Fotos: Jeferson Baldo/Secom

O governador Eduardo Pinho Moreira participou nesta sexta-feira, 25, de reunião na Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), em Florianópolis, com o presidente da entidade, Glauco José Côrte, e empresários de diferentes regiões do Estado. O governador fez um breve balanço das ações do Governo do Estado e salientou a importância de diminuir o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) para as indústrias catarinenses, garantindo a competitividade e os empregos. O quinto dia de paralisação dos caminhoneiros em todo o Brasil também foi discutido.

ICMS

O setor industrial gera 750 mil empregos em Santa Catarina. “Gradativamente estamos conversando com os setores, para atender suas reivindicações, dentro do que é possível mediante decreto. Já conversamos e assinamos acordo com o setor atacadista. Consideramos que quem deve imposto, deve pagar”.
Eduardo Pinho Moreira disse que não é possível uma empresa do mesmo setor pague impostos e a outra não. “Há muita diferenciação, a competição fica desigual. Não somos favoráveis a grandes impostos. O que der para diminuir para movimentar a economia nós faremos”, afirmou o governador, ao agradecer o apoio e parceria da Fiesc para o desenvolvimento do Estado.

Eduardo Pinho Moreira destacou que este é um ano eleitoral, então tudo deve ser discutido com muita cautela, para que as decisões não sejam levadas para o lado político. “Não podemos misturar tributos com política”, alertou o governador.

Glauco Côrte enfatizou que uma das reivindicações da Fiesc é voltar a discutir o projeto que reduz o ICMS incidente sobre as vendas das indústrias feitas dentro do Estado. “Solicitamos porque outros estados já têm 12% nas vendas internas”, explicou.

Greve

Outro assunto abordado na reunião foi a paralisação dos caminhoneiros que já completa cinco dias. Eduardo Pinho Moreira informou que o Governo do Estado está fazendo a sua parte, atento a todas as questões relativas à paralisação e mantém todos os esforços concentrados. “Colocamos comboios à disposição das indústrias e garantimos o abastecimento nos hospitais e reforçamos as ações de segurança. Sabemos que a solução da crise é federal, mas Santa Catarina trabalha efetivamente para minimizar os impactos”, disse Moreira.
O presidente Glauco Corte informou que a Fiesc tem recebido muitas manifestações de todo o setor industrial. “A greve afeta toda a economia. Estamos com muitas indústrias que têm exportação sem poder cumprir os prazos. O comprador internacional não quer saber se tem greve ou não. O descumprimento do prazo acaba resultando em ônus adicional para os produtores, como multas, além da credibilidade que é afetada. E a questão da agroindústria é dramática”.


<<<Mais fotos na galeria

Celesc 

Ainda durante o encontro, o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, anunciou que companhia atingiu a marca de três milhões de clientes. “Estamos mostrando que, mesmo sendo uma companhia pública, podemos ser eficientes e competitivos. Nada resiste ao trabalho árduo e diário, ao bom planejamento e à vontade de acertar”.

Siewert também destacou que a energia elétrica é um fator de competitividade e de indução de desenvolvimento e que Santa Catarina possui um dos mais altos índices de qualidade de vida do país, também impulsionado pelo desenvolvimento industrial que garante, entre outras coisas, emprego e renda à população.

“Nosso estado detém o sexto maior PIB do Brasil e conta com 41 empresas no ranking das mil Melhores e Maiores da revista Exame que, juntas, faturam R$ 48 bilhões. O papel da Celesc neste cenário é garantir que essa engrenagem funcione da melhor forma possível, por meio da qualidade dos serviços que prestamos e que atinge diretamente o desempenho da indústria e o dia a dia dos catarinenses”, afirmou.

Atuando há mais de 60 anos em um mercado complexo e dinâmico como o de energia. Nos últimos anos a Celesc, com apoio do Governo do Estado, seu maior acionista, vem transformando sua gestão com foco no planejamento estratégico e em busca por mais eficiência e produtividade.

Para isso, Siewert destacou o comprometimento dos empregados como o maior trunfo da Companhia que está sempre se renovando e pronta para atender mais clientes, mas também para a obtenção de diversos reconhecimentos da sociedade em geral e do mercado energético.

Mais informações
Qualquer informação adicional pode ser obtida por meio do telefone da redação da Secom/SC no (48) 3665-3006 ou com a assessora Elisabety Borghelotti, que acompanha o governador. O celular da assessora é (48) 98843-5460. Outros contatos e informações do Governo estão disponíveis na página Sala de Imprensa.
As fotos também estão disponíveis na página Galeria de Fotos e são de uso livre da imprensa. Para pedidos de fotos ou outro material de imagens, favor enviar no fotografia@secom.sc.gov.br ou diretamente pelo telefone (48) 3665-3014.

Estamos à disposição.

 

Mesmo com a greve dos caminhoneiros, os principais índices de violência em Santa Catarina têm se mantido abaixo dos registrados ano passado e de 2016. Desde o dia 23, o número de homicídios não foi alterado (366) a contar de 1º de janeiro. Se comparado a igual período de 2017, a queda é de 15%.

O quadro também se mantém inalterado com relação aos latrocínios: 16 (menos 30,4% nos últimos cinco meses). Apenas o número de roubos (a transeuntes, cargas, de veículos, em veículos, em comércio, em residências e outros) aumentou: 5.146 na quinta-feira; 5.120 na quarta-feira e 5.081 terça-feira, 23.

O governador Eduardo Pinho Moreira e os secretários de Estado da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, da Agricultura, Airton Spies, e da Segurança Pública, Alceu de Oliveira Pinto concedem entrevista coletiva à imprensa, nesta sexta-feira, 25, às 17h30, no Centro Integrado de Gerenciamento de Risco e Desastres (Cigerd) em Florianópolis, para falar das atualizações das ações para minimização dos impactos da paralisação dos caminheiros em Santa Catarina.

Candidatos precisam verificar antecipadamente as salas onde deverão realizar as provas - Foto: Divulgação
Foto: Divulgação/Udesc

Nesta sexta-feira, 25, a Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) divulgou os locais de prova do Vestibular de Inverno 2018, que ocorrerá em 10 de junho, das 9h às 12h30 e das 15h às 19h30. A seleção tem 6.336 inscritos para 1.048 vagas de 37 cursos gratuitos de graduação presencial.

Para evitar problemas no dia do vestibular, os candidatos precisam verificar antecipadamente, no site oficial, as salas onde deverão realizar a prova objetiva e a redação. Consulte seu local de prova.

Além disso, a Coordenadoria de Vestibulares e Concursos da Udesc (Covest) recomenda que os candidatos vejam os dados de inscrição e, se houver necessidade, peçam correção até 30 de maio. Confira o item 6 do edital. Não será possível, porém, solicitar retificação dos seguintes campos: cidade de prova; língua estrangeira; curso; e modalidade de inscrição (não optante e optante de cota).

Locais

O Vestibular de Inverno da Udesc ocorrerá nos seguintes locais:

  • Balneário Camboriú: Escola Maria da Glória
  • Chapecó: Escola Druziana Sartori
  • Florianópolis: Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc) - CTC, CCS e CSE
  • Ibirama: Escola Gertrud Aichinger
  • Joinville: Campus da Udesc (CCT)
  • Lages: Campus da Udesc (CAV)
  • Laguna: Campus da Udesc (Ceres)
  • São Bento do Sul: Escola Prefeito Carlos Zipperer Sobrinho

As provas também serão aplicadas para detentos do Complexo Penitenciário de Florianópolis e da Penitenciária Industrial Jucemar Cesconetto, em Joinville.

Vagas e cotas

O número de vagas do vestibular representa 75% do total do próximo semestre, pois as demais serão preenchidas pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), com notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A Udesc manterá o sistema de cotas pelo Programa de Ações Afirmativas. Das vagas de cada curso, 30% estão reservadas: 20% para candidatos com todo o ensino médio na rede pública e 10% para candidatos negros.

Cursos mais procurados


Na categoria dos não optantes de cota, os três cursos mais concorridos são: Fisioterapia, em Florianópolis (Cefid), com 31,30 candidatos por vaga; Medicina Veterinária, em Lages (CAV), com 27,10; e Bacharelado em Educação Física, também na Capital (Cefid), com 13.

Os cursos mais escolhidos pelos candidatos com todo o ensino médio na rede pública são Medicina Veterinária (41 por vaga), Fisioterapia (37) e Bacharelado em Educação Física (22,6). Entre os candidatos negros, a maior procura é por cursos da Udesc Cefid: Fisioterapia, com 13 por vaga; Licenciatura em Educação Física, com 10; e Bacharelado em Educação Física, com 9.

Com descrições disponíveis na página da graduação, os cursos do Vestibular de Inverno são oferecidos em:

  • Balneário Camboriú (Cesfi): Administração Pública e Engenharia de Petróleo;
  • Chapecó (CEO): Enfermagem e Zootecnia;
  • Florianópolis (Cefid): Educação Física (Bacharelado e Licenciatura) e Fisioterapia;
  • Florianópolis (Esag): Administração, Administração Pública e Ciências Econômicas;
  • Florianópolis (Faed): Geografia (Bacharelado), História (Licenciatura) e Pedagogia;
  • Ibirama (Ceavi): Ciências Contábeis, Engenharia Civil e Engenharia de Software;
  • Joinville (CCT): Ciência da Computação, Física, Matemática, Química, Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Engenharia (Civil, Produção e Sistemas, Elétrica e Mecânica);
  • Lages (CAV): Agronomia, Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia Florestal e Medicina Veterinária;
  • Laguna (Ceres): Arquitetura e Urbanismo e Ciências Biológicas (Biodiversidade e Biologia Marinha);
  • Pinhalzinho (CEO): Engenharia Química;
  • São Bento do Sul (Ceplan): Engenharia de Produção - Habilitação Mecânica e Sistemas de Informação.


Conteúdo cobrado

A Covest também recomenda a todos os candidatos do vestibular a leitura do edital, do programa das disciplinas, das obras literárias e do calendário.

Na manhã de 10 de junho, os candidatos terão de responder 50 questões, sendo 14 de Biologia, 14 de Matemática, 14 de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira e oito de língua estrangeira (Inglês ou Espanhol). À tarde, haverá redação sobre atualidades, conhecimentos gerais e obras literárias indicadas no programa, além de mais 50 questões: 14 de Física, 14 de Química, 11 de História e 11 de Geografia.

Mais informações

Mais informações podem ser obtidas com a Covest pelos telefones (48) 3664-8089 e 8091, das 13h às 19h, e pelo e-mail vestiba@udesc.br.

Acompanhe as notícias do vestibular pelo Facebook, pelo Instagram e pelo Twitter.

Assessoria de Comunicação da Udesc
E-mail: comunicacao@udesc.br
Telefones: (48) 3664-7935/8010

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE) da Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou o boletim atualizado (08/2018) sobre a situação da Influenza em Santa catarina. As informações apresentadas são referentes ao período que compreende as semanas epidemiológicas (SE) 01 a 21 de 2018, ou seja, casos com início dos sintomas em 31 de Dezembro de 2017 até os registrados em no dia 23 de Maio de 2018. Confira o boletim completo AQUI.


Fotos: James Tavares/Secom

O governador Eduardo Pinho Moreira esteve na manhã desta sexta-feira, 25, no Centro Integrado de Gerenciamento de Risco e Desastres (Cigerd), em Florianópolis, acompanhando as ações das equipes que trabalham para a redução dos impactos provocados pelo quinto dia de paralisação dos caminhoneiros em todo o Brasil. De acordo com o governador, todas as equipes do governo estadual trabalham integradas para garantir que os serviços essenciais à população permaneçam garantidos.

“O Estado está fazendo a sua parte. O governo está atento a todas as questões relativas à paralisação e mantém todos os esforços concentrados. Colocamos comboios à disposição das indústrias e garantimos o abastecimento nos hospitais e reforçando as ações de segurança. Sabemos que a solução da crise é federal, mas Santa Catarina trabalha efetivamente para minimizar os impactos”, disse Moreira.

De acordo com o governador, ações para combater o aumento abusivo do combustível e para sensibilizar sobre a importância do transporte de animais, dentre outras, também estão sendo coordenadas pelo governo. “A morte dos animais por inanição é um ato de crueldade”, ressaltou.


<<< Mais fotos na galeria

Além do comitê de crise em Florianópolis, o Cigerd trabalha conectado com núcleos regionais em todo o estado.

Moreira esteve reunido com os secretários da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, da Agricultura, Airton Spies, Comunicação, Gonzalo Pereira, com o secretário adjunto da Defesa Civil, Fabiano de Souza, com comandante geral da Polícia Milita, coronel Araujo Gomes e com o comandante da 1ª região do Corpo de Bombeiros Militar, coronel César de Assumpção Nunes. 

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Comunicação - Secom
Governo de Santa Catarina
Fone: (48) 3665-3022
Site: www.sc.gov.br

O governador Eduardo Pinho Moreira reafirmou na manhã desta sexta-feira, 25, que a questão relacionada à alíquota dos combustíveis precisa ser resolvida pelo Governo Federal. "Santa Catarina já cuidou disso e essa crise precisa ser resolvida por Brasília que concentra 65% dos impostos do país", afirmou durante visita ao Cigerd (Centro de Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres de Santa Catarina), onde o Governo do Estado mantém operação para garantir os serviços essenciais durante a paralisação dos caminhoneiros.

"Esse aumento de combustíveis precisa ser diluído ao longo do tempo. É uma construção que envolve o Governo Federal e por isso nosso secretário da Fazenda, Paulo Eli, está em Brasília nesta sexta-feira para participar dessa discussão", concluiu o governador, destacando que a Petrobras foi corroída pela corrupção durante anos e a população não pode pagar essa conta.

As alíquotas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) cobradas dos combustíveis variam de Estado para Estado. Em Santa Catarina, o percentual sobre a gasolina é 25% e sobre o óleo diesel é 12%, os menores do Brasil. “Santa Catarina tem a gasolina mais barata do Brasil porque é o único Estado em que o ICMS custa menos de R$ 1 por litro”, diz o secretário de Estado da Fazenda (SEF/SC), Paulo Eli.

As alíquotas nos outros Estados para gasolina variam de 25% a 34%. Segundo dados da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), referentes à segunda quinzena de maio, os catarinenses pagam R$ 0,980 de ICMS por litro de gasolina. O Rio de Janeiro paga o tributo mais elevado – R$ 1,607 por litro da gasolina.

O secretário Paulo Eli explica que a base de cálculo para arrecadação da gasolina hoje em Santa Catarina é R$ 3,92. “Ou seja, os postos de gasolina do Estado pagam ICMS até este valor. O que é vendido acima não entra na arrecadação do Estado. Portanto, a crise que está acontecendo agora não é em função do ICMS”, salientou.

Já sobre o óleo diesel, as alíquotas variam de 12% a 25% em outros Estados. A base de cálculo da segunda quinzena de maio do diesel é de R$ 3,24. Em Santa Catarina, hoje, é cobrado de ICMS R$ 0,374 a cada litro enquanto no Amapá, que tem o maior tributo estadual, a taxa é de R$ 0,999 por litro.

Visando garantir o transporte intermunicipal para a população e devido à greve dos caminhoneiros que atingiu o fornecimento de combustível em Santa Catarina, o Departamento de Trânsito e Terminais de Santa Catarina (Deter) informou, na tarde desta quinta-feira, 24, que algumas linhas e horários estão sendo readequados pelas empresas operadoras.


Foto: Jaqueline Noceti / Secom

O Governo do Estado está orientando a população para que busque somente informações oficiais sobre os impactos da paralisação dos caminhoneiros que afeta todo o Brasil. De acordo com o secretário de Estado da Comunicação, Gonzalo Pereira, em entrevista coletiva à imprensa, nesta quinta-feira, 24, muitas informações falsas, as famosas fake news, estão surgindo em grupos de whatsApp e canais não oficiais.

“É importante que o cidadão utilize como fonte de informação os sites e canais do Governo do Estado para manter-se atualizado. Também os veículos de comunicação são fontes com credibilidade. A difusão de informações falsas, comum em situações como esta que vivemos, traz prejuízo à sociedade, e deve ser combatida”, ressalta.


Foto: Julio Cavalheiro / Secom

O governador Eduardo Pinho Moreira inaugurou nesta quinta-feira, 24, a ampliação do Centro de Treinamento e a adequação da regional da Epagri de Tubarão. O investimento é de R$ 277.550,00 e vai aumentar a capacidade de alunos em sala de aula e melhorar o atendimento a pessoas.

“O trabalho que a Epagri faz no Estado é incontestável e esses investimentos vão atingir diretamente as famílias do meio rural que participam ativamente dos trabalhos deste espaço”, ressaltou o governador.