Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom

A região de Joaçaba receberá R$ 12 milhões para a revitalização de três importantes acessos rodoviários. Os recursos, que fazem parte do Programa Novos Rumos, serão utilizados na SC-453, entre Joaçaba e Luzerna, na Avenida Santa Teresinha, que dá acesso à BR-282, e na via Egídio Pozzobon, em Herval d’Oeste. Ao todos, serão recuperados aproximadamente 19 quilômetros de asfalto. 

::: MAIS IMAGENS NA GALERIA DE FOTOS

O dinheiro será repassado por meio de um convênio com o Consórcio CinCatarina, que realizará a licitação das obras. O ato que oficializou o repasse da verba ocorreu na noite desta quinta-feira, 31, na cidade de Luzerna, com a presença do governador Carlos Moisés. 

“Essa obra era um consenso aqui na região pela sua importância. Estamos conseguindo fazer investimentos com recursos próprios porque reduzimos o tamanho da máquina pública. É um investimento que vai ajudar no desenvolvimento de toda essa região”, afirmou o governador. 


Foto: Maurício Vieira/Secom

Para o prefeito de Luzerna e presidente do Consórcio CinCatarina, Moisés Diersmann, a expectativa é que as obras comecem no primeiro semestre de 2020. “Essa parceria entre o Governo e os consórcios é muito importante e ajuda a trazer economia aos cofres públicos. A revitalização desses acessos é uma demanda antiga e que finalmente está sendo atendida”, reiterou. 

O secretário de Estado da Infraestrutura, Carlos Hassler, destacou que os financiamentos são importante para grandes obras, porém o investimento com recurso próprio garante um retorno mais imediato para o desenvolvimento econômico de Santa Catarina: "A importância de ser repasse com verba do Estado para infraestrutura é que, ao fim do investimento, você recolhe o retorno do desenvolvimento econômico". 

Também participaram da solenidade o chefe da Casa Civil, Douglas Borba, o chefe da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior, o delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Koerich, o deputado estadual Altair Silva, o deputado federal Fábio Schiochet, o prefeito de Joaçaba, Dioclesio Ragnini, e o prefeito em exercício de Herval d’Oeste, Mauro Martini, entre outras autoridades.

Informações adicionais para imprensa:
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 

 Ensaio final em Timbó | Foto: Rodrigo da Silva Pereira

A quinta-feira 31, em Timbó, Pomerode e Inadaial foi dia dos últimos ajustes para o início da etapa estadual da 59ª edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc). No Pavilhão de Eventos Henry Paul, em Timbó, a movimentação foi intensa com o último ensaio dos cerca de 300 bailarinos da Fundação Municipal de Esporte para a cerimônia de abertura, que ocorre nesta sexta-feira, 1º , às 20 horas, no mesmo local.

Inclusão, diversidade e história dos três municípios-sede serão o tema da solenidade. O slogan dos Jogos é “Tudo começa com um sonho”. Para a professora Simone Sebold de Souza, responsável pela cerimônia de abertura, quem for ao pavilhão vai presenciar uma linda festa, com apresentação que irá contar a história de Timbó, Indaial e Pomerode, passando pelos primeiros habitantes indígenas e também pelas colonizações alemã e italiana, típicas dos três municípios.

Apesar da abertura ser às 20 horas, já no início da manhã de sexta as competições começam. Estão previstos 80 jogos na primeira rodada, que inclui as modalidades de basquete, bocha, bolão 16, bolão 23, futebol, futsal, handebol, punhobol, tênis, tênis de mesa e voleibol. Também estreiam no primeiro dia a natação e o ciclismo, com a prova de maraton.

A 59ª eição dos Jogos vai contar com cerca de 4.800 atletas, de 120 muncipios, disputando 26 modalidades esportivas: atletismo, basquete, bocha, bolão 16, bolão 23, ciclismo, caratê, futebol, futsal, ginástica artística, ginástica rítmica, handebol, judô, natação, punhobol, remo, taekwondo, tênis, tênis de mesa, tiros, triatlo, vôlei, vôlei de praia e xadrez e ainda jitsuo (provisória). Na programação haverá também a exibição do boxe.

Os Jasc, em sua etapa estadual, são uma realização do Governo de Santa Catarina, por intermédio da Fesporte, em parceria com as prefeituras de Indaial, Pomerode e Timbó.

Informações adicionais para a imprensa
Antônio Prado
Assessoria de Imprensa 
Fundação Catarinense de Esporte - Fesporte
Fone: (48) 3665-6126/ (48) 99949-5255
E-mail: prado@fesporte.sc.gov.br
Site: www.fesporte.sc.gov.br

 

 
Foto: Aires Mariga/Epagri

Um estudo desenvolvido pelos pesquisadores Andrey Martinez Rebelo e Alessandro Borini Lone, da Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI), identificou que a colheita da pitaia ocorre quando a fruta ainda não está completamente madura. A descoberta feita por meio de uma técnica inovadora desenvolvida pelos dois pesquisadores, mais simples e rápida, rendeu à pesquisa uma premiação da Associação Brasileira de Química. O trabalho será apresentado na próxima edição do Congresso Brasileiro de Química, entre 5 e 10 de novembro, em João Pessoa (PB).

Rebelo, que é responsável pela Unidade de Ensaios Químicos e Cromatográficos da EEI, explica que a pitaia é um fruto não-climatérico, ou seja, não amadurece depois de colhido, ao contrário da banana, por exemplo. Isso significa que se a colheita for prematura, a fruta não vai contar com inúmeros compostos químicos que proporcionariam um sabor mais adocicado, atrativo ao paladar do brasileiro. 

“A próxima etapa da pesquisa, que será realizada em 2020, é determinar quando, de fato, o fruto está pronto para ser colhido, a partir da identificação da presença desses compostos. Hoje a orientação técnica é fazer a colheita quando o fruto muda de cor, mas isso pode mudar”, explica Alessandro.

Pela segunda vez consecutiva, a Associação Brasileira de Química premia trabalho da Epagri desenvolvido na Estação Experimental em Itajaí. Os melhores são selecionados para apresentação oral no Congresso Brasileiro de Química. Na edição de 2018, o trabalho selecionado visava estabelecer método para análise de feromônios liberados pelo percevejo-do-grão, de autoria também de Andrey, juntamente com o pesquisador Marcelo Mendes de Haro.

Este ano, a pesquisa da dupla também se destacou como um das 43 melhores entre as 1277 inscritas. “Os trabalhos desenvolvidos pela Epagri têm se destacado principalmente pelo seu caráter aplicado e que sempre se baseiam na busca por soluções demandadas pelas cadeias produtivas assistidas pela Empresa”, ressalta Rebelo.

Informações adicionais para a imprensa:
Assessoria de Comunicação da Epagri
Gisele Dias
Fone: (48) 3665-5147 / (48) 99989-2992
E-mail: giseledias@epagri.sc.gov.br
Cinthia Andruchak
Fone: (48) 3665-5344
E-mail: cinthiafreitas@epagri.sc.gov.br
Isabela Schwengber
Fone: (48) 3665-5407
E-mail: isabelas@epagri.sc.gov.br
Site: www.epagri.sc.gov.br

A Justiça entendeu que município não pode criar imposições ao Estado para liberar alvará de funcionamento e habite-se de Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) e de Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep). A decisão, publicada na última semana, confirmou a liminar obtida pela Procuradoria Geral do Estado de Santa Catarina (PGE/SC) em novembro de 2018, que permitiu a entrada em operação dos centros destinados à ressocialização de menores infratores.

Em abril do último ano, o Governo do Estado concluiu a construção do Case e Casep de Criciúma, na região Sul catarinense. O espaço tem capacidade para 60 internos, sendo 20 deles provisórios. Na época, o município condicionou a concessão do alvará de funcionamento e do habite-se à implementação de medidas compensatórias pelo Estado, como, por exemplo, o asfaltamento da rodovia que liga os centros de atendimento à BR-101.

A PGE ingressou com ação judicial alegando que a imposição de condições para liberação  era ilegal. Além disso, por estarem localizados em área rural, os centros de atendimento dispensariam a realização de Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) e as exigências do Conselho de Desenvolvimento do Município seriam abusivas, pois não foi verificada qualquer necessidade de medida compensatória por parte do Estado durante o processo.

“É inadmissível que sejam criadas obrigações de forma arbitrária para a concessão de licença de funcionamento, inviabilizando um empreendimento importantíssimo para os adolescentes do Estado e para toda a sociedade. Além de ter atrasado a abertura dos centros, a imposição violou a prioridade no atendimento do direito à educação do adolescente e gerou despesas para manutenção pelo Estado da estrutura que já estava pronta”, observou a procuradora-geral do Estado, Célia Iraci da Cunha.

Liminar confirmada

A Procuradoria Geral havia obtido, em novembro de 2018, decisão liminar do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) que assegurava a emissão do alvará de funcionamento e do habite-se pelo município de Criciúma. Desde então, o Case e o Casep estão em funcionamento. 

Com a última decisão, a Justiça confirmou a liminar e a inexigibilidade do Estudo de Impacto de Vizinhança. Consequentemente, impediu que o município condicionasse a emissão do alvará e do habite-se à realização de medidas compensatórias pelo Estado, garantindo o funcionamento regular dos centros de atendimento.

Atuaram na ação os procuradores do Estado Célia Iraci da Cunha e Daniel Rodriguez Teodoro da Silva.

Processo: 0311284-96.2018.8.24.0020

Informações adicionais:
Maiara Gonçalves
Assessoria de Comunicação
Procuradoria Geral do Estado - PGE
comunicacao@pge.sc.gov.br 
(48) 3664-7650 / 99131-5941 / 98843-2430
Site: www.pge.sc.gov.br 


 
Foto:Ricardo Wolfenbuttel/Secom

Uma agricultura tecnificada, produtiva e pujante. Esse foi o retrato de Santa Catarina divulgado pelo Censo Agropecuário, do IBGE. Entre os destaques está o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP), contabilizado em R$ 20,48 bilhões em 2017, sendo que 50,7% desse total vem da agricultura familiar. Com 183 mil propriedades rurais e 502 mil pessoas ocupadas, o estado tem o 9º maior faturamento do país no setor agrícola.

Destaque na produção animal e vegetal, Santa Catarina tem uma agricultura familiar altamente produtiva e inserida no agronegócio. De acordo com os dados do Censo Agro, 78% das propriedades rurais são deste modelo, ocupando 364 mil pessoas e 2,45 milhões de hectares cultivados. Além disso, o valor da produção dos pequenos cultivos é o quinto maior do Brasil, com R$ 10,38 bilhões.

"O agronegócio catarinense tem características únicas, somos um pequeno estado com uma produção gigante. A diversidade e a qualidade dos produtos do nosso agronegócio são reconhecidos em todo o mundo. A agricultura familiar é uma das marcas registradas de Santa Catarina, e os números do Censo Agro trazem uma dimensão da importância do setor para a economia do estado. Esses dados são um retrato do agronegócio catarinense e servirão de base para nossos trabalhos", ressalta o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa.

Atividade econômica

A pecuária foi a principal atividade econômica nas propriedades rurais de Santa Catarina, presente em 46,8% do total (85.617). A produção de lavoura temporária é a fonte de renda primária em 37,6% dos estabelecimentos (68.855). Os números trazem uma inversão do que acontecia no Censo Agro de 2006, quando a maior parte se dedicava principalmente à produção vegetal.

Uso de Agrotóxicos

Segundo os dados do IBGE, Santa Catarina tem o maior percentual de propriedades rurais que utilizam agrotóxicos - 70,7% do total. Isso representa 129,3 mil estabelecimentos rurais. É importante lembrar que esse valor não se refere à quantidade de agrotóxicos e sim à relação entre propriedades existentes e o número de produtores que declararam utilizar o produto.

De acordo com o analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa) da Epagri, Luiz Toresan, esse número reflete um estado mais tecnificado, com uma produção diversificada. "Santa Catarina tem uma grande concentração de fruticultura, olericultura e produção de grãos, é natural que o uso de agrotóxicos seja maior. Os estados com um percentual menor, como Amazonas, Acre e Amapá, têm uma característica mais extrativista", explica.

Toresan ressalta ainda que 84% do produtores que declararam utilizar agrotóxicos recebem algum tipo de assistência técnica, seja do Governo Federal, Estadual ou cooperativas. Esse é o segundo maior resultado do país, perdendo apenas para o Rio Grande do Sul.

Controle do comércio e uso de agrotóxicos em Santa Catarina

Santa Catarina é referência nacional quando o assunto é o controle do comércio e uso de agrotóxicos. Recentemente a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) implementou ferramentas eletrônicas para monitorar a emissão de todos os receituários agronômicos, as vendas e a movimentação desses produtos.

O gestor da Divisão de Fiscalização de Insumos Agrícolas da Cidasc, Matheus Mazon Fraga, explica que o Estado tem a relação das pessoas que adquirem agrotóxicos, em quais culturas o produto será utilizado e qual a finalidade. A Companhia executa ainda o Programa Alimento sem Risco, em parceria com o Ministério Público de Santa Catarina, e monitora os resíduos de agrotóxicos nos alimentos.

Por meio do Programa, a Cidasc realiza a coleta de aproximadamente 620 amostras anuais de produtos de origem vegetal, tanto na produção quanto no comércio, em todas as regiões do estado. São analisados 450 princípios ativos para verificação de inconformidades.

Em oito anos de execução, Santa Catarina já colhe resultados significativos. No início dos trabalhos, em 2011, o índice de resíduos era de 36% de inconformidades. Em 2018, esse número já caiu para 20%, sendo que as inconformidades da produção catarinenses são de apenas 15% - isso representa metade da média nacional. "Os números demonstram o sucesso do Programa. O desafio é grande, mas está sendo enfrentado. Nosso objetivo é diminuir o uso irregular de agrotóxicos, ofertando à sociedade catarinense alimentos cada vez mais seguros", destaca Matheus Mazon Fraga.

Orgânicos

Em Santa Catarina são 2.921 agricultores que se dedicam à produção orgânica. No Brasil esse número chega a 64.690.

Informações adicionais para imprensa:
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa 
Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural
E-mail: imprensa@agricultura.sc.gov.br
Fone: (48) 3664-4417/ 98843-4996
Site: www.agricultura.sc.gov.br

 
Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom

Entre os dias 7 e 25 de outubro, foi realizada a primeira etapa da Campanha de Vacinação contra o sarampo em Santa Catarina, destinada a crianças entre 6 meses e menos de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias). Neste período, 144.650 crianças compareceram aos postos de saúde do estado. Destas, 30.106 (20,8%) não estavam com as doses em dia e precisaram tomar a vacina - as demais estavam com a carteira atualizada.

De acordo com a gerente de imunização da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC), da Secretaria de Saúde de Santa Catarina, Lia Quaresma Coimbra, o resultado desta primeira fase foi positivo: “Grande parte das crianças já estavam com a situação em dia, isso mostra que os pais estão preocupados com a saúde dos filhos, porém ainda temos um resíduo de aproximadamente 39 mil crianças para vacinar”.

A vacina contra o sarampo (tríplice viral ou tetra viral) é indicada para crianças nas seguintes faixas etárias:
- 6 a 11 meses: dose zero
- 1 ano: dose um
- 1 ano e 3 meses: dose dois e última dose por toda a vida

Crianças que não possuem ao menos duas doses da vacina precisam ser levadas aos postos de saúde para atualizar a caderneta de vacinação. A chefe da divisão de imunização da Dive/SC, a enfermeira Arieli Fialho, esclarece que as doses seguem disponíveis nos postos de saúde mesmo com o fim da campanha: “A vacina contra o sarampo é de rotina, então ela fica disponível nas salas de vacinação o ano todo”.

Segunda fase da Campanha de Vacinação contra o sarampo

A segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo será entre os dias 18 e 30 de novembro com a aplicação de doses em adultos entre 20 e 29 anos de idade. O dia D da segunda fase será em 30 de novembro. Nesta etapa, o estado precisa vacinar cerca de 550 mil jovens adultos.

“Pessoas nesta faixa etária devem ter tomado duas doses da vacina ao longo da vida. Caso não tenham tomado, não lembrem ou não tenham mais a carteirinha de vacinação, a recomendação é que vá até uma sala de vacina”, esclarece a enfermeira, Arieli Fialho, responsável pela imunização da Dive/SC.

Casos de sarampo em Santa Catarina

Até o dia 13 de outubro deste ano, segundo o último boletim divulgado pela Dive/SC, foram confirmados 45 casos importados (de outros estados) de sarampo em Santa Catarina, outros 15 estão em investigação e/ou reteste, conforme protocolo recomendado pelo Ministério da Saúde.

Entre os 45 casos confirmados, três foram em tripulantes de um navio atracado no litoral catarinense em fevereiro de 2019. Outros 42 casos estão distribuídos geograficamente nos municípios de Florianópolis (23), Joinville (4), Barra velha (3), Palhoça (3), São Jose (2), Guaramirim (1), Balneário Camboriú (1), Schroeder (1), Guabiruba, (1), São João Batista (1), Imbituba (1) e Concórdia (1) e foram registrados a partir do dia 17 de julho.

Os últimos casos autóctones (contraídos no estado) de sarampo registrados em Santa Catarina foram no ano de 1999 em um surto de 25 pessoas.

Cobertura vacinal de 2019

Em Santa Catarina, a cobertura para crianças com 1 ano de idade está em 99,56%. Esse valor corresponde a todas as crianças vacinadas, nesta faixa etária, do início do ano até o mês de outubro de 2019.

Sarampo

É uma doença viral, extremamente contagiosa. O vírus se espalha facilmente pelo ar através da respiração, tosse ou espirros e pode ficar até duas horas no ambiente. Uma pessoa com sarampo pode transmitir a doença para uma média de 12 a 18 pessoas que nunca foram expostas ao vírus anteriormente ou que não tenham sido vacinadas. A única forma de se prevenir é com a vacinação.

Os principais sintomas do sarampo são: febre, tosse, coriza, aparecimento de manchas vermelhas no corpo e olhos avermelhados. “A pessoa que apresenta esses sintomas deve procurar o serviço de saúde com a máxima urgência. O sarampo pode causar complicações à saúde e, em casos mais graves, levar à morte”, esclarece Alda Rodolfo da Silva, enfermeira responsável pelo setor de imunopreveníveis da Dive/SC.

Saiba mais: www.dive.sc.gob.br/sarampo

Informações adicionais para a imprensa:
Patrícia Pozzo
Núcleo de Comunicação
Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive)
Secretaria de Estado da Saúde
Fone: (48) 3664-7406 | 3664-7402
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
www.dive.sc.gov.br

 
Foto: Nadine Quandt/Udesc

A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Joinville abrirá até 12 vagas ao Mestrado Acadêmico em Física para o primeiro semestre de 2020. O curso é inteiramente gratuito e os melhores classificados podem ser contemplados com bolsa de estudos. As inscrições deverão ser realizadas até 17 de janeiro, via formulário eletrônico.

O curso conta com seis linhas de pesquisa: Dinâmica Não-Linear, Física da Matéria Condensada, Óptica e Física Atômica e Molecular, Ciência e Tecnologia de Plasmas, Superfícies e Filmes Finos e Relatividade e Cosmologia.

Serão aceitas as inscrições dos portadores de diploma de Bacharel ou de Licenciatura Plena em Física, ou de áreas afins, como Química, Matemática ou Engenharias. No ato da inscrição, os candidatos devem anexar o histórico escolar de graduação, o Currículo Lattes e duas cartas de referência.

Os documentos anexados à inscrição serão recebidos pela Coordenadoria de Ensino de Pós-Graduação. Somente serão homologadas as inscrições que estiverem de acordo com o edital.

A lista de inscrições homologadas e o cronograma de entrevistas serão publicados até 21 de janeiro no site do programa e no mural da secretaria. Os candidatos cujas inscrições forem homologadas deverão ser entrevistados de forma presencial ou online, via Skype, em 27 e 28 de janeiro. No dia da entrevista, a documentação comprobatória das informações preenchidas no Currículo Lattes deverá ser apresentada.

A relação final dos aprovados será publicada até 29 de janeiro.

Todas as informações sobre o processo seletivo estão no edital. Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail ppgf.cct@udesc.br ou pelo telefone (47) 3481-7928.

 
Bruno Collaço/Agência AL

A Política de Atendimento ao Imigrante em Santa Catarina foi o tema da reunião realizada na manhã desta quarta-feira, 30, na Assembleia Legislativa.  A Diretoria de Direitos Humanos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (SDS) participou do encontro, representando o Governo do Estado. O procurador Regional dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal, Claudio Cristani, e a assessora em políticas públicas da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), Janice Merigo, além de entidades da sociedade civil e deputados estiveram presentes.

A diretora de Direitos Humanos da SDS, Karina Gonçalves Euzébio, apresentou o trabalho desenvolvido pela secretaria e ressaltou a importância da expansão da política de atendimento ao imigrante, com o Estado assumindo, ao lado de todos o atores envolvidos no tema, a efetivação das propostas. Euzébio lembra que o principal papel do Estado é de articulador da rede de atendimento, atuando nas esferas municipal, estadual, nacional e internacional.

"Estamos fazendo o diagnóstico em todos os municípios que já têm atendido os imigrantes, contamos com mais de 8.500 trabalhadores somente no Sistema Única de Assistência Social (SUAS) que, em 190 cidades, recebem mais de 85 nacionalidades. São cerca de 5.700 imigrantes cadastrados para ter acesso aos benefícios socioassistenciais e mais de 1.800 são beneficiados pelo Bolsa Família, com acompanhamento. A proposta é que o imigrante seja atendido no seu território”, afirmou a diretora da SDS.  

Karina Euzébio lembrou ainda que, após a Reforma Administrativa, foi criado algo inédito na estrutura governamental: a Gerência de Políticas para Igualdade Racial e Imigrantes. A estrutura conta, inclusive, com estrangeiros trabalhando na equipe e tem como objetivo implantação das políticas públicas para o imigrantes. 

“Já realizamos capacitações para 22 municípios em São Miguel do Oeste, para 19 em Concórdia e para 20 em Chapecó. Temos também algo inédito no país, que é uma capacitação da Polícia Federal para questão da documentação, algo fundamental para quem chega ao país", completou a diretora.

Durante a reunião, um Projeto de Lei para instituir a política estadual de atendimento ao imigrante foi apresentado. O próximo passo é encaminhar a PL aos demais parlamentares para que possam assinar em conjunto a iniciativa para que imigrantes tenham acesso aos direitos sociais e à saúde. A matéria trata dos direitos e deveres dos beneficiários e qual o dever dos entes públicos. 

Mais informações para imprensa:
Marta Scherer
Assessoria de Comunicação 
Secretaria de Desenvolvimento Social - SDS
Fone: (48) 3664-0916
E-mail: ascom@sst.sc.gov.br



 
Foto: Arquivo/Secom

A empresa Teixeira Duarte foi a vencedora do processo licitatório para a execução das obras preventivas na Serra do Rio do Rastro (SC-390). A abertura das propostas de preço e documentação da licitação ocorreu nesta quarta-feira, 30, na sede da Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade (SIE), em Florianópolis. A companhia será responsável por executar tanto o projeto quanto a obra, com valor orçado em R$ 19.048.771,00.

"Após um grande esforço para a elaboração de uma documentação bastante técnica e detalhada, estamos chegando ao fim do processo administrativo que nos permitirá dar início a execução dos serviços", exaltou o secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Carlos Hassler.

O plano de trabalho prevê a intervenção ao longo da rodovia SC-390, contemplando 25 pontos em taludes, podendo variar o material, dependendo do local. Além dessas ações estruturantes, será feita a retirada de blocos rochosos e outros materiais que estão soltos e depositados sobre os taludes.

Os 25 pontos de intervenção estão dentro do perímetro territorial dos municípios de Orleans, Lauro Müller e Bom Jardim da Serra. Após o resultado, o processo seguirá os trâmites administrativos para homologação, a assinatura do contrato e ordem de serviço.

Mais informações para imprensa:
Patricia Zomer
Vanessa Pires
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade
(48) 3664-2008 / 9-9995-8494
ascom.sie@gmail.com

 
Foto: Ascom/Celesc

Na próxima sexta-feira, 1º de novembro, a Celesc realiza um workshop para esclarecer as principais dúvidas de quem deseja participar da Chamada Pública de Propostas de Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento – P&D, cujas inscrições estão abertas até o dia 30 de novembro de 2019. Para participar do workshop, basta realizar sua inscrição no site (clique aqui)

O encontro visa esclarecer dúvidas dos interessados em desenvolver projetos que proponham soluções a respeito de 26 temas relacionados às áreas de eficiência energética, fontes alternativas de geração de energia elétrica, gestão de bacias e de reservatórios, combate a perdas comerciais; planejamento, supervisão, controle e proteção do sistema de energia; qualidade e confiabilidade; e segurança. 

Durante o evento, que será realizado na sede da Celesc, em Florianópolis, serão apresentados os desafios para os quais as propostas devem ser elaboradas, as expectativas da Empresa em relação aos projetos e os critérios de seleção das propostas. 

Os interessados em participar do workshop, especialmente de outras regiões do país, podem acompanhar e sanar dúvidas pela transmissão ao vivo via Youtube e Facebook, cujo link também estará disponível no site. Quem se deslocar até a Celesc terá a oportunidade de receber esclarecimento individual em uma das mesas referentes a cada tema, com a presença dos respectivos coordenadores do processo de pesquisa e desenvolvimento.  

Chamda Pública

A Chamada Pública de Propostas de Projeto de P&D – Desafios e Soluções Esperadas tem como objetivo identificar e desenvolver soluções inovadoras que promovam incremento de eficiência e qualidade ao setor elétrico. Segundo o gerente da Divisão de P&D e Eficiência Energética, Thiago Jeremias, “as linhas temáticas do edital resultam do trabalho de prospecção interna, em que os próprios empregados contribuíram na identificação de necessidades de eficiência energética, além de uma prospecção externa em que os agentes ligados à Ciência & Tecnologia também cooperaram”. 

O edital com as informações sobre a Chamada Pública está disponível no site e as inscrições dos projetos estão abertas até 30 de novembro de 2019, à exceção das tecnologias Smart City, cujo prazo encerra em 31 de março de 2020. 

Podem apresentar propostas de projeto instituições públicas ou privadas de ensino e/ou de pesquisa, universidades, empresas de consultoria, fabricantes de materiais e equipamentos que apresentem em seu Estatuto Social/Contrato Social/Regimento, atividades de pesquisa e desenvolvimento. 

Jeremias aponta ainda que, atualmente, o Programa de P&D da Celesc conta com 40 projetos em andamento, todos devidamente homologados pela Aneel, e que os recursos investidos para o Programa podem chegar a R$ 120 milhões no período 2019-2020: “Os recursos já estão aprovados. Agora, estamos buscando ideias e estamos abertos para as melhores soluções, que agreguem valor para todo o sistema elétrico e para a sociedade”.

Serviço:

O quê? Workshop P&D Celesc, Chamada Pública para Seleção de Projetos de P&D – Desafios e Soluções Esperadas
Quando? 01 de novembro, das 08h30 às 12h30
Onde? Sede administrativa da Celesc - Avenida Itamarati, 160, Itacorubi - Florianópolis – SC 
Inscrições? http://site.celesc.com.br/ped/chamadas-publicas 

Mais informações para a imprensa:
Heda Wenzel
Agência Comunicaz a serviço da Celesc
Fone: (48) 3231-5140 
Twitter.com/CelescInforma
Confira a situação em tempo real no estado: celgeoweb.celesc.com.br