Fotos: Divulgação / DCSC

A Defesa Civil de Santa Catarina finalizou nesta terça-feira, 11, a instalação de oito kits de transposição de obstáculos em Treze de Maio, no Sul do Estado. A última estrutura,  montada na localidade de Vila Maria, possui 10 metros de comprimento por seis de largura e capacidade para até 45 toneladas.


Entrega de kits em Garuva. Fotos: Divulgação / Defesa Civil de SC

O Governo de Santa Catarina, por meio da Defesa Civil estadual (DCSC), acompanha as ocorrências causadas pelas fortes chuvas que atingiram o estado. O monitoramento é realizado no Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CIGERD), em Florianópolis, referência internacional em ações de proteção. Neste sábado, 8, foram entregues itens de ajuda humanitária para moradores do município de Garuva, no Norte do estado.

No total, 47 famílias foram atendidas. Foram entregues 132 kits de higiene pessoal, 46 kits de limpeza, 25 kits de acomodação para solteiro, 28 kits de acomodação para casal e 30 colchões. São Francisco do Sul também recebeu 25 colchões de solteiro e 99 kits de limpeza. A DCSC continua de plantão devido à previsão de chuva para os próximos dias.

“O Estado de Santa Catarina, por meio da DCSC, tem mantido todo o apoio técnico aos municípios atingidos através de sua equipe e permanece 24 horas monitorando o sistema meteorológico, priorizando a segurança dos catarinenses”, explicou o chefe interino do órgão estadual, Alexandre Corrêa Dutra.

Os eventos meteorológicos são acompanhados em tempo real através do Centro de Monitoramento e Alerta, que funciona no CIGERD, de onde são emitidos avisos e alertas para toda a população. O objetivo é manter as pessoas em segurança e reduzir os prejuízos com informações que permitem ações de prevenção.

Ainda no CIGERD, o Centro Integrado de Operações permanece ativado em nível amarelo de observação, com profissionais de plantão acompanhando as ocorrências e preparados para prestar apoio aos municípios catarinenses.

Municípios decretam situação de emergência

Nos últimos dias, incidentes em função das chuvas foram registrados em 14 municípios das regiões Norte, Vale do Itajaí e litoral. Foram decretadas situações de emergência de nível municipal em Guaramirim, Ilhota, São Francisco do Sul, Garuva e Penha. A DCSC aguarda o encaminhamento da documentação necessária para a análise e possível homologação em nível estadual.

“Foram efetuadas ações de retirada preventiva de moradores de encostas instáveis, abertura de abrigos para recepção de pessoas afetadas e distribuição de itens de assistência humanitária. O monitoramento intensificado permanece, pois teremos a passagem de uma frente fria que deve trazer mais chuva neste domingo”, completou o diretor de Gestão de Desastres da DCSC, Aldrin de Souza.

Atenção para os próximos dias

A grande quantidade de chuva registrada no estado levou à saturação do solo, o que provocou redução da capacidade de absorção e escoamento da água em diversos municípios. Por isso foram emitidos avisos de risco de deslizamentos para 32 cidades catarinenses, com destaque para Garuva, Ilhota, Canelinha, Águas Mornas e Luiz Alves.

Confira no mapa todas as cidades e o nível de atenção, com dados deste domingo, 9:

De acordo com o Centro de Monitoramento e Alerta da DCSC, existe a previsão de chegada de uma frente fria para este domingo, 9, que deve provocar temporais isolados com grandes volumes de chuva em um curto espaço de tempo. Essa situação, em conjunto com o solo saturado, poderá resultar em alagamentos e deslizamentos.

Situação das estradas

A Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, por meio das Coordenadorias Regionais, faz reparos em vários pontos de Santa Catarina. Na SC-477, por exemplo, o trecho entre Rodeio e Timbó é monitorado pela Coordenadoria Regional do Vale, Prefeitura de Rodeio e Defesa Civil. Foram registrados dois desmoronamentos na via, mas o trabalho de limpeza estava concluído na tarde deste sábado.


Reparos nesta sexta-feira, 7. Foto: Divulgação / Secretaria da Infraestrutura

Além disso, foram registrados desmoronamentos no Rio Itajaí-Açu, junto a SC-412, bem próximo ao km 14.400. Neste caso, a Polícia Militar Rodoviária foi acionada e fez o isolamento do local para prevenção e apoio aos pedestres e ciclistas, mas o trânsito seguia normal na tarde de sábado.

Já na região Norte de Santa Catarina, a Coordenadoria Regional também trabalha em diversos pontos. Na cidade de Garuva, por exemplo, acontecem os trabalhos de limpeza e tapa-buracos para melhorar o trânsito e evitar riscos. Na Serra Dona Francisca (SC-418), algumas barreiras estão sendo removidas entre os km 15 e 29. A situação da SC-108, entre Guaramirim e Massaranduba, também é monitorada pela Coordenadoria Norte e pela Defesa Civil. O órgão interditou o trecho por questões de segurança. Após 48 horas sem chuva no local, os técnicos irão fazer uma nova análise para verificar a possibilidade de liberação do tráfego.

Além disso, foram registrados desmoronamentos no Rio Itajaí-Açu, junto a SC-412, bem próximo ao km 14.400. Neste caso, a Polícia Militar Rodoviária fez o isolamento do local para prevenção e apoio aos pedestres e ciclistas e o trânsito seguia normal na tarde de sábado.

Recomendações da Defesa Civil

A DCSC recomenda não transitar em áreas alagadas. A atenção deve ser redobrada para sinais de problemas nas estruturas nas residências. Rachaduras, paredes inclinadas, portas e janelas com dificuldade para fechar são alguns desses indícios.

Já nas proximidades de barrancos ou encostas, devem ser observados postes e árvores inclinados que indicam movimentação do solo ou risco de deslizamento.

Quando constatado qualquer sinal de problemas a indicação é deixar o local e acionar a Defesa Civil municipal ou o Corpo de Bombeiros Militar.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Fotos: Divulgação / CBMSC

O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) está treinando um novo filhote para integrar a equipe de cães de busca e resgate. Sasuke é um labrador vindo de São Paulo, treinado pelo soldado Guilherme Galli, em Otacílio Costa. 

A prova de certificação ocorre neste ano. “Foi uma longa jornada para chegar aqui, nesse momento, e daqui para frente vamos treinar muito para trazer um bom retorno à sociedade”, explica o soldado.

O filhote apresenta todas as características necessárias para o treinamento no CBMSC.

“Os labradores são cães com bastante energia, então ele precisa de estímulo mental e físico constante, mas tem a característica principal dos cães do CBMSC: a lida com pessoas. O Sasuke gosta de estar perto do Galli e também das pessoas”, explica o presidente da Coordenadoria de Serviço de Busca, Resgate e Salvamento com Cães, coronel Walter Parizotto.

“Além de todas essas características, ele é um cão com laudos negativos para as possíveis doenças comuns na raça labrador, o que é de extrema importância para as buscas e uma preocupação do CBMSC”, complementa.

Sobre o nome escolhido

O nome do novo integrante é de origem japonesa e foi escolhido por conta do significado, que quer dizer: “aquele que socorre, que dele esperamos socorro”. “Tem tudo a ver com o que ele vai exercer comigo”, conta Galli.

Nova geração de filhotes

A área de Busca, Resgate e Salvamento com Cães do CBMSC é referência internacional. Com mais de 15 anos de atuação foram desenvolvidas muitas técnicas de condicionamento e treinamentos para buscas, focadas no bem-estar animal. Saiba mais sobre os cães do CBMSC.



Apenas são empregados em buscas, os cães certificados e a primeira certificação ocorre após os 18 meses de vida do animal. O CBMSC conta com sete cães certificados: Hunter, Chewbacca, Iron, Zaara, Marley, Bravo e Jhonny. A cadela Sol, com 18 meses - idade para certificação – além de seis filhotes em treinamento, que devem participar de certificações neste ano: Dante, Léia, Moana, Orion, Bono e Sasuke.

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 


Foto: Defesa Civil / Arquivo / Flavio Vieira JR

O governador Carlos Moisés sancionou uma lei nesta semana que vai agilizar a liberação de recursos por meio de emendas parlamentares para os municípios que decretarem estado de emergência ou calamidade pública em Santa Catarina. A legislação estabelece que o Governo do Estado deve priorizar a execução orçamentária das emendas parlamentares, já publicadas no Diário Oficial, aos municípios. Isso deve ocorrer no prazo máximo de 30 dias, a contar da comunicação do estado.

A Lei 17.914 foi publicada no Diário Oficial do Estado em 29 de janeiro de 2020 e já está em vigor.

Projeto de Lei

Conforme o projeto de lei, de autoria do deputado Luiz Fernando Vampiro, vários municípios atingidos  por fortes chuvas ou outros desastres naturais permanecem por muito tempo em estado de emergência ou calamidade pública por falta de recursos financeiros. 

Por outro lado, existem diversas emendas parlamentares a serem destinadas a essas cidades que já foram publicadas e algumas até empenhadas, aguardando apenas o pagamento.

Informações adicionais à imprensa
Mauren Rigo e Márcia Callegaro
Assessoria de Comunicação
Casa Civil
E-mail: comunicacao@casacivil.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-2005 / 3666-2104 / 98843-3497
Site: www.scc.sc.gov.br
www.fb.com/casacivilsc / @CasaCivilSC

 

 


A Defesa Civil de Santa Catarina libera acesso ao Portal do Programa SC Resiliente na próxima sexta-feira, 31. Ele reúne informações sobre o projeto, criado para fortalecer a capacidade de resposta dos municípios para as situações adversas, ações de redução de riscos de desastres formalmente pelo órgão estadual. O endereço é www.scresiliente.sc.gov.br

O Portal serve de referência para os municípios que buscam aderir ao Programa. Esta ação marca o início do primeiro ciclo que será finalizado em abril de 2021, quando os municípios receberão as certificações. As fases posteriores terão duração de dois anos.

Cada ciclo completo é composto pela dinâmica de adesão, caracterização municipal, montagem da agenda de resiliência, homologação pela Defesa Civil, realização, monitoramento, avaliação e certificação. 

Segundo o diretor de gestão da educação, Alexandre Corrêa Dutra, podem aderir ao Programa SC Resiliente gestores públicos (prefeitos e coordenadores de Proteção e Defesa Civil) dos municípios catarinenses. "O Programa SC Resiliente pretende fortalecer a cultura de resiliência a desastres em Santa Catarina, favorecendo a atuação municipal de forma prática e participativa", completou.

O SC Resiliente também vai habilitar os municípios participantes a ganhar um reconhecimento internacional mais amplo em relação às ações executadas. 

Resultados diretos

Dentro do Programa SC Resiliente cada município participante vai construir uma agenda de resiliência. Ou seja, um conjunto de compromissos assumidos entre três categorias de atuação possíveis: Capacitações; Ações Estruturais e Não Estruturais; Parcerias e Financiamentos. 

A concretização desta agenda vai resultar em benefícios diretos para as pessoas e ampliar a capacidade de resposta e enfrentamento a desastres das cidades catarinenses. "Assim estaremos juntos construindo uma sociedade mais preparada e melhorando a qualidade de vida das pessoas", comentou Corrêa.

Informações adicionais para imprensa:
Flávio Vieira Júnior
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Defesa Civil - DC
Fone: (48) 3664-7009 / 99185-3889 / 99651-5888
E-mail: defesacivilsc@gmail.com
Site: www.defesacivil.sc.gov.br


Foto: Arquivo / CBMSC

Sete anos após o incêndio na Boate Kiss, que deixou 242 mortos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina avançou na prevenção e segurança em estabelecimentos noturnos. Além de novas leis, ações são realizadas para se evitar uma tragédia.

O estado já possuía normas e procedimentos de segurança contra incêndio, mas logo após o acidente foi aprovada a lei estadual 16.157, de 7 novembro de 2013, regulamentada por decreto, concedendo o poder de polícia, ou seja, fiscalização ao Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC).

A lei e o decreto estabelecem normas e requisitos mínimos para a prevenção e segurança contra incêndio e pânico, estabelecendo procedimentos para proteção da vida e do patrimônio, com implementação de sistemas e medidas, previstos em instrução normativa do CBMSC.

As instruções normativas são frequentemente estudadas e analisadas pela Diretoria de Segurança Contra Incêndio (DSCI), possibilitando um atendimento completo e garantindo a proteção dos cidadãos.

Confira a última atualização das instruções normativas.

Ações realizadas pelo CBMSC

Além da fiscalização, o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina faz ações preventivas pontuais. No verão, por exemplo, são feitas fiscalizações noturnas, em municípios turísticos, garantindo que as normas sejam cumpridas.


Foto: Divulgação / CBMSC

São analisados, nestes casos, se o local se encontra com a capacidade de público condizente com o que foi aprovado no projeto pelo CBMSC; se os sistemas preventivos vitais estão instalados e em funcionamento; se as saídas de emergência estão desobstruídas e ainda se há utilização de artefatos pirotécnicos no interior da edificação – que é expressamente proibido.

O que fazer se perceber irregularidades em um local?

Ao presenciar um local de concentração de público e perceber que não existem indicações de saídas de emergência, que possivelmente o local está com a capacidade permitida de público acima do indicado nas placas (que devem estar visíveis), ou alguma irregularidade que possa colocar a vida das pessoas em risco, denuncie.

Os canais de contato são as polícias Militar pelo telefone 190 ou Civil pelo 181 e também o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, pelo telefone 193.

Mais sobre a tragédia da Boate Kiss

A causa das chamas se deu por conta do uso de artifícios pirotécnicos em um ambiente fechado, atingindo a espuma que foi utilizada como revestimento acústico do local.

De acordo com a perícia, a espuma ao queimar liberou cianeto, um gás tóxico, que envenenou  e matou pessoas e deixou mais de 600 intoxicadas. Além do incêndio, também se somam outras irregularidades, como falta de saídas de emergência, sistemas preventivos e superlotação, além de alvarás vencidos.

Por conta deste incêndio, em 2013, as atividades técnicas dos Corpos de Bombeiros Militar foram reforçadas, em todo o país. Além disso, em 2017  foi aprovada a Lei Federal 13.425, chamada de “Lei Kiss”, que estabelece diretrizes gerais para a segurança contra incêndio e pânico em estabelecimentos comerciais, edificações e áreas de reunião de público. A lei reforça que cabe aos Corpos de Bombeiros Militares de cada estado aprovar projetos preventivos e fiscalizar o cumprimento das normas de segurança.

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 

 


Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

O trabalho com a prevenção, para evitar os afogamentos, é o foco do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC). Por isso, a corporação realiza um estudo em relação ao aumento do período de monitoramento com guarda-vidas nas praias catarinenses.

Neste estudo, realizado pelo subcomando do CBMSC e a 1ª Região de Bombeiros Militar, responsável pelo Litoral, serão apontados os custos de operação, os riscos das praias, além dos dados coletados durante a operação verão, que indicam as quantidades de atendimentos e prevenções necessários. São análises criteriosas e que serão divididas em três características:

- praias que possuem necessidade de atuação o ano inteiro;
- praias que possuem necessidade de extensão do período de monitoramento – antecipação e finalização;
- praias que possuem necessidade de monitoramento em épocas pontuais, como feriados, por exemplo.

Algumas praias catarinenses exigem atenção em períodos além da temporada, porém nenhuma medida será adotada imediatamente. Neste momento, estão sendo realizados os levantamentos necessários, além da revisão dos materiais de instruções da coordenadoria de salvamento aquático.

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br 


Fotos: Divulgação / CBMSC

Sinalizações no mar de Canasvieiras, em Florianópolis, para prevenir afogamentos e reforçar a segurança dos banhistas foram instaladas pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) neste sábado, 4. Foram colocadas boias apontando os pontos em que podem ocorrer uma mudança na profundidade bruscamente. 

O CBMSC também instalou 40 placas de sinalização, posicionadas a cada 50 metros e reforçou a presença de guarda-vidas, com 9 por dia, além de três pranchas de stand up paddle e ainda cinco cadeirões – que são espaços elevados para o monitoramento do mar realizado pelos guarda-vidas. As ações foram feitas em conjunto com a Prefeitura Municipal de Florianópolis.


Foto:Mauricio Vieira / Secom

O governador Carlos Moisés confirmou, nesta quarta-feira, 18, que o Governo de Santa Catarina dará uma contrapartida de 25% - cerca de R$ 40 milhões -  para a construção da barragem de Botuverá, orçada em aproximadamente R$ 165 milhões. O apoio financeiro por parte do Estado foi proposto pelo Ministério do Desenvolvimento Regional para que a obra fosse incluída no orçamento de 2020 da União. A resposta positiva do governador foi dada a prefeitos, deputados e representantes da sociedade civil organizada dos municípios de Botuverá, Brusque, Balneário Camboriú, Camboriú, Itajaí, Gaspar e Guabiruba, na Casa d'Agronômica.

"Nós aceitamos porque a obra traz uma série de soluções, como a mitigação de cheias e traz recursos novos, como um reservatório perene de água para abastecer todo o Litoral Norte e a Grande Florianópolis e a possibilidade de gerar energia elétrica", detalhou Carlos Moisés. Os desembolsos do Estado ocorrerão durante o andamento da obra, que terá um prazo de três a quatro anos para ser concluída. "É notícia boa para terminar o ano, resultado de muita dedicação por parte das nossas equipes da Defesa Civil, Secretaria de Estado da Fazenda e dos prefeitos da região", enalteceu o governador.

Os R$ 165 milhões orçados incluem a malha viária necessária para o acesso à barragem. A estrutura será instalada no Rio Itajaí-Mirim e terá mais de 40 metros de altura, podendo armazenar 3,7 milhões de metros cúbicos de água para abastecimento humano, além de uma capacidade para receber até 15,7 milhões de metros cúbicos para a contenção de cheias. A barragem ainda poderá ser aproveitada para alavancar o turismo em Botuverá.

De acordo com o chefe da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior, o trabalho para dar início à obra continua. "O próximo passo é firmar o convênio com o Governo Federal, e depois disso poderemos licitar a obra", antecipa.

A secretária adjunta da Fazenda, Michele Roncálio, destacou a relevância de destinar recursos à barragem. "É uma obra importante para trazer mais desenvolvimento. Este é um investimento que estamos fazendo não só para a região, mas para todo o estado", frisou.

Informações adicionais para a imprensa
Renan Medeiros
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: renan@secom.sc.gov.br
Fone: (48) 3665-3058 / (48) 99605-9196
Site: www.sc.gov.br
www.facebook.com/governosc e @GovSC


Fotos: Divulgação / CMBSC

Com herança genética de dois cães de busca do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), Bono é mais um filhotes da nova geração de cachorros treinados para buscas e resgates. Neto dos aposentados Ice e Malu, ele nasceu no Rio de Janeiro.

“Nós estamos criando uma linhagem própria de Labradores para busca e resgate e o Bono faz parte disso, reforça a família”, conta o presidente da Coordenadoria de Busca, Resgate e Salvamento com Cães, coronel Walter Parizotto.

A mãe do Bono, a cadela Lua, é uma Labradora catarinense que foi doada ao Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro. Já o pai é um Labrador da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

“O Bono já vem com uma carga genética de qualidade para o serviço de busca e salvamento. Apesar de isso ser uma questão de orgulho para mim como condutor, sempre fica uma carga maior de expectativa sobre o nosso trabalho, mas com o treinamento correto e dedicação ele será um ótimo cão de busca”, explica o cabo Matheus Premoli, condutor do Bono.

O binômio – dupla entre bombeiro militar e cão de busca - está na cidade de Araranguá, no Sul do Estado, em treinamento. Com apenas 5 meses de vida, o cão já demonstra aptidão durante os treinos, que não passam de grandes brincadeiras para os animais e acontecem todos os dias.

“O que é trabalho para nós, para o cão é diversão. As sessões de treinos têm que ser divertidas e prazerosas para ele”, complementa Premoli.

Um dos diferenciais dos cães de busca e resgate do CBMSC é o fato de morarem na casa dos condutores, garantindo proximidade e afeição, além de atenção diária.

Foco na certificação

Para atuar como cão de busca do CBMSC é preciso que os cães passem por provas de certificação a partir dos 18 meses de vida. Todo a dedicação do binômio é em treinamentos para estas provas. São apresentados ao filhote diferentes estilos de terrenos e situações, brincando e estimulando a curiosidade do animal.

“Quando o Bono estiver apto para o trabalho, ele encontrará diversos cenários de ocorrências, diferentes ambientes, por isso é importante o trabalho de habituação e socialização do cão diariamente“, explica o cabo.

Informações adicionais à imprensa:
Melina Cauduro
Assessoria de Imprensa
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina - CBMSC
48) 3665-8426 / (48) 98843-4427 / (48) 9 9938-9839
imprensa@cbm.sc.gov.br