Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Serviços em destaque

Vídeos

Com a Palavra, o Governador - 22 de dezembro de 2017

Com a Palavra, o Governador - 22 de dezembro de 2017

O Governador Raimundo Colombo dá sua mensagem de agradecimento pelo ano que passou e os votos de um feliz natal e próspero ano novo.

Oportunidades

Próximos eventos


Fotos: Helena Marquardt - ADR Ibirama

Lavouras completamente destruídas e tomadas pela lama. Esse é o cenário em boa parte das propriedades rurais do Alto Vale que foram atingidas pelos alagamentos ou mesmo pela grande quantidade de chuva que acabou comprometendo diversas culturas como a soja e também as hortaliças na região.

Em Lontras, a cidade mais afetada da Regional de Ibirama, as perdas já contabilizadas no setor somam R$ 1,5 milhão, mas segundo o secretário de agricultura da cidade, Mário Bini, o prejuízo vai muito além desse valor e nem pode ser calculado nesse momento. “Vimos que a área de hortaliças e também a de leite foram as mais atingidas, mas a principal perda foi nos solos e isso não podemos mensurar em valores porque vai desde os nutrientes até a erosão da terra e que vai afetar inclusive os próximos plantios”.

Ele destacou que toda ajuda será bem vinda para a recuperação da cidade, já que a enchente afeta todos os setores. “Nosso município é bastante agrícola e o próprio comércio se move em torno da agricultura, então sabemos que essas consequências serão sentidas em todos os setores, mas vamos trabalhar e auxiliar a população”.

Jason Kiefer, foi um dos centenas de agricultores afetados e estima que tenha perdido cerca de R$ 20 mil em verduras, além do equipamento de irrigação que dificilmente poderá ser reutilizado porque foi entupido perla lama. Na sua propriedade, que foi inundada pela terceira vez em menos de cinco anos, a água chegou a 40 centímetros na plantação de brócolis e alface, o que comprometeu totalmente a lavoura. “Ficou tudo debaixo do lodo e não se aproveita mais nada. Agora vamos esperar melhorar o tempo e plantar outra cultura para tentar recuperar o que foi perdido.”

Milton Esperandio também perdeu 100% dos 11 hectares de soja que plantou e que já estavam quase em fase de colheita, além de 60% da plantação de feijão, mas como já foi afetado por outras enchentes hoje procura diversificar a produção, o que garante ao menos o pagamento das dívidas e o otimismo. “A gente tem que ir tocando, porque não adianta parar. Sei que na agricultura podemos ganhar e perder, então o jeito é trabalhar”, ressalta.

A gerente de Políticas Socioeconômicas Rurais e Urbanas da Agência de Desenvolvimento Regional de birama, Edna Beltrame Gesser, visitou algumas das propriedades mais afetadas e acredita na força dos agricultores do Alto Vale para a recuperação das lavouras, aliada a ajuda do Governo do Estado. “Estamos aguardando a homologação dos Decretos de Emergência e contabilizando todos os dados para definir a melhor forma de ajuda, mas desde já sabemos que nosso povo é muito trabalhador, guerreiro e conseguirá se reerguer”.

Ela destaca que nesse momento o Governo já trabalha para conseguir a liberação de recursos estaduais e federais para atender as necessidades de todas as famílias atingidas. Pensando nisso, o governador Raimundo Colombo está em Brasília nesta terça-feira, 13, para apresentar oficialmente o relatório dos estragos. Como base nos relatórios preliminares, o pedido de apoio previsto é da ordem de R$ 40 milhões. 

Comitiva do governo federal visitou SC

Uma comitiva do governo federal com o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, e ministro de Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, chegou a Santa Catarina na manhã desta segunda-feira, 12. No estado eles sobrevoaram cidades atingidas e se reuniram com lideranças estaduais para tratar do apoio aos municípios.

Mais informações para a imprensa:
Helena Marquardt
Assessoria de comunicação 
ADR Ibirama
Fone (47) 3357-8908 / (47) 98819-9350
E-mail: imprensa@iir.adr.sc.gov.br
Site: sc.gov.br/regionais/ibirama
Facebook: www.facebook.com/regional.ibirama

agricu


Fotos: Julio Cavalheiro/Secom

As oportunidades do setor da Tecnologia da Informação foram o tema central da aula magna da nova turma de alunos do programa Entra21, em Blumenau. O evento foi realizado na manhã desta terça-feira,13, no Teatro Carlos Gomes, com a presença do governador Raimundo Colombo. O Entra21 capacita jovens dos 16 aos 29 anos de idade para o mercado de trabalho na área da tecnologia e da comunicação. Na última edição, além da contrapartida municipal, o Governo do Estado investiu, via Fapesc, R$ 800 mil no programa.

>>> Galeria de fotos

“Esse programa é uma referência para Santa Catarina e para o Brasil, porque capacita e cria oportunidades, especialmente aos jovens, para que se especializem na nova economia, na informática e na tecnologia. É um programa versátil, de tal forma que consegue se adaptar à evolução e às exigências do mercado. Com isso, o nível de aproveitamento dessa mão de obra se materializa na oferta de trabalho. Para o Estado, é geração de emprego e de desenvolvimento”, aponta o governador Raimundo Colombo.

O coordenador do Entra21, em Blumenau, Sérgio Tomio, reitera que o setor da Tecnologia da Informação ainda carece de mão de obra qualificada e reforça o alto índice de empregabilidade entre os participantes do programa. “A grande maioria dos nossos egressos já está fazendo carreira nas empresas da região e até no exterior. Quem se dedica, certamente, terá um futuro promissor nessa área”, projeta.

Formada no Entra 21 em 2014, a ex-aluna Roberta Cristina Fogaça falou da importância de ter participado do programa. Ela conta que, assim que concluiu a capacitação, foi chamada para trabalhar em uma empresa especializada na produção de softwares odontológicos. “Entrei como estagiária e hoje sou a gerente comercial da empresa. O Entra 21 foi fundamental, me qualificou, direcionou minha carreira e mudou minha vida”, comemora.

Representantes das empresas apoiadoras e parceiras do programa reforçaram que o curso é uma referência para a captação de mão de obra. “Diminui a necessidade de buscar profissionais de outros lugares e oportuniza aos jovens a chance de construir a vida profissional. Com toda a certeza, muitos dos que estão aqui hoje serão novos colegas de trabalho em um futuro breve”, informou um dos empresários que deram depoimento durante a aula magna.

Sobre o Entra21-Blusoft

No município de Blumenau, no Vale do Itajaí, o setor de Tecnologia da Informação está entre os que mais empregam, sendo que as maiores empresas da área projetam a necessidade de grandes volumes de contratação de mão de obra especializada nos próximos meses.

Cerca de 60% destes empregos estão na área de desenvolvimento e programação, que oferecem bons salários. Jovens com idade entre 16 e 29 anos interessados em ingressar neste mercado podem participar dos cursos totalmente gratuitos oferecidos pelo programa Entra21-Blusoft, que forma em torno de 300 novos profissionais a cada ano.

Os interessados devem estar cursando ou concluído o ensino médio e devem ser residentes em Blumenau ou cidades vizinhas. O programa atende também pessoas com deficiência. As aulas podem ser feitas no período matutino, vespertino ou noturno.

Os cursos em linguagem de programação têm carga horária de 400 horas e duração de cinco meses. Já as demais capacitações contam com 200 horas em média em três meses.

Desde 2006, o programa já beneficiou e encaminhou milhares de jovens para empregos de qualidade. O programa é financiado pelo Governo do Estado através da Fapesc, pela Prefeitura de Blumenau e pelas empresas de Blumenau e região.

Ele nasceu da necessidade de formação e reposição de mão-de-obra para o setor de informática do Vale do Itajaí, representado pelo Blusoft - Polo de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região de Blumenau.

Centro de Inovação reforça investimentos do Estado na área da Tecnologia

Outro investimento do Governo do Estado na área da Tecnologia em Blumenau é a construção do Centro de Inovação. A obra será uma incubadora de novos projetos na área e conta com investimentos de R$ 6,7 milhões.

Para o governador Raimundo Colombo, o espaço é fundamental para os avanços, as discussões e o fomento de iniciativas que vão resultar em novas oportunidades e desenvolvimento para todas as regiões do Estado.

“Esse é o nosso diferencial, temos bons equipamentos, a exemplo das universidades, que capacitam a nossa mão de obra e nos colocam à frente no mercado de trabalho, fortalecendo a nossa competitividade. Cada vez mais isso é decisivo. Quem não for eficiente, não tiver acesso às tecnologias do futuro, vai perder o espaço”, disse Colombo.

As obras do Centro de Inovação de Blumenau estão 40% concluídas e a previsão é que estejam finalizadas no primeiro semestre do ano que vem.

Em todo o Estado estão sendo construídos 13 Centros de Inovação. Além de Blumenau, as cidades de Lages, Chapecó, Itajaí, Jaraguá do Sul, Joaçaba, São Bento do Sul, Tubarão, Brusque, Criciúma, Florianópolis, Joinville e Rio do Sul terão as estruturas.

Informações adicionais para a imprensa
Francieli Dalpiaz 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: francieli@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3018 / 98843-5676
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Foto: Eduardo Zabot / ADR Tubarão 

No início deste mês o Governador Raimundo Colombo determinou a operação tapa-buracos nas rodovias estaduais assim que acabasse o período de chuva. O Estado tem sete mil quilômetros de rodovias e deste 5,5 são pavimentados. Nas SCs que ligam os sete municípios que abrangem a Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Tubarão os trabalhos iniciaram nesta segunda-feira, 12.


Foto: Julio Cavalheiro / Secom

Fundamentais na restauração da Ponte Hercílio, em Florianópolis, as barras de olhal chegaram na tarde desta segunda-feira, 12, ao canteiro de obras da empresa responsável pelos trabalhos. Ao todo, serão 360 destas peças que vão substituir as existentes, responsáveis pela sustentação da ponte. A previsão para o início da substituição das peças é outubro deste ano com prazo para até 12 meses para a conclusão.


Foto: Elvys Taffarel/ Epagri de São Miguel do Oeste

O excesso de chuvas dos últimos dias trouxe grandes prejuízos para o agronegócio catarinense e as estimativas iniciais apontam para perdas em torno de R$ 19,3 milhões. A Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca e o Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa/Epagri) calculam os prejuízos, principalmente nas safrinhas de feijão e milho, que estão em fase final de colheita, e na produção de leite. Uma atualização do relatório preliminar foi divulgado nesta segunda-feira, 12.

As regiões mais atingidas pelas chuvas foram o Oeste, Extremo-Oeste, Sul e Rio do Sul. O relatório preliminar de eventuais perdas no setor agropecuário em Santa Catarina utilizou dados levantados pelas gerências regionais da Epagri e por técnicos da Epagri/Cepa nas regiões mais afetadas do estado. O período considerado para os cálculos de prejuízos é de 27 de maio a 9 de junho, com base nas informações do Epagri/Ciram.

Região de São Miguel do Oeste

A produção de leite na região gira em torno de 1,7 milhão de litros por dia e as perdas nesse período de chuvas chegam a 10%. Considerando o preço médio pago pelas agroindústrias, que é de R$ 1,39/ litro, e os 14 dias de mau tempo, os prejuízos já somam mais de R$ 3,3 milhões.

Segundo o engenheiro agrônomo da Epagri em São Miguel do Oeste, Elvys Taffarel, há também perdas indiretas, com o aumento do custo de produção devido ao consumo de silagem e os gastos com saúde animal e reprodução.

Nas lavouras de milho silagem e sorgo o maior problema é a dificuldade na colheita. E nas plantações de feijão 2ª safra, a quebra na produção deve chegar a 40%. Os produtores não conseguem colher os grãos e as estimativas são de que 12 mil sacas de feijão sejam perdidas, um prejuízo que passa de R$ 1,4 milhão (considerando o preço médio de R$ 118/saca).

Os impactos nas lavouras de milho grão e soja ainda não foram quantificados.

Região de Rio do Sul

Com uma safrinha de feijão esperada de 3,1 mil toneladas, as regiões de Rio do Sul e Ituporanga devem perder cerca de 500 toneladas do grão.  Em termos financeiros, os prejuízos podem chegar a R$ 940 mil.

A produção de leite também foi comprometida, principalmente, pelo estrago nas estradas o que impossibilitou a coleta do produto em várias comunidades. O técnico da Epagri na região, Saturnino C. dos Santos, explica que até o momento as perdas ainda não foram quantificadas.

Região de Chapecó

Somadas as microrregiões de Chapecó, Concórdia e Xanxerê, que somam 71 municípios, as estimativas para a safrinha de feijão eram de 22,2 mil toneladas de produção. Como metade da área plantada já colhida, as chuvas comprometeram a colheita e a qualidade de 50% da safra.

Segundo informação obtidas com técnicos e produtores dos municípios afetados, cerca de cinco mil toneladas poderão ser perdidas, o que representa um prejuízo entre R$ 8 e R$ 10 milhões.

Ainda não há registro de perdas na produção de leite, mesmo com dificuldades, as coletas continuam sendo feitas.

Região de Joaçaba

Os prejuízos maiores são sentidos na atividade leiteira, com redução de até 15% na produção diária. De acordo com o técnico da Epagri da região, Evandro Anater, considerando um volume de captação de 300 mil litros por dia e o preço de R$ 1,30/litro, o prejuízo pode passar de R$ 682 mil em 14 dias.

A safrinha do milho para silagem foi bastante afetada também, com tombamentos em algumas áreas. No milho grão, são esperadas poucas perdas. A colheita tem avançado nas últimas semanas, sobrando menos de 10% da área plantada por colher.

Região Sul Catarinense

Na região de Criciúma, as perdas estão concentradas nas atividades de horticultura, principalmente nas folhosas.

Na pecuária de leite, as perdas giram em torno de 20% em decorrência das pastagens de inverno não se desenvolverem plenamente.

E a safrinha de feijão também foi comprometida. Como 85% do que foi plantado ainda deveria ser colhido, as perdas podem passar dos 30%. A expectativa de colheita era de 6,1 mil toneladas nas regiões de Tubarão, Criciúma e Araranguá e cerca de 1,5 mil toneladas estarão comprometidas, abandonas das lavouras e/ou o que for colhido não ter qualidade comercial. As perdas podem chegar a R$3 milhões.

Região de Canoinhas

Na região de Canoinhas, os principais problemas estão na atividade leiteira. A captação de leite continua a ser feita por acessos alternativos, por causa das estradas interditadas, porém as pastagens estão sendo danificadas pelo excesso de chuvas.

No município de Ireneópolis, onde o plantio de cebola é realizado sob o sistema de plantio direto, poderá ocorrer replantio de algumas áreas devido às enxurradas.

Informações adicionais para a imprensa
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca 
E-mail: imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-4417/ 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br

Página 205 de 251