para três anos”, destaca Siewert.

Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)

Outro grande passo foi a assinatura, no fim de outubro, em Brasília, do contrato junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para a aquisição de um financiamento de US$276 milhões, conquista comemorada por diretores, empregados e acionistas da Empresa. Tal recurso é parte do valor total buscado pela Celesc no mercado, de US$ 345 milhões, que irá custear 60% das obras para a construção e melhoria do sistema elétrico catarinense entre 2018 e 2022, o que representará um ganho operacional de 20% no estado.  O dinheiro será aplicado na construção de 20 novas subestações e na ampliação de 31 existentes, assim como na instalação de 342 quilômetros de novas linhas de distribuição e na aquisição de equipamentos, materiais e recursos para áreas de automação e TI.

A proposta do BID inclui condições absolutamente diferenciadas e que permitirão uma maior oferta de energia para toda Santa Catarina. A negociação se justifica, principalmente, por oferecer 25 anos para o pagamento, sendo cinco de carência, além de juros na ordem de 4% ao ano, enquanto bancos nacionais cobram taxas 400% maiores, em média.

Mais geração e transmissão

Após conquistar a retomada da concessão das usinas Palmeiras, Rio dos Cedros, Salto, Garcia e Pery, a Celesc realiza novos investimentos na área de transmissão. Este ano, foi energizada a Usina Garça Branca (com 6.500 kW de capacidade instalada e energia assegurada de 3,4 MW), entre os municípios de Guaraciaba e Anchieta, da qual a Empresa detém participação acionária de 49%.

Nesta área, a Celesc se associou à empresa EDP do Brasil para a construção cinco novas linhas de transmissão e de uma nova subestação 525/230kV em Siderópolis. Com mais de 400 quilômetros de extensão, as linhas passarão por 28 cidades entre o Oeste e Sul. O empreendimento representa investimento de R$ 1,2 bilhão e visa expandir o sistema elétrico de alta tensão no estado, reduzindo o uso da energia produzida pela Usina Termelétrica Jorge Lacerda, no Sul do estado, mais onerosa para o consumidor final.

Inovação e Eficiência

Confirmando seu DNA inovador, no fim de setembro a Celesc e o Governo do Estado apresentaram o maior investimento realizado em inovação: um pacote de 29 projetos aprovados em chamada pública para as áreas de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) e de Eficiência Energética (PEE), com aporte de R$ 96 milhões. “Os recursos devem ser aplicados, nos próximos quatro anos, em propostas capitaneadas por instâncias públicas e privadas, com objetivo de produzir tecnologia de ponta, gerar empregos e movimentar a economia catarinense”, conta Siewert.

Na área de P&D, por exemplo, serão desenvolvidos projetos para mobilidade elétrica, internet das coisas, robótica, segurança do trabalho e outros domínios, como um aerogerador de grande porte, produzido em parceria com as multinacionais catarinenses Engie e WEG. Já entre as propostas que estimulam o uso adequado da energia elétrica está a eficientização energética (através da geração distribuída) de instituições como o Hospital Bethesda, em Joinville, e da iluminação pública de municípios do estado.

Atendimento ao cliente

A Celesc persegue o objetivo de prestar um atendimento cada vez mais adequado a todos os seus clientes. Por isso, investimento é contínuo em projetos que possam estreitar e melhorar essa relação. Além das 261 lojas de atendimento presencial em todo o estado, estão os canais virtuais. Nas lojas com maior movimento, por exemplo, é possível ser atendido por meio dos painéis de autoatendimento, que dão acesso direto à agência web. Com mais de 350 mil acessos por mês, a Agência Web é o canal mais utilizado para solucionar demandas e disponibiliza 90% dos serviços comerciais prestados pela Celesc. 

Mas a evolução não para por aí. A Celesc também investe em tecnologias como o vídeo-atendimento. Na opção, que está sendo disponibilizada inicialmente nas lojas de maior movimento, o atendente conversa com o cliente a partir de um monitor de vídeo instalado na própria loja. Desta forma, ele acolhe as demandas, que são processadas da mesma forma que ocorre presencialmente.

Outra modernização nesta área é o aplicativo da Empresa, disponível para IOS e Android. A tecnologia já é responsável por mais de 30 mil acessos mensais e dá acesso a serviços como segunda via da fatura, histórico de consumo, relato falta de energia, desligamentos programados, religação, entre outros. Com toda esta gama de opções, atualmente 65% do atendimento é feito por meio digital.

Já via SMS são enviadas mensagens automáticas aos consumidores para informá-los sobre falta e retorno de energia elétrica, avisos de desligamentos programados e faturamento final. Por outro lado, os clientes podem informar Empresa sobre a falta de energia através da mensagem “sem luz + UC” e solicitar o código de barras da fatura através da mensagem “2via + UC”. Ex: sem luz 123456 e 2via 123456.

A grande novidade, contudo, está em processo de desenvolvimento — com previsão para ser lançada em 2019: o Chatbot. Nele, um programa de computador realiza o atendimento de consumidores por meio de uma ferramenta de bate-papo. Caso o computador não consiga resolver determinada demanda, o atendimento é encaminhado para a equipe de atendimento humanizado, que atualmente realiza mais de 7 mil atendimentos por mês.

Redes Sociais

De forma complementar, as redes sociais nos ajudam a levar a realidade diária da Celesc até a população. As páginas de Facebook e Twitter da Companhia compartilham notícias, dicas sobre segurança elétrica e economia de energia, informam sobre ocorrências no sistema elétrico em tempo real e interagem com os consumidores de forma individual e personalizada, orientando e direcionando o melhor caminho para a solução de dúvidas ou problemas.

Reconhecimentos

Outro reflexo dos investimentos realizados e do desempenho conquistado pela Celesc são os reconhecimentos que a Empresa vem recebendo do Setor Elétrico e também da sociedade. Prova disso foi a conquista, pelo segundo ano consecutivo, do 1º lugar no ranking da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) em qualidade do atendimento telefônico, entre as distribuidoras que atendem mais de 500 mil unidades consumidoras. Com Indicador de Nível de Serviço (INS) — que é o percentual de chamadas atendidas em até 30 segundos em relação ao total de chamadas recebidas nos períodos típicos — de 97,80%, em relação à meta estabelecida pela agência reguladora, que é de no mínimo 85%.

A distribuidora catarinense também foi classificada como a 11ª melhor do país, entre 32 empresas participantes na categoria acima de 500 mil consumidores, na 20ª Edição do Prêmio Abradee (Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica).

Em setembro, o projeto Banho de Energia — desenvolvido pelo Programa de Eficiência Energética Celesc/ANEEL na região serrana — foi um dos vencedores do 25º Prêmio Expressão de Ecologia. Ao receber o Troféu Onda Verde, durante o Fórum de Gestão Sustentável de 2018, na sede da FIESC, Cleverson Siewert afirmou que “ser uma empresa cidadã é exercitar o conceito de sustentabilidade. A Celesc faz isso por meio do uso eficiente e seguro da energia, priorizando o conforto e a qualidade de vida de seus clientes, o desenvolvimento econômico de Santa Catarina e o respeito permanente ao meio ambiente”. Em duas edições foram investidos R$ 12,8 milhões no programa, que proporcionou uma economia de energia superior aos 1.500 MWh/ano, equivalente ao consumo de 7 mil residências por mês.

No mesmo mês, o Prêmio CIER de Qualidade – Satisfação de Clientes 2018 anunciou a Celesc como a 2ª melhor colocada em pesquisa que mediu a satisfação dos clientes entre empresas de toda a América Latina, com mais de 500 mil consumidores. A avaliação anual, realizada pela Comissão de Integração Energética Regional (CIER), considerou 53 concessionárias de 14 países associados, em premiação que ocorreu durante a 53ª Reunião dos Altos Executivos do CIER (ERA), em Buenos Aires, na Argentina.

Em novembro, o Projeto Eletropostos — desenvolvido pela Celesc em parceria com a Fundação Certi — venceu o 20º Prêmio Fritz Müller, principal reconhecimento ambiental do estado, concedido pelo Instituto do Meio ambiente de Santa Catarina (IMA). O projeto tem por objetivo avaliar os impactos do abastecimento de veículos elétricos no sistema de energia catarinense. “Este é um dos maiores trechos cobertos por abastecimento 100% elétrico já em operação no Brasil” afirma Cleverson.

Por fim, em dezembro, a Celesc conquistou ainda o Prêmio Inovação e Empreendedorismo no Ecossistema de Florianópolis, promovido pela Fundação CERTI, pelo Projeto Celesc/FlexSolar - Painéis Solares OPV, destinado ao desenvolvimento de produto e processo industrial de nova geração de painéis fotovoltaicos orgânicos OPV. A Companhia também foi certificada como Empresa Cidadã por sua participação no Programa Novos Caminhos, promovido pelo TJSC, e que tem a Fiesc como um dos seus apoiadores. Desde 2013, o programa estimula a capacitação de adolescentes com mais de 14 anos que se encontram ou passaram por medida de proteção e acolhimento. Somente em 2018, 303 jovens participaram projeto em atividades de aprendizagem, qualificação profissional e emprego efetivo.

Além disso, a mais tradicional, abrangente e respeitada análise corporativa realizada no Brasil, o Guia Exame de Sustentabilidade 2018, reconheceu no segmento Energia a Celesc como empresa que investe em sustentabilidade por meio de suas áreas de Eficiência Energética e de Responsabilidade Socioambiental. O Guia enfoca três grandes projetos: o Bônus Eficiente Linha Fotovoltaica (instalação de sistemas fotovoltaicos para microgeração em unidades residenciais); o Banho de Energia (que aproveita o calor das chaminés de fogão a lenha para aquecimento de água para chuveiro e torneiras, gerando economia na conta de luz em residências na região serrana); e o curso gratuito de eletricista predial (realizado em parceria com FIESC/Senai, que capacitou jovens em situação de vulnerabilidade social, mulheres, consumidores de baixa renda e egressos do sistema penitenciário).

Para Siewert, é preciso destacar as conquistas obtidas e reforçar que a sustentabilidade empresarial da Celesc está associada ao esforço permanente pela melhoria contínua, pela adequação de custos e pelo atendimento aos preceitos regulatórios que são vistos como propósito corporativo. “Somos agentes de desenvolvimento e devemos contribuir para Santa Catarina permanecer como um dos estados com os melhores índices de qualidade de vida do país. Muito ainda tem de ser feito, mas com trabalho e com o apoio do Governo do Estado, nosso acionista majoritário, da diretoria e dos empregados da Celesc será possível vencer obstáculos e perseguir resultados ainda melhores”, finaliza.

Informações adicionais para a imprensa
Assessoria de Imprensa 
Centrais Elétricas de Santa Catarina - Celesc 
E-mail: comunica@celesc.com.br
Atendimento 24h: 0800-480120
Site: www.celesc.com.br

Biblioteca Central, que funciona no Bairro Itacorubi, na Capital, agora tem lâmpadas LED - Foto: Secom Udesc

Até 2019, será concluída a implantação de uma série de melhorias de eficiência energética na sede do Campus I da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), no Bairro Itacorubi, em Florianópolis. As mudanças foram viabilizadas com recursos financeiros de R$ 940 mil do Programa de Eficiência Energética das Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) e estão sendo executadas pela empresa Quantum Engenharia, com a qual a Udesc firmou contrato em setembro.

Foto: Jeferson Baldo/Secom

O governador Eduardo Pinho Moreira e o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, apresentaram na manhã desta segunda-feira, 3, os novos projetos de eficiência energética e chamada pública da companhia. Os investimentos chegam a R$ 35 milhões e estimulam o uso racional da energia elétrica. As novas edições dos projetos Banho de Energia, Energia do Bem e Bônus Eficiente visam combater o desperdício de energia em residências por meio da substituição de eletrodomésticos antigos por novos ou com a instalação de sistemas de reaproveitamento energético.

No mesmo ato, a Celesc destinou recursos do Bônus Eficiente para três instituições sociais: Associação Catarinense de Autismo (ASCA); Associação de Síndrome de Down, de Joinville; Asilo São Vicente de Paulo, de Criciúma. A estimativa é que cada entidade receba aproximadamente R$ 100 mil.

Eduardo Pinho Moreira afirmou que a Celesc tem um desempenho de excelência como órgão regulador que é e de contribuição social. “Ao longo do tempo, a Empresa tem ajudado muitas instituições filantrópicas que prestam assistência social trazendo benefícios às pessoas mais carentes do nosso Estado. É uma iniciativa que a presidência e a diretoria da Celesc realiza todos os anos com grande satisfação, conscientes de que uma empresa pública precisa desempenhar um trabalho social de qualidade”, destacou Eduardo Moreira.

Os projetos Banho de Energia 3, Energia do Bem 5 e Bônus Eficiente 5 vão beneficiar aproximadamente 77,5 mil pessoas com a instalação de sistemas trocadores de calor para chuveiros elétricos e fogões à lenha; troca de refrigeradores, freezers e ares condicionados antigos por novos com selo Procel; e a substituição de lâmpadas ineficientes por lâmpadas bulbo de LED.

Para os projetos, serão destinados um total de R$ 25,5 milhões. Além deles, a Celesc também está lançando nova Chamada Pública para a seleção de projetos requisitados pelos próprios consumidores. Para a Chamada, serão investidos outros R$ 9,5 milhões.

>>>Confira mais imagens na galeria de fotos

Conheça os programas

Banho de Energia 3

- Objetivo: Instalação de 700 sistemas de trocador de calor para fogão à lenha, instalação de 3,4 mil trocadores de calor para chuveiro elétrico e substituição de 30,7 mil lâmpadas ineficientes por lâmpadas bulbo de LED.
- Investimento: R$ 9.504.467,50
- Beneficiados: 4,1 mil famílias do meio rural e baixa renda - aproximadamente 16 mil pessoas.
- Municípios participantes: Abdon Batista, Anita Garibaldi, Correia Pinto, Lages, Otacílio Costa, Ponte Alta e São Cristóvão do Sul
- Definição dos municípios: planalto serrano, devido à utilização do fogão a lenha e por atingir baixas temperaturas em determinadas épocas do ano

Energia do Bem 5

- Objetivo: Substituição de 42.800 lâmpadas fluorescentes compactas ou incandescentes por lâmpadas bulbo LED. Troca de 1,4 mil refrigeradores antigos por novos com selo Procel e instalação de 3.450 trocadores de calor para chuveiro.
- Investimento R$ 6.960.800,00
- Beneficiados: 8,5 mil famílias poderão participar do projeto - aproximadamente 34 mil pessoas.
- Municípios participantes: Será atendida a região litorânea, com prioridade para locais com os maiores índices de perdas não técnicas nas regiões de Joinville, Itajaí, Criciúma e Florianópolis.

Bônus Eficiente 5

- Objetivo: Subsídio de 50% para a troca de 6.850 eletrodomésticos (3.500 refrigeradores, 1.500 freezers e 1.850 aparelhos de ar condicionado) antigos por equipamentos novos com Selo Procel
- Investimento R$ 9,0 milhões
- Benefício para 6.850 famílias, em toda área de concessão, aproximadamente 27,4 mil pessoas
- Bônus de 50% para troca de refrigeradores, freezers, condicionadores de ar e lâmpadas

Um dos benefícios proporcionados pelos projetos Bônus Eficiente está a doação para instituições filantrópicas. Desde 2012, foram doados mais de R$ 4 milhões para instituições assistenciais como apaes, creches e hospitais. Ao todo, 31 instituições já receberam esse apoio.

Chamada pública

Nesse processo, pode participar qualquer consumidor da Celesc, inscrito no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, ou seja, com CNPJ. Para tal, o cliente deverá apresentar para a Celesc um projeto para redução do consumo de energia, conforme as regras estabelecidas no Edital e definidas pela ANEEL.

Ao todo serão destinados R$ 9,5 milhões para a execução desses projetos, sendo R$ 2,5 milhões destinados exclusivamente para ações de incentivo à Eficiência Energética com a inserção de geração por fontes incentivadas (fotovoltaica, eólica) em Hospitais Públicos e Filantrópicos.

As chamadas públicas são realizadas pela Celesc desde 1999. Em 2014, essa boa prática tornou-se obrigatória para todas as distribuidoras de energia do País, com regimento estabelecido pela própria Agência e nesse período (últimos quatro anos), 37 projetos foram aprovados pela Celesc, com investimento de mais de R$ 50 milhões, em benefício de universidades, prefeituras, hospitais, indústrias, prédios públicos.

“Desde 2011, por orientação do Governo do Estado, tomamos a decisão de executar projetos sempre visando a democratização do uso dos recursos energéticos, a ideia principal é que esses projetos possam ser sentidos e aproveitados pela maior quantidade possível de pessoas e em áreas de maior necessidade”, enfatizou o presidente da Celesc, Cleverson Siewert.

Convênio com a Acaert

Ainda na manhã desta segunda-feira, 3, na presidência da Celesc, o governador Eduardo Pinho Moreira e o secretário de Estado da Comunicação, Gonzalo Pereira, acompanharam o ato que renova o convênio entre a Companhia e a Associação Catarinense das Emissoras de Radio e Televisão (Acaert) com o objetivo de divulgar eventos programáticos da Empresa, desligamentos para a realização de obras e informações como dicas de segurança para a sociedade. “É fundamental uma parceria onde se facilita a comunicação do Governo com o cidadão”, frisou o governador.


Foto: Jeferson Baldo/Secom

O secretário reforça a importância da comunicação para que a informação e os serviços públicos cheguem a todos os catarinenses, especialmente pela mídia regional. “É um importantíssimo instrumento não só para as instituições que celebram o convênio, mas para a sociedade que recebe a informação com credibilidade e em tempo adequado”, observa Gonzalo Pereira.

Durante a assinatura do convênio, o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, recebeu da Acaert uma placa de homenagem em reconhecimento à trajetória profissional, especialmente na vida pública.

>>>Confira mais imagens na galeria de fotos

Foto: Jeferson Baldo/Secom

Obras que vão oportunizar novos investimentos e mais qualidade de vida a moradores de São João do Sul, no Extremo-Sul de Santa Catarina. O governador Eduardo Pinho Moreira entregou, na manhã deste sábado, 1 de dezembro, a pavimentação da SJS-150, com pouco mais de um quilômetro e as obras na subestação ligada ao sistema da Celesc garantindo energia em maior quantidade e qualidade para sustentar o desenvolvimento de pelo menos três municípios: Passo de Torres e Praia Grande, além de São João do Sul.

O primeiro ato no município de São João do Sul foi o descerramento simbólico da placa inaugural da rodovia municipal SJS-150, ligando a área central do município até a comunidade São José. O investimento, via Fundo Social, é de mais de R$ 1 milhão. “ É mais conforto e segurança para os moradores que dependem do trajeto para acessar o comércio, serviços de saúde, escola e outras atividades”, enfatizou o governador.

Subestação para melhorar distribuição de energia elétrica

Ainda em São João do Sul, o governador Eduardo Pinho Moreira inaugurou obras da subestação que vai garantir melhorias no abastecimento de energia em municípios do Extremo-Sul. O Governo do Estado investiu, por meio da Celesc, mais de R$ 14 milhões na construção da estrutura que vai permitir conectar a subestação da Cooperativa de Eletricidade Praia Grande (CEPRAG) ao sistema da Companhia. “Significa levar energia em qualidade e em quantidade para uma região que sofria constantes problemas de falta de energia. Sem esse insumo, empresas que poderiam se instalar aqui eram obrigadas a migrar para outros municípios. Que a energia traga o desenvolvimento da região”, discursou Moreira.

A nova subestação foi construída pela cooperativa Ceprag no município de São João do Sul, sendo que a Celesc trabalhou na conclusão da Linha de Transmissão (LT) que conecta a nova subestação ao sistema da Companhia. A LT, em tensão de 69 kV, tem 20,74 quilômetros de extensão, entre Sombrio e São João do Sul.

O trabalho envolveu também o chamado comissionamento da subestação, que envolve a análise de todos os equipamentos (painéis de proteção, disjuntor, chaves seccionadoras, transformador) e da infraestrutura instalada para a conexão da nova subestação ao seu sistema elétrico (postes, barramentos e sistema de aterramento). A conclusão se deu com a energização da linha de transmissão e do ponto de conexão com a nova subestação. 

Os moradores de São João do Sul, Passo de Torres e Praia Grande no Extremo Sul catarinense serão os principais beneficiados com a nova linha de transmissão.  A obra vai absorver as 15.500 unidades consumidoras atendidas pela cooperativa Ceprag, proporcionando energia de qualidade para sustentar o crescimento dos municípios da região ao longo dos próximos anos.

O governador Eduardo Pinho Moreira estará no Sul do Estado entre sexta-feira e sábado para participar das inaugurações de três obras nas cidades de Turvo, Criciúma e São João do Sul. O primeiro compromisso será em Turvo, a partir das 16h de sexta, 30, onde será inaugurada a 1ª etapa do Sistema de Esgotamento Sanitário da cidade. O investimento dessa parte da obras foi de R$ 4 milhões para a instalação de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), 9,6 km de rede coletora e 541 ligações domiciliares. O recurso veio da Fundação Nacional de Saúde, com uma contrapartida da prefeitura.

Já no sábado, 1 de dezembro, será a vez de o governador visitar Criciúma para entregar a reforma e ampliação do Hospital Materno-Infantil Santa Catarina, a partir das 10h. Nessa obra, que contempla Clínica da Mulher, Banco de Leite, Agência Transfusional e um Banco de Olhos para a região Sul, o investimento da Secretaria de Estado da Saúde foi de R$ 3,6 milhões. Com a ampliação, o número de leitos saltará dos atuais 39 para 111 e o valor mensal de custeio passará de R$ 1,2 milhão para R$ 3,2 milhões.

Também no sábado, ao meio-dia. Moreira vai a São João do Sul, no Extremo Sul. Por lá, ocorrerá a inauguração da nova subestação de energia elétrica da cidade e da linha de transmissão que conectará a estrutura ao sistema da Celesc. Nesse caso, o investimento do governo do Estado foi de R$ 14,2 milhões.

Serviço

1º evento

O quê? Inauguração da 1ª Etapa do Sistema de Esgotamento Sanitário de Turvo
Onde? Rua 304 – Santa Luzia, acesso na rodovia SC-28, Turvo
Quando? Dia 30/11, a partir das 16h

2º evento

O quê? Inauguração da reforma e ampliação do Hospital Materno-Infantil Santa Catarina
Onde? R. Venceslau Braz, 1015 - Operária Nova, Criciúma - SC,
Quando? Dia 01/12, a partir das 10h

3º evento

O quê? Inauguração da nova subestação de energia elétrica de São João do Sul
Onde? SC-290, km 03, São João do Sul
Quando? Dia 01/12, a partir das 12h