Encontre serviços oferecidos pelo Governo de SC

Reunimos neste site tudo o que o Governo pode fazer por você

Notícias em destaque

Serviços em destaque

Vídeos

Com a Palavra, o Governador - 23 de junho de 2017

Com a Palavra, o Governador - 23 de junho de 2017

O governador Raimundo Colombo fala sobre as obras de infraestrutura em São Joaquim, os números do Caged e o aumento nas exportações.

 

Oportunidades

Próximos eventos


Fotos: James Tavares/Secom

O governador Raimundo Colombo esteve reunido na manhã desta terça-feira, 6, na Prefeitura de Blumenau, com o prefeito Napoleão Bernardes e com o Grupo de Resposta e Ação Coordenada (Grac), para uma avaliação do nível do Rio Itajaí-Açú e das chuvas que atingem o estado desde a última semana.

“As barragens cumpriram um papel importante, tanto na capacidade de contenção, com a sobre-elevação, quanto no esvaziamento nos novos canais. Infelizmente o volume de chuva é muito alto e a barragem de Ituporanga verteu. Estamos conseguindo segurar bem a de Taió, e a de José Boiteux está com a capacidade muito grande de reservatório. Elas estão respondendo bem e cumprindo de forma importante o papel de reter a água e proteger as pessoas nas cidades”, disse Colombo.

Durante o encontro, os órgãos que fazem parte do Grac relataram ao governador a situação nas diversas áreas que atuam. O secretário executivo da ADR Blumenau, Emerson Antunes, disse que a situação da rede estadual de ensino é normal e até o momento não foram suspensas as aulas na região. O Samu e Corpo de Bombeiros Militar não registraram atendimento emergencial devido às chuvas e não houve vítimas.

O secretário regional da Defesa Civil, Rodrigo Quadros, falou dos números de pessoas atingidas com as chuvas desde o domingo, 4, e a situação atual do nível do Rio Itajaí-Açú. “O rio está com 8,5 metros, e estamos acompanhando a evolução. São mais de 136 ocorrências, sendo 26 registradas na madrugada de segunda para terça-feira. Todas elas são de deslizamento. No total, são mais de 86 ocorrências envolvendo deslizamentos. Cinco residências foram interditadas e nove pessoas foram levadas a abrigos por causa das cheias”, disse.

“Hoje estamos montando equipes para fazer vistorias que não fizemos antes por causa de muita chuva. Pretendemos fazer cerca de 40 vistorias”, concluiu Quadros.

O Grac

O Grupo inclui várias corporações fundamentais para atendimento à população em caso de enchente. É formado por diversos órgãos que atuam diretamente em situações de desastres naturais. Entre os integrantes, estão representantes da Defesa Civil, Polícia Militar, Exército, Bombeiros, Samu, Guarda Municipal de Trânsito, rádio-operadores e secretarias municipais. Eles se reúnem periodicamente para discutir ações de prevenção e como agir antes, durante e depois de situações de risco.

Leia também:

>>> Mais de 27,6 mil pessoas já foram afetadas pela chuva em Santa Catarina

>>> Bombeiros e Defesa Civil elaboram plano de ação para minimizar impactos das chuvas na regional de Ibirama

>>> Na Defesa Civil, governador acompanha reunião sobre situação das chuvas no Estado com o Grupo de Ações Coordenadas

>>> Corpo de Bombeiros monta Sala de Operações em Rio do Sul para atender vítimas das cheias

Informações adicionais para a imprensa:
Rafael Vieira de Araújo 
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom
E-mail: rafael@secom.sc.gov.br  
Telefone: (48)  3665-3018 / 99116-8992
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e  @GovSC


Fotos: Bombeiros/SC

Um bebê nasceu durante o resgate da mãe em Rio do Sul, na noite desta segunda-feira, 5. Ela tentava chegar à embarcação do Corpo de Bombeiros Militar, que a levaria até o hospital. Em virtude da maior parte da cidade estar alagada, em decorrência das cheias no estado, os bombeiros tiveram que utilizar barcos para chegar à casa da gestante no Bairro Sumaré, estrada Bonfim, no interior do município. 

Os quatro soldados do Corpo de Bombeiros Militar, que compõem a Força-Tarefa 09 de Canoinhas, foram acionados pouco depois das 18h para atender a gestante. Eles cruzaram o rio, que transbordou e inundou a cidade, caminharam por acessos abertos entre morros e ainda utilizaram embarcações cedidas por populares para ultrapassar outras áreas inundadas.

Porém, quando conseguiram chegar à residência da gestante, o trabalho de parto já havia avançado. Os bombeiros levavam a mulher até o barco na tentativa de chegar ao hospital. Mas por conta do aclive acentuado, o bebê acabou nascendo no mato e sob chuva antes mesmo de chegar no barco. Depois que o bebê nasceu, os bombeiros protegeram a mãe e a criança e os conduziram, com a embarcação, até a unidade avançada do Samu para amparo médico. 

Na manhã desta terça-feira, os bombeiros que atenderam a ocorrência foram até o hospital para conversar com a mãe e ver o bebê. Ela e o filho passam bem. O menino se chama Tayler Felipe e é o primeiro filho dela.

Informações adicionais para a imprensa
Krislei Oechsler
Assessoria de Imprensa 
Corpo de Bombeiros Militares de Santa Catarina - CBMSC
E-mail: ccs@cbm.sc.gov.br
Fone: (48) 3251-9614 / 98843-4427
Site: www.cbm.sc.gov.br


Fotos: Julio Cavalheiro / Secom

O governador Raimundo Colombo participou, na tarde desta segunda-feira, 5, na sede da Defesa Civil do Estado, em Florianópolis, da reunião de trabalho do Grupo de Ações Coordenadas - que envolve todas as instituições de emergência do Estado e do Governo Federal - para definir estratégias de atuação na proteção das pessoas e ajuda aos municípios afetados pelas chuvas em Santa Catarina. 

Depois da reunião o governador viajou para Blumenau, onde vai acompanhar as ações deflagradas no Vale do Itajaí por causa das cheias.  Nesta terça, às 7h, participa de reunião na prefeitura de Blumenau para avaliar a situação. Depois, segue para Rio do Sul.

“Antes de tudo, é preciso reconhecer essa contribuição que é histórica e nos ajuda a superar desafios como este. Estamos mobilizados em alerta total para prestar o apoio necessário a todas as famílias e a todos os municípios”, disse Colombo.


Fotos: Monize Freiberger Leite/ADR Ibirama e Defesa Civil Lontras

Representantes da Defesa Civil de Santa Catarina, Bombeiros Voluntários e o secretário Executivo da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Ibirama, Jamir Marcelo Schmidt, se reuniram na tarde desta segunda-feira, 5, para elaborar um plano de ação do que pode ser feito para minimizar os impactos das chuvas que assolam o Alto Vale e já deixam milhares de famílias desabrigadas e desalojadas.

No encontro o coordenador Regional da Defesa Civil, Jaimerson Espindola, apresentou a previsão de chuva persistente para os próximos dias e destacou que todos os órgãos precisam estar preparados para enfrentar um cenário difícil e auxiliar a população. “A chuva que achávamos que iria cair de forma mais distribuída acabou se concentrando na região do Alto Vale, o que trouxe muitos impactos. Agora nossa melhor expectativa é de que chova de 100 à 130 milímetros até a quinta-feira, mas num cenário mais pessimista podemos chegar a 230 milímetros.”

Ele ressaltou ainda que a Defesa Civil já distribuiu itens de ajuda humanitária como alimentos, materiais de higiene e limpeza e colchonetes para os municípios mais afetados no Alto Vale como é o caso de Rio do Sul, e que cidades da região de Ibirama também podem receber os kits caso seja necessário.

No Vale Norte, de acordo com a Defesa Civil, os municípios mais atingidos são Lontras, onde 171 pessoas estão desabrigadas e quase 350 desalojadas, além de Ibirama, que já registou mais de 100 ocorrências em virtude das chuvas, a grade maioria de deslizamentos de terra que deixaram inclusive uma pessoa ferida.

Segundo o secretário executivo da ADR de Ibirama, outro ponto discutido na reunião foi a preparação dos municípios para a abertura de abrigos, que podem ser necessários para receber mais famílias que tenham que deixar suas casas.“ O Governo de Santa Catarina tem feito muito nos últimos anos investindo milhões em obras de prevenção como a sobre elevação das barragens e construção de radares que fazem a diferença em momentos como esse, mas mesmo assim muitos ainda podem ter que deixar suas casas nos próximos dias, e com certeza vamos trabalhar para atender todos da melhor forma possível” ressaltou.

Ibirama - Bombeiros e Defesa Civil elaboram plano de ação para minimizar impactos das chuvas na regional de Ibirama

Já o comandante dos Bombeiros Voluntários de Ibirama, Marcos da Silva, destacou que todos os equipamentos da corporação como botes, barcos e efetivo estão à disposição da comunidade e serão usados a qualquer momento para resgates e outras situações.

Comportas da Barragem Norte são fechadas

Depois de alguns dias de negociação com indígenas, que ocupavam a Barragem Norte em Jose Boiteux desde 2015 e impediam sua operação, técnicos da Defesa Civil puderam trabalhar no local e fechar as duas comportas do empreendimento, o que dará mais tranquilidade para a população do Médio Vale.

Mais informações para a imprensa:

Helena Marquardt
Assessoria de comunicação 
ADR Ibirama
Fone (47) 3357-8908 / (47) 98819-9350
E-mail: imprensa@iir.sdr.sc.gov.br
Site: www.adrs.sc.gov.br/adribirama
Facebook: www.facebook.com/regional.ibirama


Foto: Divulgação / Secom

Jaraguá do Sul e Brusque aparecem nas duas primeiras colocações como as cidades catarinenses, com população superior a 100 mil habitantes, com as menores taxas de homicídios por cada grupo de 100 mil habitantes. Outros três municípios – Tubarão, Blumenau e Florianópolis – também aparecem na lista de 41 cidades com as menores taxas. Os dados fazem parte do Atlas da Violência 2017, divulgado nesta segunda-feira, 5, pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (veja quadro aqui).

Jaraguá do Sul lidera o ranking nacional dos menos violentos, com taxas de 3,7 homicídios e mortes violentas com causa indeterminada para cada 100 mil habitantes. Brusque vem logo em seguida com 4,1 mortes. Blumenau, com 9,7; Tubarão, com 11,4, e Florianópolis, com13,4 mortes por cada grupo de 100 mil habitantes completam a lista dos municípios catarinenses com as menores taxas de assassinatos.

No recorte feito apenas entre as capitais Florianópolis, em Santa Catarina, é a melhor colocada. No outro extremo está Fortaleza, no Ceará, com pior indicativo.

Os jovens de 15 a 29 anos são as principais vítimas de homicídio no Brasil e, entre 2012 e 2015, mais de 30 mil pessoas nessa faixa etária foram assassinadas por ano no país.

De 2005 a 2015, o número de jovens mortos no país cresceu 16,7%. Enquanto a taxa de homicídios da população em geral é de 28,9 casos para cada 100 mil habitantes, entre os jovens a proporção é de 60,9 casos.

Informações adicionais para a imprensa
João Carlos Mendonça Santos
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Segurança Pública
E-mail: imprensa@ssp.sc.gov.br
Fone: (48) 3251-1117 / 98843-7615
Site: www.ssp.sc.gov.br

 

Página 18 de 58