A Polícia Civil, na tarde dessa sexta-feira, 5, em uma operação conjunta entre as divisões DRACO e DENARC da DEIC, efetuou nova diligências ao Norte da Ilha, Capital, para dar continuidade ao trabalhos de combate às facções criminosas.


Fotos: Jeferson Baldo / GVG

O Governo do Estado implementou o uso estadual do aplicativo para smartphones e tablets PMSCMobile na solenidade para comemorar os 182 anos da Polícia Militar, onde o governador Raimundo Colombo foi representado pelo vice-governador Eduardo Moreira. O aplicativo será usado pelo policiamento motorizado ou a pé e contará ainda com um impressora térmica portátil. A expansão do seu uso na Corporação foi possível em razão do apoio do Tribunal de Justiça, do Ministério Público Estadual e do Fundo para Reconstituição de Bens Lesados, gerenciado pela Procuradoria-Geral de Justiça, que investiu mais de R$ 4 milhões na aquisição de equipamentos e aperfeiçoamento do aplicativo. 

A Polícia Civil, através da Delegacia de Homicídios, com apoio da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de São José, elucidou a chacina ocorrida na madrugada de 16 e 18 de abril deste ano, em que resultou em quatro mortos e dois feridos, na Vila União e dois mortos e um ferido na favela do Siri, no Norte da Ilha. Dos 12 homens que participaram do crime, dois foram presos na quinta-feira, 4, em cumprimento de mandado de prisão, nos bairros Serraria, em São José e Morte Cristo, na área continental, da Ilha.

Segundo o Delegado Eduardo Mattos, os presos (de 24 e 29 anos), possuem antecedentes criminais. “Inclusive, o preso, de 24, com passagem por porte ilegal de arma de fogo, estava usando uma tornozeleira eletrônica, no dia do crime. O outro acusado já possui antecedentes por tráfico de drogas”, explica.

Segundo o Delegado Mattos, foram 12 pessoas que participaram da chacina, sendo 10 identificados e destes quatro com mandados de prisão decretados, dois já foram cumpridos.

Entenda o Caso

Integrantes de uma facção criminosa invadiram a comunidade do Siri, portando fuzis e pistolas Glock, com seletor de rajada, efetuaram dezenas de disparos para o alto e em direção a casas de integrantes da outra facção, tirando a vida de duas pessoas e lesionando uma terceira.  Na Vila União resultou em quatro mortes e dois feridos.

Os crimes teriam ocorrido por um acerto de contas entre grupos rivais que disputam espaço do tráfico de drogas no Norte da Ilha.

Informações adicionais para a imprensa
Clarissa Margotti
Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-2313 / 99968-9600
Site: www.policiacivil.sc.gov.br




 

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Combate as Drogas (DECOD), em ação conjunta com a 10ª DP da Capital e policiais militares da Barra da Lagoa, localizou na noite desta quinta, 4, um laboratório de drogas sintéticas, no bairro Rio Vermelho, no Norte da Ilha, em Florianópolis. Um homem, de 32 anos, foi preso em flagrante.

De acordo com o Delegado Attílio Guaspari Filho, no decorrer do monitoramento e percebendo a movimentação de parte da associação criminosa, foi solicitado o apoio dos militares para que procedessem à abordagem do veículo que estava retirando parte do material ilícito. “Na abordagem, foram apreendidos cerca 5 mil comprimidos de ecstasy, três prensas industriais, pontos de LSD e matéria prima para a confecção da droga”, explica.

Segundo o Delegado, paralelamente era realizada a entrada no laboratório pelos policiais da DECOD. “No local foram apreendidos maconha, alguns comprimidos de ecstasy, matéria prima para confeccionar a droga, uma pistola 380, três carregadores, dinheiro, uma estufa para o plantio de maconha e produtos de origem duvidosa”, concluiu.

Informações adicionais para a imprensa
Clarissa Margotti
Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-2313 / 99968-9600
Site: www.policiacivil.sc.gov.br

 

 

 


Foto: Janaína Mônego/ADR Xanxerê

O Governo do Estado, por meio da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Xanxerê, investiu na reforma da Delegacia do município de Bom Jesus. A obra contemplou a troca da cobertura, substituição de toda parte elétrica, luminárias e fiação e ainda substituição do sistema hidro sanitário. Além disso, a reforma contou com pintura interna e externa, substituição do piso, construção do muro de contenção e readequação quanto a acessibilidade.

Nesta semana o secretário executivo Ademir Gasparini visitou a obra junto com o Delegado Regional de Polícia Civil, Albino Araújo, prefeito Rafael Calza e vice Vilmar Peccini.

O investimento pelo Fundo Social chegou aos R$ 100 mil e proporcionou o retorno das atividades da Polícia Civil e Militar naquele espaço, já que os profissionais da Polícia Militar estavam trabalhando provisoriamente em uma casa locada até a conclusão da obra. A demanda da Polícia Civil estava sendo atendida na Delegacia Regional de Xanxerê.

“Investir em segurança é investir em qualidade de vida para a população. É necessário também dar condições para que os nossos profissionais possam atuar e esta reforma vem ao encontro desta necessidade. A Polícia Civil, através do delegado Albino, e a Militar, através do comandante Vilte, realizam um excelente trabalho em Bom Jesus garantindo segurança a população”, explica o secretário executivo Ademir Gasparini.

O Delgado Regional Albino Araújo destacou que a reforma foi imprescindível para a continuidade dos trabalhos em segurança pública para o município. “Por ser um prédio com mais de 20 anos de uso começou haver infiltração de água. Agora com o Prédio revitalizado tenho certeza que por um longo período não mais precisamos nos preocupar com as instalações”, explica o Delegado. 

Para o prefeito Rafael Calza, a obra trouxe o retorno das atividades da Polícia Civil o que irá facilitar para a população de Bom Jesus o acesso a este serviço. “Nos preocupamos com a segurança da população e através da ADR nós conseguimos este recurso para que o local recebesse essa melhoria e por consequência condições para a prestação do serviço em segurança”, disse Rafael Calza.

Atualmente a Polícia Civil atua em Bom Jesus com uma escrivã e um agente que responde pela Delegacia. Já a Polícia Militar conta com cinco profissionais que atuam em regime de escalas.

Informação adicional para a imprensa: 

Janaína Mônego
Assessoria de Comunicação
Agência de Desenvolvimento Regional de Xanxerê
E-mail: sdr-xanxere@xxe.sdr.sc.gov.br
Fone: (49) 3382-2018 e (49) 9804-6060
Site: adrs.sc.gov.br/adrxanxere  


Foto: Divulgação/PC

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigação Criminal (DIC), em ação conjunta com a Central de Plantão Policial (CPP) de Araranguá e a Polícia Militar, descobriu um laboratório clandestino de fabricação de ecstasy, no final da tarde desta segunda-feira, 2, no bairro Jardim das Avenidas, em Araranguá. Dois homens, ambos com 26 anos, foram presos em flagrante.

O delegado Lucas Fernandes da Rosa, informou que policiais militares apresentaram na Central de Plantão Policial (CPP), um homem, de 26 anos, que havia recebido pelos correios, uma encomenda, que continha substância entorpecente. “Segundo os policiais, a encomenda teria sido entregue em uma lavação de veículos e a abordagem teria ocorrido, logo após os servidores dos correios terem deixado o produto”, explica.

Segundo o delegado, o conduzido foi interrogado e confessou que recebia aproximadamente três vezes por semana, encomendas do correio, que eram destinadas para seu patrão, dono da lavação. “No momento em que relatava essas informações, o patrão do suspeito ligou para ele e o interrogado afirmou que ele, estaria na lavação para buscar a droga”, afirma.

Em ato contínuo, policiais civis da DIC de Araranguá, CPP e policiais militares se deslocaram para a lavação e encontraram o outro acusado. “No local foi vistoriado o veículo do conduzido, sendo apreendido no forro da porta do veículo, comprimidos de ecstasy, munições calibre 32 e micropontos de LSD”, relata.

O delegado disse ainda, que o proprietário da lavação confessou que estava traficando ecstasy e que possuía um laboratório de fabricação clandestina em um de seus cômodos. “Nesse laboratório, localizado em sua residência, econtramos materiais para a fabricação da droga, insumos, maquinários e alguns comprimidos já prontos para venda”, concluiu.

Informações adicionais para a imprensa
Clarissa Margotti
Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
E-mail:imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-2313 / 99968-9600
Site:www.policiacivil.sc.gov.br

 

 


Foto: James Tavares / Secom

Os 950 novos soldados que serão incorporados ainda neste ano à Polícia Militar de Santa Catarina já estão em formação. São 866 homens e 84 mulheres, que se apresentaram para a chamada do último concurso público e começaram oficialmente nesta terça-feira, 2, em cerimônia em Florianópolis, a formação militar. 


Foto: James Tavares / Secom

A Polícia Civil, através da Divisão de Roubos e Antissequestro (DRAS/DEIC), em coletiva na manhã desta terça-feira, 2, em Florianópolis relatou, com detalhes, a extorsão mediante sequestro, da mulher que estava sendo mantida em cativeiro, desde a última quarta-feira, 26, em uma casa, no Bairro Cangaíba, na Zona Leste de São Paulo. A forma exigida no pagamento do resgate, que não chegou a ser realizado, foi em moedas virtuais (bitcons), conhecida por z-cash e monero, considerado inédito no mundo e audaciosa pelas autoridades policiais.

 De acordo com o delegado Anselmo Cruz, a investigação confrontou diversos dados até chegar à identificação de algumas pessoas, e resguardar a integridade física da vítima. “A forte indícios de participação de facção criminosa fora do Estado, caso de SP, com até 20 pessoas envolvidas, por trás dessa ação. É uma quadrilha baseada em SP, que escolheu essa vítima e vieram até aqui para executar esse crime”, garante o delegado.

"Felizmente tivemos um resultado garantido, resgate da vítima sem o pagamento. Estamos conseguindo manter esta média em SC. Neste caso, específico, foi inédito, devido à exigência de pagamento com este tipo de moeda digital (bitcons), onde eles pediam o pagamento nos dois tipos (z-cash e monero), com a impossibilidade de rastreamento. E neste caso, o pagamento seria instantâneo, onde os criminosos não precisariam se deslocar para receber o dinheiro ou levar em mãos. E envolvendo tecnologia, tem toda uma máscara digital, que faz com que não seja rastreado. É uma parte do crime que desaparece”, afirma.

O delegado Anselmo disse ainda que as quadrilhas geralmente atuam fora das divisas do Estado, como forma de dificultar a investigação, dificultar o trabalho de identificação.   

O marido da vítima e empresário na área de telecomunicações, com sede na África do Sul, iniciou a coletiva agradecendo aos policiais civis, pela dedicação dos que participaram da ação, e dizendo surpreendido com a audácia dos criminosos, ao pedirem o resgate de moedas digitais. “É uma tecnologia que aparentemente foi feita para nos resguardar, nos proteger, para que as pessoas não saibam sobre a nossa movimentação financeira e agora estão usando isso contra nós mesmos”, afirma.

O empresário relatou os momentos de angústia, na espera de notícias da esposa sequestrada, que chegou a ser questionada pelos bandidos, o que gostaria que fosse enviado como prova que estaria viva, o cabelo ou um dos dedos. “Primeiro contato pediram 240 mil, mas não especificaram em que moeda e de repente falaram em 240 mil z-cash, que são R$ 60 milhões de reais, mas isso não se movimenta no mundo inteiro. Eles não tinham noção do que estavam pedindo. Depois passaram e exigir 900 mil moneros, seria quase US$ 30 milhões de dólares. E foram baixando os preços, caíram na realidade e eu tendo que explicar pra eles o que era. Hoje é fácil converter moeda virtual em dinheiro porque existe demanda. A demanda brasileira é muito alta, mas não existe em abundância ainda no mercado”, relata.

O empresário disse também, que depois de conversar com mídias ao redor do mundo, especialistas em tecnologia afirmaram que essa ação criminosa foi a primeira vez que acontece no mundo. “Vemos sequestros de dados, sequestro de computadores e pediram justamente às duas que são irrastreáveis (Z-cash e o monero). Essa audácia felizmente não deu certo.

O empresário exaltou o excelente trabalho da Polícia Civil de Santa Catarina. “Muita gente ao redor do mundo elogiou o trabalho da polícia, como eles fizeram isso tão rápido e com tão pouca ferramenta conseguiram um trabalho tão bem feito. Desta vez a inteligência venceu a tecnologia”, concluiu a vítima.

Entenda o caso

São Paulo  - A Polícia Civil, através da Divisão de Roubos e Antissequestro (DRAS/DEIC), resgatou ao meio-dia de sábado, 29, uma vitima de extorsão mediante sequestro, que estava sendo mantida em cativeiro desde a última quarta-feira, 26, em uma casa, no Bairro Cangaíba, na Zona Leste de São Paulo. Uma pessoa foi presa.

A vítima, uma mulher de 32 anos, foi pega por seis pessoas em Florianópolis, na Lagoa da Conceição, e levada de carro até São Paulo. "Após, foram feitos diversos contatos nesses dias com o marido da vítima, exigindo inicialmente um resgate no valor de R$ 115 milhões de reais, que fossem pagos em moedas virtuais", explicou. 

Informações adicionais para a imprensa
Clarissa Margotti
Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
E-mail: imprensa@pc.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-2313 / 99968-9600
Site: www.policiacivil.sc.gov.br

Será realizada nesta terça-feira, 2, a partir da 14h, a cerimônia oficial de início do curso de formação de 950 soldados da Polícia Militar de Santa Catarina. São 866 homens e 84 mulheres que se apresentaram para a chamada do último concurso público.

A cerimônia será realizada no Centro de Treinamento da PM, na Avenida Madre Benvenuta, 265, Bairro Trindade, em Florianópolis, a patir das 14h, com a presença do governador Raimundo Colombo, do secretário de Estado da Segurança Pública, César Augusto Grubba, e do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Paulo Henrique Hemm.

O governador Raimundo Colombo destaca a importância do ato para a promoção da segurança em Santa Catarina. “São quase mil novos jovens que, a partir de agora, passarão por um treinamento para se habilitarem para a missão de servir à sociedade de uma forma muito nobre, às vezes colocando a própria vida em risco para garantir a segurança das pessoas. Ser policial é uma missão extraordinariamente forte, para pessoas que realmente tem um preparo muito especial”, avalia.

O comandante-geral da PM, coronel Paulo Henrique Hemm, explica que a partir desta terça-feira, os 950 alunos têm o ingresso como policiais militares e participarão de cerca de oito meses de curso. Durante o treinamento, eles serão distribuídos entre Florianópolis e quartéis de outras 15 cidades. Após a formação concluída, os novos profissionais serão efetivamente distribuídos de acordo com critérios técnicos, como aumento populacional de cada cidade, número de ocorrências locais e demandas reprimidas.

Informações adicionais para a imprensa:
Alexandre Lenzi
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: lenzi@secom.sc.gov.br
Telefone: (48) 3665-3018 / 98843-4350
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e  @GovSC

Na semana em que comemora 182 anos, a Polícia Militar de Santa Catarina ganha um reforço histórico de efetivo. Nesta terça-feira, 2, tem início o curso de formação dos 950 soldados, sendo 866 homens e 84 mulheres, que se apresentaram para a chamada do último concurso público.

A cerimônia será realizada no Centro de Treinamento da PM, na Avenida Madre Benvenuta, 265, Bairro Trindade, em Florianópolis, a patir das 14h, com a presença do governador Raimundo Colombo, do secretário de Estado da Segurança Pública, César Augusto Grubba, e do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Paulo Henrique Hemm. A semana será marcada, ainda, por outras festividades pelo aniversário da PM, celebrado oficialmente na sexta-feira, dia 5.

O governador destaca a importância do ato para a promoção da segurança em Santa Catarina. “São quase mil novos jovens que, a partir de agora, passarão por um treinamento para se habilitarem para a missão de servir à sociedade de uma forma muito nobre, às vezes colocando a própria vida em risco para garantir a segurança das pessoas. Ser policial é uma missão extraordinariamente forte, para pessoas que realmente tem um preparo muito especial”, avalia.

Colombo afirma, ainda, que juntamente ao reforço do efetivo, o Governo de Santa Catarina continuará com investimentos em infraestrutura, renovação de frota e equipamentos e aprimoramento de tecnologia. “Estamos vendo os indicadores de violência aumentando e o crime organizado tentando desafiar a sociedade. Mas a mão do estado tem que ser forte, firme, para garantir a segurança dos catarinenses. Tenho certeza de que com essa ação, Santa Catarina fica ainda mais forte”, acrescenta.

O comandante-geral da PM, coronel Paulo Henrique Hemm, lembra que esse será um ato que entrará para a história da corporação. “Essa formação representará um aumento expressivo do nosso efetivo policial, com o objetivo maior de dar segurança para a comunidade catarinense. É um marco considerável, porque durante nossos 182 anos, nós nunca tivemos um ingresso de policial tão expressivo como estamos tendo no atual governo”, afirma.

O comandante explica que a partir desta terça-feira, os 950 alunos têm o ingresso como policiais militares e participarão de cerca de oito meses de curso. Durante o treinamento, eles serão distribuídos entre Florianópolis e quartéis de outras 15 cidades. Após a formação concluída, os novos profissionais serão efetivamente distribuídos de acordo com critérios técnicos, como aumento populacional de cada cidade, número de ocorrências locais e demandas reprimidas.

O salário inicial do policial militar em Santa Catarina é de R$ 4.845,82. O impacto dos novos convocados será de cerca de R$ 5,2 milhões por mês na folha de pagamento, um total de R$ 70 milhões por ano, considerando 13º salário e férias.

O secretário César Augusto Grubba destaca que, sem contar os novos policiais que estão em formação a partir de agora, Santa Catarina já recebeu, desde 2011, 6.798 novos servidores na área da segurança pública, entre policiais militares, civis, bombeiros, peritos e auxiliares criminalísticos. “É um alento para a segurança, um ganho de fundamental importância para a política de recomposição permanente dos efetivos nas forças de segurança”, destaca. O secretário ressalta, ainda, que exclusivamente na Polícia Militar, 50% do atual efetivo ativo ingressou na atual administração.

Informações adicionais para a imprensa:
Alexandre Lenzi
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: lenzi@secom.sc.gov.br
Telefone: (48) 3665-3018 / 98843-4350
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e  @GovSC