Florianópolis - Bossa nova é o destaque no segundo Museu Musical no Palácio Cruz e Sousa

A segunda edição do projeto Museu Musical, da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), terá a bossa nova do Luiz Zago Trio no próximo dia 29 de junho, das 12h30 às 13h30, nos jardins do Museu Histórico de Santa Catarina, localizado no Palácio Cruz e Sousa, Centro de Florianópolis. A entrada é gratuita.

No show Mundo da Bossa do trio é voltado ao movimento musical que norteou sua formação, evidenciando os intercâmbios culturais que a bossa traçou: influenciou a música americana e consequentemente o cenário internacional de maneira decisiva, flertou com o jazz.

O repertório traz uma seleção de peças e arranjos que visa mostrar esta influência em todas as direções possíveis, seja de peças do movimento original da bossa, como Só Danço Samba e o Nós e o Mar, como seus desdobramentos posteriores em compositores como Jorge Ben (Mas que Nada), Caetano Veloso (Baby) e Lenine (Anna e Eu) e seus antecessores como Ary Barroso (Pra Machucar meu Coração). 

O Luiz Zago Trio é formado pelos músicos Luiz Zago (piano), Tiê Pereira (contrabaixo) e Richard Montana (bateria).

Repertório:
- O morro não tem vez
- Pra machucar meu coração
- Só danço Samba
- Nós e o Mar
- Baby
- Anna e Eu
- Influência do jazz
- Mas que nada
- Samba de uma nota só
- Doralice
- Estamos aí
- Corcovado

Serviço:

O quê: Luiz Zago Trio - Museu Musical
Quando: 29 de junho, das 12h30 às 13h30.
Onde: Jardins do Palácio Cruz e Sousa
Praça XV de novembro, 227 - Centro - Florianópolis (SC)
Entrada gratuita
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1931366593809135

Informações adicionais para imprensa
Fernanda Peres
Assessoria de Comunicação Fundação Catarinense de Cultura
Telefone: (48) 3664-2571
E-mail: imprensa@fcc.sc.gov.br
Site: www.fcc.sc.gov.br 
Twitter: www.twitter.com/fccoficial  
Facebook: www.facebook.com/FundacaoCatarinensedeCultura 

Um estudo encomendado pela Secretaria de Estado da Defesa Civil (SDC) e desenvolvido pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) mostra as possíveis causas da estiagem no Oeste de Santa Catarina. O relatório técnico foi intitulado "Estiagem no Oeste catarinense: diagnóstico e resiliência", levou em consideração dados históricos de 35 anos (1979 - 2013), com uma pesquisa que durou aproximadamente um ano.

A estiagem é conhecida como um fenômeno recorrente e cíclico na região, com registros a partir da década de 1940 e menções também importantes na década de 60. Destacam-se, em anos mais recentes, os eventos ocorridos nos anos de 2002 e 2012.

O objetivo do estudo foi apresentar um diagnóstico georreferenciado da evolução dos fatores condicionantes da estiagem no Oeste. Ele também servirá para projetar possíveis cenários para o futuro e promover a conscientização das pessoas, fortalecendo a resiliência local por meio da implantação de estratégias de gestão hídrica.

Para colocar em prática a ideia, os pesquisadores dividiram o trabalho em três etapas. A primeira tratou sobre o diagnóstico físico da região e dinâmica da sociedade. A segunda etapa abordou o trabalho de campo com visita nas microrregiões. A última fase serviu para analisar os dados e ajustar o documento final.

O território de estudo é distribuído em três regiões hidrográficas: Extremo-Oeste, Meio-Oeste, Vale do Rio do Peixe. No que se refere às águas subterrâneas, a região Oeste conta com dois aquíferos: Aquífero Geral e Aquífero Guarani. O relatório aponta ainda que também há bastante disponibilidade hídrica superficial e, portanto, a diminuição dos índices pluviométricos não seria a única responsável pela falta sazonal de água. A água abundante instiga a perfuração de poços artesianos, sendo que dos 7.165 cadastrados em Santa Catarina, 4.782 estão no Oeste.

O documento chama atenção porque nem todos esses poços estão cadastrados no SIAGAS, levando a uma estimativa de que existam, no total, aproximadamente 50 mil poços, dos quais 90% sejam ilegais. "Assim, a perspectiva de promover a abertura de poços como uma solução para a estiagem, sem o devido planejamento e garantias de fiscalização, não só é equivocada, como se constitui numa atitude que, ao invés de se resolver os problemas de escassez de água em certas épocas do ano, os pode potenciar", cita o relatório.

O estudo aponta que o solo possui boa drenagem e áreas para cultivo agrícola, porém, isso aumenta a demanda de água que, associadas a práticas inadequadas de exploração e uso, vão afetando a capacidade de retenção.Considerado celeiro de Santa Catarina, o Oeste produz aproximadamente 74% do milho, 68% da soja, 82% da carne de frango e 67% de carne de suínos produzidos no Estado.

"O corte da mata nativa para o plantio e produção agrícola pode ser um dos fatores que agravam a situação de estiagem no Oeste. Efetivamente, essa transformação afeta a capacidade de infiltração da água no solo com o aumento do escoamento superficial e do fluxo de abastecimento dos aquíferos."

Informações adicionais para a imprensa
Cleiton Ferrasso
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br

 

Lages recebe nesta terça-feira, 20, o evento SC Bem Mais Simples. O novo programa do Governo do Estado para facilitar a abertura de empresas será apresentado na Câmara de Dirigentes e Lojistas (CDL), às 10h. “Contamos com a participação dos prefeitos e representantes de toda a região para conhecerem o projeto e firmarem o termo de compromisso para implantação do SC Bem Mais Simples nos municípios. Somente assim, com o engajamento de todos, vamos fazer com que a abertura de empresas e todos os processos tenham mais agilidade, dinamizando a economia do nosso Estado”, afirma o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), Carlos Chiodini.

O SC Bem Mais Simples prevê o Enquadramento Empresarial Simplificado (EES), com base nas informações constantes da autodeclaração dos empreendedores. O programa foi instituído por meio da lei 17.071, de janeiro de 2017, com que facilita os trâmites em aberturas, licenciamentos, alvarás, fechamentos, entre outros processos para empresas que não comprometem a segurança sanitária, ambiental e com baixo potencial poluidor.

O programa já foi apresentado em Chapecó, Jaraguá do Sul e Tubarão e conta com adesão de 27 prefeituras até o momento. O secretário Chiodini destaca que a simplificação é um dos caminhos para fortalecer a economia catarinense, principalmente para as micro e pequenas empresas (MPEs). “Estamos adotando medidas para desburocratizar o modelo que vem sido utilizado hoje. Com o SC Bem Mais Simples, incentivamos a abertura de novos negócios e estimulamos o desenvolvimento de Santa Catarina”, conclui.

Agenda

Evento: SC Bem Mais Simples
Data: 20 de junho
Horário: 10h
Local: CDL Lages - Rua Coronel Córdova, 332 - Centro - Lages

Informações adicionais para a imprensa:

Michelle Nunes - Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDS
E-mail: jornalistaminunes@gmail.com
Fone: (48) 3665-2261 / 99929-4998
Site: www.sds.sc.gov.br


Foto: Pablo Gomes / ADR Lages

O Governo de Santa Catarina definiu nesta segunda-feira, 19, a data e as regras do desvio a ser aberto por conta das obras de reconstrução em concreto da SC-114, no trecho entre Lages e Otacílio Costa. Os detalhes foram discutidos e aprovados numa reunião entre o secretário executivo João Alberto Duarte e representantes do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), Polícia Militar Rodoviária, Klabin Papéis e o consórcio responsável pela execução dos trabalhos.

Após semanas de estudos de viabilidade técnica e impacto econômico, ficou acertado que o desvio de 17 quilômetros (dois a mais que o normal, pela rodovia) entre a localidade de Cadeados e o posto da Polícia Rodoviária, em Palmeira, iniciará no dia 3 de julho, uma segunda-feira, e se estenderá até entre o fim de 2017 e o início de 2018.

Das 8h às 18h, o desvio será obrigatório para todos os carros, motos e veículos de até três eixos, como ônibus e caminhões trucados. Neste horário, será proibido o tráfego de caminhões articulados. Das 18h às 8h, quando não haverá obras, o trânsito seguirá pela própria rodovia em sistema de pare e siga para a primeira categoria de veículos, com até três eixos. Já os articulados deverão utilizar o desvio, mas somente neste horário.

Os ônibus que conduzem os estudantes universitários de Otacílio Costa e Palmeira até Lages no período noturno terão prioridade e não precisarão pegar o desvio. Os veículos (13 ao todo) serão concentrados às 18h no posto da Polícia Rodoviária e serão escoltados por uma viatura até cruzarem o próximo ponto de bloqueio para o sistema pare e siga, na entrada de Cadeados. Assim, não haverá mais problemas de atraso dos alunos nas universidades. A mesma medida deverá ser adotada também com os quatro ônibus que transportam os funcionários da Klabin.

Governador determina manutenção constante do desvio e reforço no policiamento

Por determinação do governador Raimundo Colombo, o Deinfra iniciará nesta semana um grande trabalho de manutenção da estrada com cascalhamento. Uma máquina também ficará à disposição até o fim das obras para garantir a trafegabilidade, já que se trata de uma via de chão batido.

E para garantir a segurança dos usuários da rodovia, dos trabalhadores das obras e o cumprimento das regras, a Polícia Militar Rodoviária receberá o reforço de profissionais de outras regiões do Estado e manterá pelo menos uma viatura nas obras durante 24 horas por dia.

“A rodovia recebe 3,6 mil veículos por dia, dos quais, 40% de transporte de carga. Muitos caminhões articulados já estão utilizando o outro acesso a Otacílio Costa, pela BR-470. Também pedimos a colaboração dos demais usuários para que, se possível, utilizem rotas alternativas, como as BRs 116, 470 e 282, especialmente em direção ao Litoral e Vale do Itajaí. Assim, esperamos reduzir o tráfego para 2,5 mil veículos por dia já nas primeiras semanas”, diz o comandante da Polícia Rodoviária em Palmeira, subtenente Túlio Cesar Schlichting.

Na próxima terça-feira, dia 27, às 14h, uma coletiva de imprensa será realizada na Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Lages para que as autoridades possam esclarecer todas as dúvidas e reforçar as novas regras de utilização da SC-114.

Informações adicionais para a imprensa
Pablo Gomes
Assessoria de imprensa
Agência de Desenvolvimento Regional de Lages
E-mail: imprensa.sdrlages@gmail.com

Telefone: (49) 3289-6210 / 99926-6775
Site: http://sc.gov.br/index.php/regionais/lages

A partir de junho, todos os meninos entre 11 e 14 anos devem receber a vacina contra o HPV (papilomavírus). Oferecida desde janeiro deste ano para meninos entre 12 e 13 anos, a vacina teve a faixa etária ampliada por decisão do Ministério da Saúde (MS), para fortalecer as ações de saúde na população masculina e possibilitar a prevenção da ocorrência de cânceres de pênis, ânus, orofaringe e de verrugas genitais, doenças diretamente relacionadas ao HPV.

Em Santa Catarina, 21.276 meninos entre 12 e 13 anos receberam a primeira dose da vacina do HPV. “Uma segunda dose deverá ser tomada em seis meses para garantia da imunização”, alerta Vanessa Vieira da Silva, gerente de Imunização da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Segundo ela, a definição da faixa etária visa proteger os adolescentes antes do início da vida sexual e do contato com o vírus.

A faixa etária será ampliada gradativamente até igualar a das meninas, ou seja, 9 a 14 anos de idade. Jovens entre 9 e 26 anos vivendo com HIV/Aids devem também ser vacinados, sendo necessárias três doses para a imunização.

Durante o mês de junho, Santa Catarina está intensificando a vacinação contra o HPV. As equipes de saúde estão visitando as escolas, levando informações sobre a prevenção do câncer, avaliando as cadernetas e vacinando os adolescentes.

A vacinação é oferecida gratuitamente nas 1,2 mil salas de vacina da rede pública de saúde e pode também ocorrer nas escolas. Porém, vale salientar que cada município define sua estratégia de vacinação, de acordo com a logística e as realidades locais. Os adolescentes não necessitam de autorização ou acompanhamento dos pais nas salas de vacina. Basta que apresentem um documento de identificação ou a carteira de vacinação.

O HPV é transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas, na maioria das vezes, através da relação sexual desprotegida. É altamente contagioso, sendo possível infectar-se com uma única exposição ao vírus. Pessoas infectadas podem não apresentar lesões visíveis e transmitir o HPV sem saber.

Calendário vacinal

Até o ano passado, este tipo de imunização era feito somente em meninas de 9 a 14 anos. A ampliação da vacinação contra o HPV para o sexo masculino é uma das novidades do Calendário de Vacinação 2017 da rede pública de saúde. “A vacinação dos meninos contribui para o aumento da proteção também das meninas, evitando especialmente o câncer de colo de útero, principal doença causada pelo HPV nas mulheres”, acrescenta Vanessa.

O Ministério da Saúde decidiu incluir os meninos no programa nacional de vacinação contra o HPV no ano passado, e o Brasil tornou-se o sétimo país a adotar essa estratégia de saúde pública, igualmente utilizada nos Estados Unidos, na Austrália, na Áustria, em Israel, em Porto Rico e no Panamá. A decisão de ampliar a vacinação para o sexo masculino está de acordo com as recomendações das Sociedades Brasileiras de Pediatria, Imunologia, Obstetrícia e Ginecologia, além de DST/AIDS e do mais importante órgão consultivo de imunização dos Estados Unidos (Advisory Committee on Imunization Practices).

Outra novidade no calendário vacinal de 2017 é que adolescentes de 12 a 13 anos também serão imunizados contra meningite C. Até o ano passado, apenas crianças de 3, 5 e 12 meses eram vacinadas contra a doença, considerada grave e de rápida evolução.

Informações adicionais:
Letícia Wilson / Patrícia Pozzo
Núcleo de Comunicação
Diretoria de Vigilância Epidemiológica
Secretaria de Estado da Saúde
(48) 3664-7406
(48) 3664-7402
www.dive.sc.gov.br

 

Criado em 2015 para qualificar e modernizar a gestão pública de Santa Catarina, o programa Estado na Medida apresenta os primeiros resultados práticos. Projeto-piloto desenvolvido pelas secretarias estaduais da Fazenda e da Administração, por meio do Escritório de Processos, viabilizou o desenvolvimento de nova metolodologia de trabalho no Instituto de Previdência do Estado (Iprev). As mudanças, na prática, devem simplificar e reduzir o tempo de atendimento aos aposentados e pensionistas e gerar economia de cerca de R$ 20 milhões com despesas e investimentos futuros. O encerramento da primeira rodada de capacitações ocorre nesta terça-feira, 20, a partir das 16h, com a entrega de certificados a 20 gestores do Iprev.

Idealizador do programa Estado na Medida, o secretário da Fazenda Almir Gorges defende a qualificação da gestão pública. “Os recursos financeiros e humanos têm de ser bem aplicados. É preciso direcionar os investimentos para áreas prioritárias, focar na produtividade e tirar proveito das tecnologias”, explica Gorges. Para o secretário da Administração, Milton Martini, é necessário investir na modernização para oferecer serviços de qualidade aos cidadãos. “O objetivo é ter um Estado mais eficiente e enxuto. Precisamos investir sempre na melhoria da qualidade do gasto público”, enfatiza Martini.

IPREV

Durante 78 horas/aula de capacitação, os 20 participantes analisaram os processos de pensões e aposentadorias e apresentaram aos gestores do Iprev o redesenho do modelo, focados na automação e nos serviços digitais. Agora, com a certificação, ocorre a segunda fase do trabalho, que é a implantação desta nova metodologia. A revisão dos processos deve reduzir retrabalhos, garantir a readequação da mão-de-obra (o uso de sistemas reduz em 70% o trabalho humano) e a otimização de recursos. Os cálculos mostram que o Estado pode poupar cerca de R$ 20 milhões em despesas futuras com a aquisição de programas e manutenção de infraestrutura.


ESTADO NA MEDIDA

Desenvolvido pela Secretaria de Estado da Fazenda com o apoio da Secretaria de Estado da Administração, o programa Estado na Medida foi instituído pelo Decreto 188/2015 com uma meta ousada: identificar processos que poderiam ser revistos ou mesmo automatizados e estabelecer o número ideal de servidores na administração estadual.

Para viabilizar o levantamento das informações, a capacitação e implantação de um novo modelo, foi criado o Escritório de Gestão de Processos do Poder Executivo Estadual (EPROC-SC), que está vinculado à Secretaria de Estado da Administração e hoje é o responsável pela realização dos cursos de “Gerenciamento de Processos de Negócio” -  o objetivo é levar a capacitação aos agentes públicos de todo o Estado no segundo semestre de 2017.

Coordenadora do EPROC/SC, Alexandra Dias explica que o desafio é disseminar a cultura de processos na administração estadual, trabalho que envolve um grupo multidisciplinar. “A implantação deste novo modelo é um marco para a gestão pública estadual: garante agilidade e qualidade na prestação de serviços públicos ao mesmo tempo que proporciona reduzir despesas e otimizar recursos”, explica.

Paralelamente a capacitação, há o investimento em tecnologia. Ainda em 2017, os gestores públicos catarinenses terão à disposição um sistema de automação de processos, que inclui um gerenciador de tarefas, um painel de acompanhamento dos serviços, relatórios gerenciais personalizados e ferramentas mais ágeis de comunicação entre os agentes e os cidadãos.  

Informações adicionais para a imprensa:

Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Fazenda
Aline Cabral Vaz
E-mail: avaz@sef.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2575 / (48) 8843-8352
Cléia Schmitz
E-mail: cschmitz@sef.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2572/ (48) 9157-1980
Sarah Goulart
E-mail: sgoulart@sef.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2504/ (48) 8843-8553
Rosane Felthaus
E-mail: rosanef@sef.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3506/ (48) 9109-8513
Site: www.sef.sc.gov.br


Chico Alves
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Administração
Fone: (48) 3665-1636 / 99153-5453
E-mail: chico_alves@sea.sc.gov.br e chicoalves72@gmail.com
Site: www.sea.sc.gov.br

 


Foto: Sabryna Sartott / GVG

O governador Raimundo Colombo determinou ao presidente da Celesc, Cleverson Siewert, e ao secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e Sustentável, Carlos Chiodini, a realização de estudo para estimular o Governo Federal a implantar uma política industrial para o carvão. A decisão foi tomada na tarde desta segunda-feira, 19, em reunião em Florianópolis com o vice-governador, Eduardo Pinho Moreira; o secretário de Articulação Nacional, Acélio Casagrande; o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral, Fernando Zancan, além de Chiodini e Siewert.

Zancan, responsável pelo projeto de extração de CO2 do carvão mineral, avaliou que o Estado tem reservas do minério para mais 50 anos e defendeu sua importância no sistema elétrico nacional. “Na Alemanha, por exemplo, (o carvão) é responsável por 42% da geração de energia, na Polônia, 82%; o Brasil também precisa do carvão e de um programa de incentivo ao seu consumo”, concluiu. O Laboratório de Captura de CO2, no Parque Tecnológico da Faculdade Satc, em Criciúma, deverá ser inaugurado neste ano.

Mais informações para a imprensa:
Vitor Hugo Louzado
Assessoria de Comunicação
Gabinete do Vice-Governador
Fone: (48) 3665-2283 / 99118-9821
E-mail: vhlouzado@hotmail.com 

 

A uma semana do fim das inscrições para o Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura, a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) fará uma apresentação do processo nesta terça-feira (20) em Imbituba. A reunião, que é aberta ao público, acontecerá às 17h, no Centro de Gestão e Educação em Saúde, na Rua Nereu Ramos, no Centro da Cidade. As inscrições abertas até o dia 26 de junho, por meio do site www.fcc.sc.gov.br/editalelisabeteanderle

Não há necessidade de se inscrever previamente para participar. O encontro será mediado por membros da Comissão de Organização e Acompanhamento (COA) do edital, que, além de apresentar a minuta, prestará esclarecimentos e orientações sobre como se inscrever no concurso que nesta edição é totalmente digital.

Com investimento total de R$ 5,6 milhões, o edital selecionará 176 projetos. Os recursos são do Governo do Estado, com promoção da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esportes (SOL), por meio da Fundação Catarinense de Cultura e do Conselho Estadual de Cultura. Podem participar do edital proponentes nascidos em Santa Catarina ou que residem no Estado há pelo menos dois anos. Ao todo são 11 premiações: Culturas Populares; Arte e Cultura Negra e Indígena; Artes Visuais, Dança, Literatura; Música; Patrimônio Material e Imaterial; Museus, Teatro e Circo, Apoio a Eventos Artísticos e Culturais; Bolsa de Trabalho, Intercâmbio e Residências.

Sobre o site

Com o site, o processo de inscrição e envio de projetos ao Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura será totalmente digital, eliminando a necessidade de impressão em papel e custos para o envio pelos Correios. Além da inscrição, ao acessarem a plataforma, os proponentes contarão com tutoriais (em vídeo e em texto) com todas as informações necessárias para inscrever suas propostas. Cada usuário cadastrará um e-mail e senha, garantindo a segurança e a privacidade dos dados.

Para sanar dúvidas, é possível consultar a COA por meio da seção Fale Conosco no site ou pelo e-mail anderle2017@fcc.sc.gov.br.

Ô Catarina!

Também na terça-feira, 20, em Imbituba, às 19h30, na Biblioteca Pública Cônego Itamar Luiz da Costa, a FCC fará o lançamento da edição # 87 do Suplemento Cultural de Santa Catarina – Ô Catarina! Editado pela FCC, o periódico apresenta um conteúdo diverso e exclusivo, com entrevistas, artigos, poemas, traduções nas áreas da literatura, música, artes visuais, teatro e artes visuais. Parceira no evento, a Biblioteca programou uma agenda de intervenções artísticas de Cutelinho e Dona Coisa, da Cia Desmontagem Cênica, e apresentação da Associação Coral de Imbituba e dos músicos Dorlin Nunes, Zeh Rocha e Igor do Canto Perfeito.

Informações adicionais para imprensa
Marcos Espíndola
Assessoria de Comunicação Fundação Catarinense de Cultura
Telefone: (48) 3664-2571
E-mail: imprensa@fcc.sc.gov.br
Site: www.fcc.sc.gov.br 
Twitter: www.twitter.com/fccoficial  
Facebook: www.facebook.com/FundacaoCatarinensedeCultura 

Na próxima terça e quarta-feira, 20 e 21, técnicos da Secretaria de Estado da Saúde (SES) apresentarão para gestores, prestadores de serviços e técnicos envolvidos no processo regulatório da Macrorregião do Sul, as ações estruturantes da Política Estadual de Regulação que visam à efetivação da Lei Estadual nº 17.066, de 11 de Janeiro de 2017, que dispõe sobre a publicação das filas de espera do Sistema Único de Saúde (SUS) na internet. O encontro será realizado na Associação Empresarial de Criciúma (ACIC).

A superintendente de Serviços Especializados e Regulação, Karin Geller, informa que os técnicos da SES capacitarão, esclarecerão dúvidas e garantirão a transparência das ações regulatórias para a sociedade. Todo esse processo tem o apoio do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Santa Catarina (Cosems/SC) e a participação efetiva do Ministério Público.

O gerente da Central Estadual de Regulação de Internações Hospitalares, Arion Godoi, enfatiza que será exposta uma nova dinâmica na regulação das internações hospitalares, com a utilização do Sistema de Regulação (Sisreg), no módulo hospitalar para a gestão das filas de Cirurgias Eletivas.

A diretora de Planejamento, Controle e Avaliação do SUS, Claudia de Araujo Gonsalves, diz que este evento será replicado em todas as macrorregiões do Estado. “Na Macrorregião da Foz do Rio Itajaí já foi realizada a ação nos dias 31 de maio e 1º de junho. Obtivemos participação efetiva de todos os municípios e hospitais da região”, destaca Cláudia.

Decka Cortese, gerente dos Complexos Reguladores, acredita que no Sul também será possível fortalecer os processos de trabalho em todos os municípios e hospitais. “Estimamos que sejam capacitados mais de 180 profissionais somente nesta macrorregião”, estima Decka.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Vicente Caropreso, estas ações produzirão mais transparência das filas do Sistema Único de Saúde (SUS). “Além disso, haverá maior capacidade regulatória e fiscalizatória, otimização dos recursos, fortalecimento do processo de regionalização e reafirmação do compromisso de todas as esferas com as diretrizes e os princípios do SUS”, acredita o secretário.  

Informações adicionais

Gabriela Ressel

Assessoria de Comunicação

Secretaria de Estado de Saúde

Telefone: (48) 3664-8822

E-mail: imprensa@saude.sc.gov.br/ secretariadeestadodasaude@gmail.com


Foto: Janaína Mônego / ADR Xanxerê 

Agência de Desenvolvimento Regional de Xanxerê, Unoesc, Epagri e Sesc realizaram na última semana a segunda etapa do VII Seminário Regional de Educação Ambiental. A atividade que aconteceu no Parque Estadual das Araucárias, em São Domingos, reuniu cerca de 450 pessoas entre estudantes, professores e apoiadores.

Durante todo o dia os alunos das escolas municipais, estaduais e escolas especiais participaram de diferentes oficinas e ainda de trilhas ecológicas.  O objetivo principal do evento foi de promover a reflexão e troca de experiências sobre a educação ambiental na região, além de promover de forma educativa a consciência e apreciação do patrimônio natural e sociocultural que existe na região.

O secretário executivo de Desenvolvimento Regional, Ademir Gasparini, destacou que um dos grandes diferenciais neste ano foi de levar os alunos para o Parque das Araucárias. “É um cenário lindo. O contato com a natureza é maravilhoso e proporcionar momentos como este para os nossos alunos, é também uma forma de conscientizá-los sobre a importância da preservação do meio ambiente. Este patrimônio natural precisa ser conservado”, explica.

Entre as oficinas, os alunos aprenderam sobre os alimentos orgânicos, sobre as espécies nativas frutíferas apropriadas pelo homem e compostagem, monitoramento da qualidade da água e inúmeras outras atividades.

A confecção de brinquedos sustentáveis foi um dos diferenciais do evento. Os alunos fizeram suas próprias petecas. “É uma atividade muito linda assim como todas as outras, mas esta também foi uma forma de mostrar pra eles que podemos construir nossos próprios brinquedos, e o melhor, de maneira sustentável”, disse a gerente de educação da ADR de Xanxerê, Elaine Alberti.

A intenção de realizar o Seminário no Parque Estadual das Araucárias foi de promover a conscientização dos alunos para a preservação do patrimônio natural e ainda proporcionar contato direto com a natureza.  O evento teve o apoio da  Secretaria de Estado  do Desenvolvimento Sustentável, SC Rural e FATMA.

Informação adicional para a imprensa: 

 Janaína Mônego
Assessoria de Comunicação
Agência de Desenvolvimento Regional de Xanxerê
E-mail: sdr-xanxere@xxe.sdr.sc.gov.br
Fone: (49) 3382-2018 e (49) 9804-6060
Site: adrs.sc.gov.br/adrxanxere