CRAS e CREAS Região de Curitibnaos 

A Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Curitibanos sediou nesta quarta-feira, 19, um encontro para debater a construção de uma unidade do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) em Ponte Alta do Norte e uma unidade do Centro de Referência Especializado em Assistência Social (CREAS) em Curitibanos. “Estamos visitando todas as regiões do Estado e o nosso roteiro prevê o anúncio da construção de unidades de CRAS e CREAS em municípios estratégicos para o bom atendimento da população”, disse o Secretário de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Valmir Comin.

Cada unidade de CRAS e CREAS tem um custo estimado em aproximadamente R$ 500 mil, com recursos do Pacto por Santa Catarina. O Secretário explica que todas as obras têm o período de seis meses para serem entregues e utilizadas pela comunidade. Comin relata que as reuniões com as equipes de cada região tem como objetivo aproximar a secretaria e seus técnicos das ADRs e dos municípios contemplados com a obra. “O trabalho precisa ser feito em sintonia, o andamento conferido de perto e com isso vamos conseguir evitar situações desgastantes como atrasos e problemas na qualidade dos serviços prestados”, acredita. “Estamos disponibilizando todo apoio necessário através da ADR de Curitibanos aos municípios da nossa região e esperamos em breve estarmos inaugurando mais duas importantes obras para nossa gente”, disse o secretário executivo da ADR de Curitibanos, Luiz Cesar Abrahão. 

Informações adicionais para a imprensa:
Fabio Claudino Fontana
Assessoria de Imprensa
Agência de Desenvolvimento Regional de Curitibanos
E-mail: ascom@cbs.sdr.sc.gov.br
Telefone: (49) 3412-3011 / 98839-0615
Site: www.adrs.sc.gov.br/adrcuritibanos



Maior comprador de milho do país, Santa Catarina diminui seu déficit e aumenta a produção em 18,6% nesta safra. Com 380,6 mil hectares plantados, a estimativa do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa/Epagri) é de que o Estado colha 3,2 milhões de toneladas de milho neste ano. A boa safra é resultado das condições climáticas favoráveis combinadas ao uso de alta tecnologia e ao aumento da produtividade, que chega a uma média de 141,6 sacas de milho por hectare.

O aumento da produtividade é o caminho para elevar a produção de milho e atender a demanda do setor produtivo de carnes. Em regiões como a de Chapecó, Canoinhas e Xanxerê os produtores estão colhendo em média 150 sacas por hectare, enquanto na região de Curitibanos a produtividade chega a 173,3 sacas por hectare. Agricultores de São Miguel do Oeste e Joaçaba também investem para aumentar o rendimento das lavouras e nesta safra a produtividade já é, respectivamente, 28,3% e 24,9% superior a do último ano.

A maior região produtora do Estado é a de Chapecó com uma safra estimada em 603 mil toneladas, 13,7% a mais do que em 2015/16. A área destinada ao grão também aumentou, com 63,4 mil hectares plantados e uma produtividade de 158,3 sacas por hectare. Em microrregiões que já se destacam na produção do grão, como Xanxerê, Joaçaba e Curitibanos, o aumento na produção é superior a 20% nesta safra.

Como o Estado se destaca na produção de carnes e leite, 75% da ração animal é formada pelo grão. Só o setor produtivo de carnes consome seis milhões de toneladas de milho/ano, ou seja, o dobro do que o estado produz.

O secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, ressalta a parceria dos produtores, cooperativas e Governo do Estado para aumentar a produção de milho em Santa Catarina e diminuir o déficit do grão. “Nós estamos ao lado dos produtores com o programa Terra-Boa, apoiando a aquisição de sementes de milho de alta tecnologia, e também com o Programa de Incentivo ao Plantio de Milho, que garante a venda antecipada do milho para as agroindústrias. São programas que dão um suporte para os produtores e incentivam o investimento em tecnologia para aumentar a produtividade. Santa Catarina é um grande produtor de carnes e não existe suinocultura e avicultura sem milho”.

Este ano, os investimentos no Terra-Boa chegam a R$ 50,9 milhões para subsidiar a aquisição de 220 mil sacos de sementes de milho, 300 mil toneladas de calcário, 1,1 mil kits forrageira e 350 kits apicultura. A expectativa é atender 70 mil agricultores em no Estado.

Cerca de 73% do milho plantado na primeira safra já foi colhido e 92% da área de milho safrinha já foi plantada. Os números sobre a produção de milho e de outras culturas em Santa Catarina estão disponíveis no Boletim Agropecuário, publicado pelo Cepa/Epagri.

Milho Silagem

A safra de milho silagem, utilizado na alimentação de bovinos de corte e leite, também teve crescimento em Santa Catarina. O Estado deve colher 9 milhões de toneladas de milho silagem 10,9% a mais do que na safra 2015/16. Com uma área plantada de 216 mil hectares, a produtividade chega a 41,9 toneladas por hectare. Até o inicio de abril, cerca de 95% da área de milho silagem já havia sido colhida em Santa Catarina.

Informações adicionais:
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca
imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48)-3664-4417/ (48) 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br 
www.facebook.com/AgriculturaePescaSC/ 

Santa Catarina espera uma safra de 2,3 milhões de toneladas, 11% a mais do que no último ano. A área plantada da safra 2016/17 é a maior dos últimos anos, com 652 mil hectares destinados ao grão. A soja é ainda um importante produto na pauta de exportações de Santa Catarina, respondendo por 10,2% de tudo o que foi exportado pelo Estado em março. Com 65% da área plantada de soja já colhida, se confirma a expectativa de uma boa safra.

Segundo estimativas do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa/Epagri), Santa Catarina tem uma área plantada de 652 mil hectares, concentrados principalmente nas regiões de Xanxerê, Curitibanos e Canoinhas. A soja ganha espaço ainda em outras regiões como São Bento do Sul e Concórdia, onde a área plantada aumentou, respectivamente, 44% e 37% nesta safra.

O secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, explica que existe uma relação entre a produção de soja e a produção de proteína animal em Santa Catarina. “Nós não somos o maior produtor de soja do país, mas somos o maior produtor de suínos, o segundo maior produtor de aves e o quarto maior produtor de leite. E essas atividades são totalmente relacionadas à produção de soja”.

As lavouras catarinenses de soja devem ter um rendimento médio de 3,6 toneladas por hectare, 10% a mais do que na safra 2015/16. A maior produtividade do Estado está na região de Curitibanos, onde a média deve chegar a 4,1 toneladas por hectare, 19% a mais do que na safra 2015/16.

As exportações também seguem um ritmo de crescimento, em 2016 a quantidade de soja exportada foi 21% superior à observada em 2015. Ao todo foram exportadas 1,5 milhão de toneladas, que geraram uma receita de US$ 199 milhões. De janeiro a março a 2017, Santa Catarina exportou 477 mil toneladas de soja em grão e para semeadura. Só no mês de março foram 203 mil toneladas, o dobro do volume médio exportado para o mesmo mês nos últimos cinco anos.

Os números sobre a produção de soja e de outras culturas em Santa Catarina estão disponíveis no Boletim Agropecuário, publicado pelo Cepa/Epagri.

Informações adicionais para a imprensa
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca 
E-mail: imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-4417/ 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br

del em curitibanos 20170404 1695034040

O protagonismo dos atores locais, a formulação de estratégias e a tomada de decisões econômicas. Estas são algumas das características do Programa de Desenvolvimento Econômico Local (DEL) que realizou nesta segunda-feira, 3, seu primeiro seminário no município de Curitibanos.

“O DEL é um programa da Facisc - Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina - e visa construir capacidade de desenvolvimento capaz de apoiar a perspectiva econômica e a qualidade de vida da população”, explica Osmar Vicentin, um dos responsáveis pela implantação do programa em Curitibanos.