O secretário de Estado da Segurança Pública, César Augusto Grubba, recebeu em audiência na manhã desta quinta-feira, 9, comitiva  de Jaraguá do Sul liderada pelo titular da Agência de Desenvolvimento Regional, Leonel Pradi Floriano, oportunidade em que foi apresentada uma série de demandas para o município. Dentre elas, destaque para obras como o novo Complexo de Segurança de Jaraguá do Sul, conclusão do quartel da Polícia Militar e Delegacia da Polícia Civil de Massaranduba, além de reforço no efetivo policial e ampliação do sistema de videomonitoramento.

DSCF5128 550 x 413 
Foto: SSP/SC

Sobre a obra do complexo, o secretário confirmou que a SSP aguarda apenas a elaboração do edital para posterior abertura de processo de licitação. A partir da assinatura do contrato, a empresa vencedora terá prazo de 18 meses para concluir a obra. Já as obras de Massaranduba foram paralisadas em função da desistência da empresa que venceu a licitação. Ela foi penalizada e um novo edital foi aberto.

O Complexo receberá a nova sede da Delegacia Regional de Polícia (DRP), posto do Detran e núcleo do Instituto Geral de Perícias (IGP). O terreno para construção é de propriedade do município e já foi doado para o estado. Os recursos, no total de R$ 4 milhões, são oriundos do Fundo de Melhoria da Segurança Pública e já estão garantidos. 

Sobre efetivo, o secretário lembrou que Jaraguá do Sul recebeu no final do ano passado reforço com a nomeação dos policiais militares, civis e técnicos criminalísticos. Ele confirmou, também, que com a chamada dos 1084 policiais remanescentes do concurso de 2015 uma nova turma de policiais militares será criada junto ao 14º Batalhão e que, após a formação, permanecerão na região.

O secretário também disse que, para o segundo semestre deste ano, há previsão de abertura de concurso público para as carreiras de Escrivão de Polícia, Agentes e Peritos, dependendo da disponibilidade financeira da Tesouro. Por fim, sobre a ampliação do sistema de videomonitoramento, há uma licitação em aberto para instalação de câmeras em mais 21 cidades.

Participaram da audiência o prefeito de Massaranduba, Armindo Sesar Tassi, delegado regional Adriano Spolaor; tenente-coronel Gildo Martins Andrade Filho, comandante do 14º Batalhão da PM; o prefeito de Massaranduba, Armindo Sesar Tassi, e seu secretário de Planejamento, Fabiano Spezia, gerente de Obras da SSP, coronel PM Dirceu Antônio Oldra, entre outras autoridades.

{text}

A Polícia Civil, através da Divisão Especializada de Combate ao Narcotráfico (DENARC), da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), apreendeu na manhã desta terça-feira, 7, uma das maiores plantações de maconha dos últimos anos na Capital. Um laboratório clandestino de produção de maconha, skank (super maconha, cultivada em laboratório) e haxixe (resina da maconha) foram descobertos no subsolo de uma residência, no Bairro Coqueiros, na área continental. Dois homens (de 32 e 38 anos), naturais de São Paulo, foram presos.

Foram apreendidos mais de cem pés da erva que estavam sendo cultivadas, R$ 40 mil em espécie e cerca de US$ 400. Outro suspeito, de 30 anos, foi preso quando fazia contato com os paulistas em sua residência no Bairro Campeche, no Sul da Ilha. No local, foram apreendidas cerca de dez pés de maconha, 300 gramas de skank prontas para o consumo e um revólver calibre 38 com dez munições. A Polícia Civil suspeita que os presos em Coqueiros estejam envolvidos com tráfico internacional de drogas, pela entrada com frequência na Europa, principalmente em países como Espanha, Portugal e Holanda.  

De acordo com o delegado Pedro Henrique de Paula e Silva, foi um mês de investigação até chegar aos suspeitos, que não possuem antecedentes criminais. “Os paulistas trabalhavam com filmagens e eventos e alugaram a casa por R$ 4 mil desde agosto de 2015. Dentre os documentos apreendidos, os passaportes foram o que nos chamou a atenção pela frequência de entrada na Europa”, explica.

Os presos foram encaminhados para a sede da Deic para a elaboração do flagrante, no Bairro Estreito. 

{text}

O número de veículos recuperados no Estado no mês de fevereiro se manteve acima da média nacional, conforme o relatório divulgado pela Deic, nesta terça-feira, 4, em Santa Catarina. Enquanto a média brasileira fica abaixo dos 50%, Santa Catarina alcançou, no mês de fevereiro, 64%. Dos 1.448 veículos furtados/roubados, 913 já foram encontrados.

"Essa é uma união entre todas as forças policiais de Santa Catarina, não só da Polícia Civil", destacou o delegado responsável pela Divisão de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) da Deic, Rodrigo Bortolini. "O trabalho mostra essa troca de informações e essa integração", completou.

Só na unidade especializada, coordenada pelo delegado, a DFRV, 54 veículos foram apreendidos nos dois primeiros meses de 2017, o que representa a recuperação de quase R$ 2 milhões. Além disso, 21 prisões foram decorrentes dessas apreensões.

Não é a primeira vez que Santa Catarina mantém esse número de apreensões acima da média nacional. Segundo o delegado Bortolini, o número tem se mantido estável há pelo menos cinco anos. 

{text}

Para evitar duplicidade de informação a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) esclarece que a estatística criminal de Florianópolis apresenta os seguintes números no período de 1º de janeiro a 6 de março de 2017:

- 38 homicídios

- 1 latrocínio

- 1 lesão corporal seguida de morte

Total = 40 mortes violentas 

A taxa é de 8 mortos para cada grupo de 100 mil habitantes. Também há registro de:

- 3 óbitos em confrontos com a polícia em serviço

Por fim, a SSP esclarece ainda que os números de confronto com a polícia em serviço não são considerados para efeito de estatística criminal.

{text}

Policiais civis da Divisão de Roubos e Antissequestro (Dras) da Diretoria Estadual de Investigação Criminal (Deic) de Santa Catarina, em parceria com a Delegacia de Roubos do Deic do Rio Grande do Sul, deflagraram na manhã desta sexta-feira, 3, uma operação na cidade de Taquara (RS), com o objetivo de prender dois homens identificados como líderes da organização criminosa que tentou assaltar a agência do Banco do Brasil de São João Batista no dia 11 de fevereiro. Durante a operação, os investigados efetuaram disparos de arma de fogo contra os policiais civis, que revidaram a agressão e, em consequência, os autores foram mortos.

Os investigados, de 27 e 37 anos, naturais das cidades de Seberi (RS) e São Luiz Gonzaga (RS), são apontados como os idealizadores da tentativa de assalto em São João Batista. Na ocasião, conseguiram fugir e abandonaram na cidade de Sombrio um veículo contendo diversas armas de grosso calibre e explosivos.

Além dos dois líderes, outros envolvidos já foram identificados e as buscas continuam na tentativa de capturá-los. “Desde o dia da ocorrência em São João batista, nossa equipe está focada integralmente na resolução desse caso. Nós não mediremos esforços até que todos os envolvidos sejam devidamente presos e responsabilizados perante a Justiça”, ressaltou o delegado Raphael Souza Werling de Oliveira, que responde interinamente pela Dras/Deic.

O intercâmbio de informações entre policiais civis de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul também garantiu uma evolução rápida e constante das investigações.

{text}

O secretário de Estado da Segurança Pública, César Augusto Grubba, presidiu na manhã desta sexta-feira, 3, a cerimônia de posse dos Delegados Regionais de Polícia (DRPs) de Joinville e Brusque e do novo diretor da academia da Polícia Civil (Acadepol). O ato aconteceu no gabinete da secretaria. As mudanças fazem parte da rotina administrativa da instituição, como forma de melhoria e reajustes internos de pessoal.

Capa 450
Foto:Maira Porto Monteiro/SSP

Grubba agradeceu a confiança e o trabalho dos novos gestores. "A mudança permite renovação dos nossos compromissos. Vocês são profissionais comprometidos e têm competência para assumir os cargos”, destacou. Os empossados reafirmaram o compromisso de trabalhar na melhoria do atendimento à sociedade e combate à criminalidade. Na sequência, assinaram o termo de posse.

Para a região de Joinville, foi escolhida a delegada de polícia Tânia Cristina Duarte Harada. Ela ingressou na Polícia Civil em 2007 e já atuou nas comarcas de Barra Velha e Papanduva. Desde 2015, estava na Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI) de Joinville, onde se destacou com a revitalização e humanização dos espaços daquela unidade policial.

Em Brusque, tomou posse o delegado Fernando de Faveri, que está na Polícia Civil desde 2008, quando foi aprovado em concurso público. De Faveri já atuou nas comarcas de Lauro Muller, Içara, Jaraguá do Sul e Brusque, onde comandou a DP da Comarca. Desde 2015, estava na Acadepol. 

O delegado Laurito Akira Sato, que estava no comando da DRP de Joinville, assume a direção da Acadepol. Nomeado delegado de polícia em 2006, Akira Sato já esteve em várias comarcas e chefiou a Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic). Na Acadepol, pretende valorizar o trabalho de capacitação e formação dos novos policiais civis

Prestigiaram a cerimônia o secretário-adjunto da SSP, delegado Aldo Pinheiro D'Ávila; delegado-geral da Polícia Civil, Artur Nitz, e seu adjunto, Marcos Ghizoni; diretor de Polícia do Litoral, José Celso Corrêa; diretor de Polícia da Grande Florianópolis, Verdi Furlanetto; e diretor de Inteligência e Informação,  Mauro Cândido Rodrigues.

{text}

Um comparativo feito pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, considerando o período de Carnaval deste ano e do ano passado, constatou que o número de pessoas mortas em decorrência de afogamentos diminuiu em 70% no Litoral e balneários catarinenses. Em 2016, foram registradas três mortes por afogamentos no Carnaval. Neste ano, foi uma.

O único óbito ocorreu na praia, em Mariscal, no município de Bombinhas, no sábado, 25, quando um homem de 47 anos entrou na água e teve um mal súbito. Ele chegou a ser socorrido pelos guarda-vidas, que estavam no posto distante há 200 metros, e pelo helicóptero Arcanjo, mas não foi possível reanimá-lo e o óbito foi declarado uma hora depois pelo médico a bordo da aeronave.


Foto: Julio Cavalheiro/Secom

Além disso, o número de pessoas que chegaram a ter algum nível de afogamento, tanto em água doce como em água salgada, mas que foram recuperadas graças à intervenção dos guarda-vidas também aumentou: passou de nove vidas recuperadas no Carnaval de 2016, para 14 no mesmo período de 2017.

Com relação aos arrastamentos, que se referem a quantidade de pessoas que foram salvas pelos guarda-vidas após caírem em correntes marítimas, os números diminuíram. Neste Carnaval, foram 222, enquanto em 2016 foram 290 salvamentos. Nestes casos não chega a acontecer o afogamento propriamente dito, pois os resgates para retiradas das pessoas da água foram feitos antes de ter a ingestão excessiva de água. 

Para o comandante-geral do Corpo de Bombeiros de SC, coronel BM Onir Mocellin, os números são positivos, mas toda comemoração poderia ser precipitada. Isso porque há vários fatores que interferem nas mortes e nos salvamentos aquáticos realizados pelos bombeiros. Para ele, a diminuição no número de mortes por afogamentos no Carnaval pode demonstrar tanto uma eficácia maior nos procedimentos de reanimação e atendimentos prestados pelos guarda-vidas, como uma maior consciência por parte dos banhistas que, cada vez mais, procuram se banhar em áreas monitoradas e mais seguras. Outros fatores que devem ser considerados são as condições do mar e o número total de turistas nas praias. “Apesar de estarmos tranquilos com relação ao preparo e disponibilidade de nosso efetivo que atua nas praias e balneários do estado, somente poderemos realmente comemorar quando tivermos número zero de afogamentos em toda temporada,” afirma. 

Bandeira Lilás

Neste ano, a novidade foi a implantação de mais uma bandeira de sinalização de praia. A bandeira lilás, colocada nos postos de guarda-vidas, indica os locais de incidência de águas-vivas. Neste período, foram registradas 2.057 lesões, enquanto no ano passado foram 8.183 casos registrados no Carnaval. 

Número total de atendimentos aumenta

Já com relação aos números absolutos de ocorrências, que considera o total de atendimentos feitos pelos 14 batalhões de bombeiros no estado, o aumento foi de cerca de 15%, ou seja, passou de 2.660 para 3.130 neste Carnaval, representando um aumento de 470 casos. A maioria se refere a atendimentos pré-hospitalares, como socorros prestados a vítimas de acidentes de trânsito, quedas, agressões e outros. 

A Operação Veraneio continua nas praias até o término do verão. Mas após o período de Carnaval há uma diminuição considerável no número de turistas e banhistas nas praias, e a Operação Veraneio entra na sua etapa final.

{text}

A Polícia Civil, através da Delegacia da Comarca de Ascurra, com o apoio da Delegacia de Indaial e da Polícia Militar de Rodeio, Ascurra e Apiúna, deflagrou na manhã desta quinta-feira, 2, uma operação com a finalidade de cumprir diversos mandados de prisão pelo crime de roubo, ocorrido nos últimos meses, em Ascurra e região do Vale do Itajaí. A ação resultou na prisão de quatro pessoas (dois homens de 24 anos, e outros de 27 e 33 anos), em residências, no Bairro Ribeirão Luiz, em Apiúna.

De acordo com a polícia, o homem de 27 anos é considerado o líder da quadrilha e o responsável pelo fornecimento de armas e carros nas ações criminosas de quadrilhas que atuam na cidade e região. “O grupo fazia roubos em comércio, com emprego de arma de fogo e grave ameaça. Inclusive, no mês passado, roubaram o pagamento dos funcionários de uma empresa e, em outra ocasião, uma joalheria”, explica um policial.

Segundo o policial, o roubo contra a empresa, contou com a participação de um funcionário, que também foi preso, ao repassar as informações do pagamento ao grupo. “Outros três homens foram presos na semana passada, relacionados a outros crimes, mas que atuavam com esta quadrilha presa”, afirma.

O policial disse ainda que as prisões contribuirão para que os crimes diminuam de maneira significativa, tendo em vista que os conduzidos dedicavam-se exclusivamente as atividades delituosas. “A ajuda da comunidade é muito importante para elucidação de ações como esta. O Disque Denúncia 181, da Polícia Civil, está à disposição do cidadão, que queira comunicar algo suspeito e sua identidade será totalmente preservada”, conclui.

{text}

 

 

A Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) divulgou o edital de convocação dos candidatos remanescentes do último concurso público da categoria realizado no estado. Ao todo, serão 1.084 novos policiais militares. Trata-se da maior convocação da história da PM em Santa Catarina. O edital foi publicado na sexta-feira, 24. 

>>> Confira o edital de convocação

Os novos policiais militares são os excedentes do concurso do qual já foram chamados 711 aprovados. Com a chamada de mais 1.084 policiais militares (987 homens e 97 mulheres), todos os aprovados foram convocados. O curso de formação terá início no dia 2 de maio, em diferentes unidades de Santa Catarina. A formatura está prevista para a primeira quinzena de dezembro, quando os policiais serão incorporados aos batalhões.

Segundo o Comando Geral da Polícia Militar, os novos profissionais serão distribuídos de acordo com critérios técnicos, como aumento populacional de cada cidade, número de ocorrências locais e demandas reprimidas.

O salário inicial do policial militar em Santa Catarina é de R$ 4.850. As novas contratações vão representar um impacto de R$ 5,2 milhões por mês na folha de pagamento, um total de R$ 70 milhões por ano, considerando 13º salário e férias. 

Em toda a área da segurança pública, também considerando os novos policiais militares anunciados agora, a renovação é de mais de 7,8 mil profissionais desde 2011.

Leia também

>>> Governo do Estado anuncia contratação de 1.084 novos policiais militares, a maior convocação da história da PM

{text}

 

 

A Polícia Civil, através da Divisão de Investigação Criminal (DIC), deflagrou uma operação na noite de quinta-feira, 23, denominada Carnaval de Cara Limpa, que visa o combate ao tráfico de drogas sintéticas, em Tubarão e na região Sul do Estado. A ação resultou na apreensão de 657 comprimidos de ecstasy, 55 micropontos de NBOME (alucinógeno semelhante a LSD), R$ 40 mil em espécie e uma porção de MDMA. Foram presos dois homens (de 19 e 23 anos) e apreendido um adolescente de 17 anos em ações ocorridas nos bairros Humaitá de Cima, Revoredo e Monte Castelo.   


Foto: PC/SC

De acordo com o delegado Willian Cezar Sales, a operação iniciou em uma residência, onde foi preso o homem de 19 anos no Bairro Humaitá de Cima, com seis comprimidos de ecstasy, após ser investigado pela venda da droga em uma festa eletrônica. “Em outra casa, no Bairro Monte Castelo, foi preso o outro suspeito, de 23, considerado um dos distribuidores de drogas sintéticas para a cidade. Na casa, foram encontrados 251 comprimidos de ecstasy, além de 55 micropontos de NBOMe (alucinógeno semelhante à LSD) e R$ 18,9 mil em espécie (dinheiro resultante da venda de drogas)”, explica. 

Segundo o delegado, em outra diligência, foi abordado um veículo num posto de combustíveis, no Bairro Revoredo, onde fora apreendido o adolescente, em posse de 300 comprimidos de ecstasy e R$ 650 em espécie. “Na casa do adolescente, no Bairro Monte Castelo, foram encontrados outros 100 comprimidos de ecstasy e uma porção de MDMA”, afirma.

O delegado ressaltou ainda que as investigações prosseguem a fim de coibir o tráfico de drogas e outros crimes, com muitas ações policiais na região. “Pedimos a ajuda da comunidade, através do Disque Denúncia 181, para que denuncie a ação delituosa desses criminosos”, concluiu.

{text}