Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Vídeos

A homenagem do Governo do Estado a todas as mulheres

A homenagem do Governo do Estado a todas as mulheres

A força, a esperança, a persistência e a superação. Atributos importantes no trabalho, nos estudos e na vida familiar são destacados na mensagem em vídeo divulgada nas redes sociais e compartilhado em grupos de WhatsApp. Foi a maneira que o Governo de Santa Catarina encontrou para homenagear as mais de 3,6 milhões de mulheres catarinenses

 

Oportunidades

Próximos eventos

 

A Campanha Estadual de Vacinação contra a Febre Amarela será realizada entre os dias 20 de março e 20 de abril, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive). Nesse período, todos os moradores do Estado, a partir de 9 meses de idade, devem procurar uma unidade de saúde para a vacinação contra a doença. Hoje, 56% do público-alvo estão imunizados e a meta é chegar a 95%.

O alerta vermelho em Santa Catarina acendeu quando o Paraná registrou uma morte pela efermidade, no dia 7 de março. Um homem, trabalhador da zona rural de Morretes (PR), que não tomou a vacina, morreu.

De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde, Raquel Ribeiro Bittencourt, o aparecimento de casos no estado vizinho significa que o vírus, antes no estado de São Paulo, está descendo e pode chegar a qualquer momento a Santa Catarina. “Isso nos preocupa, porque quase a metade dos catarinenses não está imunizada”, esclarece.

Por causa disso, em um entendimento entre os municípios catarinenses e o Estado, foi definida a realização da campanha.

A diretora Dive, Maria Teresa Agostini, alerta que a vacina é a única forma de prevenção. “Lembrando que as doses estão disponíveis gratuitamente nas unidades de saúde de todo o Estado”, afirma a diretora.

Febre amarela

A febre amarela é uma doença grave que pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente. Ela é causada por um vírus transmitido pela picada do mosquito, não há transmissão de pessoa a pessoa.

No Brasil, os casos de febre amarela são classificados como silvestre. Não há informação de febre amarela urbana. Ainda assim, como a população catarinense que vive na área urbana está exposta a bordas de mata, fragmentos de mata, como parques, praças arborizadas, jardins botânicos e áreas periurbanas (áreas de mata próxima das cidades), o risco dos mosquitos silvestres, Haemagogus e Sabethes, transmitirem a doença é alto.

Os principais sintomas são: início súbito de febre; calafrios; dor de cabeça intensa; dores nas costas; dores no corpo em geral; náuseas e vômitos; fadiga e fraqueza. Alguns melhoram após esses sintomas iniciais. No entanto, entre 15% e 60% das pessoas que apresentam esses sintomas evoluem para a forma mais grave da doença.

Nos casos graves, a pessoa pode desenvolver algumas complicações como febre alta; coloração amarelada da pele e do branco dos olhos; hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal); e eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Destes que apresentam sintomas mais graves, entre 20% e 50% podem morrer.

A única forma de prevenir a febre a amarela é com a vacinação. Apenas uma dose é suficiente para ficar protegido durante toda a vida. “É importante reforçar também que quem já tomou uma dose está imunizado, não é preciso fazer o reforço após 10 anos”, lembra a médica infectologista da Dive, Marise Mattos.

Informações adicionais para imprensa:
Amanda Mariano
Bruna Matos
Patrícia Pozzo
Assessoria de Imprensa
Diretoria de Vigilância Epidemiológica de SC
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
Instagram: @divesantacatarina Facebook: Dive Santa Catarina
Fone: (48) 3664-7406/(48) 3664-7402/(48) 3664-7385
Site: www.dive.sc.gov.br

 Foto: James Tavares/ Secom

"Esse é um novo jeito de governar. Não para quem governa, mas para as pessoas que vivem em Santa Catarina. Estamos economizando porque diminuímos o número de contratos e reduzindo o gasto com combustíveis"

Carlos Moisés
,
governador do Estado

Menos gastos para o Governo do Estado, mais facilidade para o servidor na hora de abastecer e melhoria nos serviços prestados à população catarinense. Essas são as principais vantagens do novo modelo de aquisição de combustíveis da frota estadual implementado pela Secretaria de Estado da Administração (SEA) no começo deste ano. Só nos dois primeiros meses de 2019, houve uma redução de consumo equivalente a 130,4 mil litros de gasolina e óleo diesel – e a expectativa é que essa economia represente R$ 6,2 milhões para os cofres estaduais até o fim do ano.

Para se ter uma ideia, o volume de combustível é o suficiente para um carro popular com rendimento de 10km/litro percorrer um trecho de 1,3 milhão de quilômetros – é como ir cem vezes de Santa Catarina ao Alasca ou três vezes da Terra à Lua. Além da economia, o novo sistema também ampliou a rede credenciada: de 300 postos, em dezembro passado, para 677 em fevereiro deste ano.

VEJA MAIS OPÇÕES DE IMAGEM NA GALERIA DE FOTOS

Essa mudança facilitou o serviço e reduziu o tempo de atendimento nas ocorrências. Em Bom Jardim da Serra, por exemplo, as viaturas precisavam se deslocar até a cidade vizinha, Urubici, para abastecer em um posto credenciado. Isso gerava a necessidade de rodar até 100 quilômetros apenas para encher o tanque. “Antes havia um único posto por cidade e, em alguns casos, a viatura precisava se deslocar muitos quilômetros do quartel para abastecer. Isso gerava muito custo com o combustível e muito mais dinheiro despendido, além de um maior tempo-resposta no atendimento de ocorrências”, diz o tenente Marcelo dos Santos Rodrigues, chefe do Centro de Viaturas e Equipamentos do Corpo de Bombeiro Militar de Santa Catarina.

O processo extinguiu 2.688 contratos diferentes, que eram administrados pela SEA, com os postos e outras secretarias. Agora, uma única empresa foi licitada para fornecer o combustível para o Estado. “Esse é um novo jeito de governar. Não para quem governa, mas para as pessoas que vivem em Santa Catarina. Por isso, a importância de fazermos uma gestão íntegra, transparente e com melhores resultados para o governo de Santa Catarina e a população catarinense”, destaca o governador Carlos Moisés.

O secretário de Estado da Administração, Jorge Eduardo Tasca, explica que a equipe da pasta trabalhou para contratar uma ferramenta que permitisse às viaturas localizar postos durante o período de serviço. “Com isso estamos tendo uma economia significativa. Isso demonstra que boa gestão tem a capacidade de gerar recursos financeiros que serão aplicados posteriormente nas atividades de maior interesse do Governo do Estado e que impactem diretamente o cidadão”, afirma o secretário.

 Foto: Cristiano Estrela/ Secom

Estado vira cliente VIP

Para os fornecedores, é como se o Estado passasse de mau pagador a cliente VIP. Antes a liquidação da dívida era demorada, o que fazia com que os postos cobrassem um preço fixo até 10% superior ao praticado direto na bomba. “Alguns empresários levavam até 60 dias para receber. Hoje, com uma única empresa licitada, pagamos o litro pelo valor da bomba, com desconto, porque compramos em grandes volumes”, diz o gerente de Projetos da SEA, Aarão Luiz Schmitz, que se debruça há mais de um ano com a equipe para buscar alternativas que facilitem a gestão da frota.

Outro benefício é a possibilidade de abastecer em postos fora do estado. “As equipes do Corpo de Bombeiros Militar, que se deslocaram até Brumadinho para ajudar as vítimas da barragem, tiveram que abastecer em São Paulo e em Minas Gerais. No antigo modelo isso seria impossível. Agora, como nosso contrato é direto com apenas uma empresa, ela faz o credenciamento do posto, que pode ser até em outro país”, explica Schmitz. 

Facilidade na palma da mão

O sistema funciona por meio de um aplicativo de smartphone, que reúne todas as informações. O acesso remoto facilita a vida dos motoristas que, de qualquer parte do estado, pode checar locais mais próximos para abastecer e o preço aplicado em cada estabelecimento. O pagamento é feito por um cartão com senha, diretamente no caixa do posto. 

Informações adicionais para imprensa
Krislei Oechsler
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Administração - SEA
E-mail: comunicacao@sea.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-1636 /(48) 99105-4085
http://www.sea.sc.gov.br 

Nesta sexta-feira, 15, foi realizada a primeira reunião entre Governo do Estado e a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) para elaboração de um novo modelo para a política industrial catarinense. O objetivo é reduzir custos de produção e melhorar a competitividade da economia local. “Teremos encontros com os setores da cadeia produtiva para discutir uma política que atenda os interesses coletivos. Estamos criando um projeto para valorizar o produtor, melhorando a renda das famílias que vivem nas áreas rurais”, disse o secretário de Estado da Fazenda (SEF/SC), Paulo Eli.

Na próxima semana, o secretário de Estado da Agricultura e Pesca (SAR), Ricardo de Gouvêa, receberá diversos representantes do agronegócio para debater a nova política. Paralelamente, a Fiesc organizará uma agenda com o setor industrial. O primeiro segmento a ser atendido será o têxtil, na próxima quarta-feira, 20.

O professor Luiz Felipe Ferreira, que assumirá como controlador-geral do Estado após a reforma administrativa, salientou que o foco do Governo do Estado será a simplificação. “Temos que achar um ponto de equilíbrio e queremos ouvir a proposta da indústria e demais segmentos”, afirmou.

O diretor institucional da Fiesc, Carlos José Kurtz, destacou a importância de promover a sinergia entre os setores público e privado: “Quando o Governo promove o diálogo, amplia a capacidade de acertar”.

Participaram também da reunião o presidente da Câmara Tributária da Fiesc, Evair Oenning, e Naiara Augusto, que assumirá como secretária de Integridade e Governança de Santa Catarina.

Informações adicionais à imprensa:
Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado da Fazenda
Michelle Nunes
jornalistaminunes@gmail.com
(48) 3665-2575 / (48) 99929-4998
Sarah Goulart
sgoulart@sef.sc.gov.br
(48) 3665-2504 / (48) 99992-2089

Foto:Gil Leonardi/Imprensa MG

A criação de um consórcio entre os sete estados que compõem as regiões Sul e Sudeste do Brasil foi tema de encontro, em Belo Horizonte, com a participação do governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, e outros cinco governadores das duas regiões. A ideia do Cosud é integrar esforços em 10 áreas comuns: segurança, saúde, educação, turismo, sistema prisional, logística/transporte, combate ao contrabando, desburocratização, desenvolvimento econômico e inovação, além de tecnologia. Os sete estados juntos são responsáveis por 70% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Moisés defendeu que a união por meio do Consórcio Integrado entre Estados do Sul e Sudeste pode resolver a disputa fiscal existente entre as unidades federativas. “É oportunidade de discutirmos os incentivos fiscais que hoje acabam promovendo essa guerra. Os estados quando unidos de maneira regionalizada promovem regiões mais fortes e consequentemente um país mais forte”, ressaltou.

O governador anfitrião, Romeu Zema, acrescentou que o projeto vem reunir esforços, para que os estados possam compartilhar práticas e fazer aquisições em conjunto, via consórcio. “Todos serão beneficiados dessa integração”, afirmou.

A reunião deste sábado contou com a presença dos governadores Renato Casagrande, do Espírito Santo, Wilson Witzel, do Rio de Janeiro, Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, e João Doria, de São Paulo, além de Moisés e Zema. O representante do Paraná, Ratinho Júnior, não compareceu por problema de agenda.

Outro tema abordado foi a reforma da previdência em tramitação no Congresso Nacional, que contou com o apoio de todos os governadores presentes: “Santa Catarina apresenta apoio incondicional à reforma por entender que o desenvolvimento do nosso estado e da nossa região passa pelo investimento estrangeiro, pela confiança do empresariado e tudo isso passa pela reforma da previdência”, disse Moisés.

Essa também foi a opinião dos demais governadores. Em pronunciamento à imprensa, Zema disse que o grupo de chefes de Executivo compartilham da opinião de que a votação da reforma é essencial para o crescimento econômico dos estados e para a superação da crise financeira atual.

Outros pontos tratados também durante a reunião neste sábado foram o combate ao contrabando e a segurança nas fronteiras interestaduais, além da Lei Anticorrupção, que irá ajudar os governantes em diversas frentes. Além disso, a desburocratização do Estado e de impostos também esteve em pauta.

O governador de São Paulo, João Doria, que será o anfitrião do próximo encontro do Cosud, pontuou que o objetivo é reunir, já em abril, governadores e seus secretários de Estado para prosseguir com o trabalho de integração iniciado em Minas.

*Com informações da Agência Minas Gerais

Na semana em que se comemora o Dia do Consumidor, 15 de março, o Procon de Santa Catarina realizou, em parceria com representantes da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e o Procon de Florianópolis, uma série de ações de fiscalização e orientação relacionadas ao mercado de combustíveis.

Durante as fiscalizações, foram analisadas, por meio de testes, a qualidade do combustível (diesel, álcool, gasolina comum e as aditivadas), bem como a regularidade das bombas, além da documentação e as informações fornecidas ao consumidor.

“As fiscalizações dos postos de combustíveis revela a situação real do consumidor que não dispõe de meios para verificar a veracidade daquilo que muitas vezes adquire. Fato este que legitima a ação do Procon, onde são realizadas iniciativas de fiscalização, como a aferição da qualidade do combustível e agindo com transparência e respeito diante do consumidor”, afirma o diretor do Procon/SC, Arthur Figueiredo.

Na sexta-feira, Dia do Consumidor, o Procon estadual participou também de uma ação especial no Calçadão da Felipe Schimidt, no Centro de Florianópolis. A ação teve o objetivo de orientar os consumidores dos seus direitos e deveres e cuidados na hora da compra.

“O consumidor requer segurança, informação, possibilidade de escolha e precisa ser escutado, premissas das leis vigentes de proteção. Órgãos Públicos têm o dever de prestar serviços de qualidade e garantir o bom atendimento. Ações como essa vão ao encontro desses pilares citados, cujo objetivo maior é orientar, conscientizar e zelar pelos direitos dos consumidores”, lembra o secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Lucas Esmeraldino.

Informações adicionais à imprensa:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDS
Jornalista: Mônica Foltran
Telefone: (48) 3665 2261/ (48) 99696 1366

Página 6 de 411

Conecte-se